Building a Better Working World

Prêmio Empreendedor do Ano

  • Compartilhar

Esta categoria, promovida pela Endeavor, prestigia empreendedores que se destacam pelos resultados e pelo potencial de crescimento de suas empresas.


 

André Luiz Rosa Rezende e Luiz Eduardo Rosa Rezende | Prática

De fornos feitos com vidro de Kombi na porta e ventoinha de Fusca para fazer circular o ar a fornos combinados, estufas, máquinas para panificação fabricados com o que há de mais moderno no mercado. Essa é a evolução do processo de qualidade da Prática, empresa fundada em Pouso Alegre (MG), em 1991, por André Rezende e Luiz Eduardo Rezende, a partir de ativos remanescentes de uma empresa familiar que encerrou as atividades. O crescimento se seu depois de André e Luiz buscarem apoio de entidades que apoiam o empreendedorismo e adotar uma gestão estruturada. Em três anos, a empresa foi de 46 para 89 milhões de reais em vendas e tem planos de ampliação do portfólio de produtos e internacionalização.


Cristiano Melles, Luiz Marsaioli e Rafael Valdivia | Pobre Juan

Definitivamente pobre não é o adjetivo que melhor define o ambiente e a comida desta rede de restaurantes. Os pratos servidos nas 11 unidades do Pobre Juan são sofisticados, os cortes das carnes são de altíssima qualidade e o serviço beira a perfeição. O que também não segue a lógica é saber que o restaurante foi fundado em 2004 sem grandes pretensões de se tornar um negócio lucrativo. Os sócios vieram de diferentes mercados e decidiram, sem conhecer o segmento de gastronomia, oferecer um local aos amigos que reunisse boa comida, excelente serviço e momentos de descontração. Deu tão certo que atualmente pretendem abrir pelo menos oito casas por ano, a um investimento de cerca de três milhões de reais por unidade.


Darci Roberto Schneid | Sirtec

Quando ninguém imaginava que construir redes elétricas em localidades remotas e de baixo poder aquisitivo fosse viável, Darci Schneid vislumbrou a possibilidade de obter êxito. Quando empresários e executivos acreditaram que construir redes elétricas sem máquinas e ferramentas especiais era impossível, ele as construiu em mutirão com os próprios clientes. Foi assim que nasceu a Sirtec, no momento em que Darci decidiu atender a um mercado até então esquecido pela concorrência. Fundada em 1989, em São Borja (RS), a empresa atua na construção e manutenção de redes de distribuição de energia elétrica. Hoje é a maior empresa do setor no Estado. Até 2024, a meta é chegar ao faturamento de R$ 1 bilhão.


Felipe Ramos Fioravante | iFood

Se seu oponente é muito mais forte do que você, não lute com a mesma arma. Essa foi a principal lição aprendida por Felipe Fiovarante à frente do iFood – empresa online em que o cliente tem acesso a uma ampla base de restaurantes e faz o seu pedido de delivery. O aprendizado veio após seis meses do lançamento da empresa, em 2011, quando seu principal concorrente e líder de mercado foi comprado por um importante player global. Em consequência disso, os pedidos do iFood diminuíram, mas a determinação de Felipe cresceu na mesma proporção. Decidiu inovar e investir no canal mobile, lançando aplicativos para celular. Deu certo. Atualmente a empresa está presente em 15 cidades do país e há planos de expansão para 40 até o final de 2014.


João Ricardo Mendes| Hotel Urbano

Dizem que os empreendedores precisam ter uma boa dose de ousadia para superar alguns limites. Foi o que João Ricardo Mendes fez em 2006. Para conseguir que o irmão, José Eduardo, tornasse seu sócio em um e-commerce, João se passou por um cliente e ligou para a loja de sapatos onde ele trabalhava para reclamar do atendimento. José acabou sendo demitido e, sem emprego, foi trabalhar com João. Assim, em 2011, entre sonhos e algumas ousadias, nasceu o Hotel Urbano. A start-up oferece viagens para todo o mundo e hoje é líder no segmento de hospedagem do mercado brasileiro, com 18 milhões de viajantes cadastrados e mais de 5 milhões de diárias vendidas. E José Eduardo ainda agradece o irmão pelo arrojo.


Mariano Gomide de Faria e Geraldo Thomaz | VTEX

A VTEX, fundada em 1999 por Mariano de Faria e Geraldo Thomaz, quase fechou as portas três vezes até 2007. Na última vez em que os fundadores pensaram nisso, receberam em seguida a ligação do presidente do Conselho de uma grande empresa aceitando fechar um contrato que sustentaria a empresa viva. Desde 2008, quando achou o seu nicho, a VTEX vem apresentando um crescimento surpreendente, saindo de R$ 1,5 milhão para R$ 32 milhões de faturamento em 2013. Hoje coleciona um portfólio de empresas de grande renome, como Walmart, Danone, L’Oréal, TIM, Nokia, O Boticário e Electrolux. No ano passado, iniciou expansão para América Latina e hoje já conta com mais de 600 clientes.


Pedro Chiamulera e Bernardo Lustosa | ClearSale

De acordo com Pedro Chiamulera, presidente da ClearSale, “a trajetória de uma companhia se assemelha às provas com barreiras: o atleta tem de sair em disparada, ultrapassar seguidos obstáculos e ainda superar os concorrentes”. Ele, que disputou duas Olimpíadas, fala com propriedade. Após a carreira de atleta, formou-se em ciências da computação e apostou em um software de prevenção a fraudes para o e-commerce, fundando a ClearSale em 2001. Em 2008, o amigo Bernardo Lustosa, estatístico, tornou-se seu sócio. Inovaram oferecendo soluções completas de combate a fraudes. Desde 2008, a empresa cresceu 32 vezes, e o sonho de chegar ao pódio nunca esteve tão próximo. Hoje detém 77% do mercado brasileiro de autenticação de vendas eletrônicas.


Tiago Moura Mendonça | ABC da Construção

Quando Tiago Mendonça ficou à frente da ABC da Construção - uma rede de lojas de materiais de construção, fundada em Juiz de Fora (MG) pelo seu avô, em 1990 - notou rapidamente que era preciso uma reestruturação. Mas como transformar uma firma tradicional de varejo e desenvolver um novo modelo de negócios em um mercado com baixíssimo histórico de inovação? A solução foi repensar tudo, desde o modelo financeiro, posicionamento e serviços oferecidos aos clientes a testar novos canais de venda. Hoje, profissionalizada, a empresa tem 50 lojas próprias, e a previsão é de investimento na ordem de R$ 100 milhões para os próximos anos.


Thiago Fiorin e Nelso Fiorin | Lojas KD

Pertencer a outra geração e ser inserido na dinâmica empresarial de um negócio já consolidado é um grande desafio. Poderia ter gerado conflitos, mas para Nelso Fiorin e Thiago Gomes gerou ótimos frutos. Em 1997, Nelso fundou a Lojas KD – varejista de móveis com quatro lojas físicas. Thiago entrou como sócio e COO, em 2012, e trouxe modernidade ao conhecimento operacional. As lojas físicas foram fechadas e a empresa se tornou 100% digital. Também foi uma das primeiras a adotar o sistema cross-docking – quando o produto escolhido pelo cliente é comprado no mesmo dia do fornecedor. A nova estratégia se refletiu nos números financeiros da empresa: saltaram de R$ 10,7 milhões para R$ 36,2 milhões em vendas em quatro anos.