Skip to main navigation

Release Empresas - EY - Brasil

  • Compartilhar

Redução de custos e eficiência operacional é prioridade na agenda das empresas, aponta EY

Brasil se mantém entre os dez principais destinos de investimento internacional

São Paulo, 15 de maio de 2014 – De outubro de 2013 a abril de 2014, a confiança dos executivos brasileiros na economia local aumentou de 42% para 51%. Apesar de o foco continuar sendo redução de custos e obtenção de eficiência na operação, mais da metade dos executivos (53%) também acredita que o volume de transações corporativas no Brasil deva crescer nos próximos 12 meses. Essas são algumas conclusões do 10º Global Capital Confidence Barometer, pesquisa realizada semestralmente pela EY com 1.600 executivos de 54 países, incluindo o Brasil. O objetivo desse levantamento é indicar o nível de confiança das empresas quanto ao cenário econômico e identificar as principais tendências em relação à gestão de capital e transações corporativas.
 
O estudo Global Capital Confidence Barometer também aponta que, as empresas têm aumentado o apetite para grandes transações e isso se reflete no Brasil, que continua sendo um dos dez melhores destinos de investimentos internacionais. A intenção das empresas em fazerem grandes fusões e aquisições (acima de US$500 milhões) dobrou nos últimos 12 meses – de 12% para 27%. “Há sinais claros de que os planos para transações estão mudando rapidamente, com uma recuperação da economia global, aumento da captação de empréstimos, e perspectivas econômicas mais otimistas por parte dos executivos.” – explica Fabio Pires, sócio de Transações Corporativa da EY.

Por outro lado, no Brasil, redução de custos e a busca pela eficiência operacional é prioridade para 43% dos respondentes. “Após anos seguidos de investimentos para acompanhar um crescimento acelerado da economia, as empresas definitivamente continuam buscando melhorar eficiência e não demonstram interesse em estratégias de risco. No entanto, os executivos demonstram arrojo com relação à otimização da estrutura de capital. Nunca vimos tanto apetite para venda de ativos e desinvestimentos de operações. Depois da redução do custo, desinvestimento parcial ou completo é o segundo foco dos executivos de acordo com nosso estudo” – comenta Pires.

A retomada do interesse por aquisições por parte do mercado global, com 31% dos executivos respondendo que irão fazer aquisições nos próximos 12 meses, combinada à intenção de desinvestimento das empresas brasileiras cria um cenário favorável para o aumento do volume de fusões e aquisições nos próximos meses no Brasil. Como consequência, nunca foi tão pequena a diferença entre os valores que as empresas estão dispostas a pagar e os preços pelos quais se pretendem vender os ativos. Vinte e sete por cento dos entrevistados no Brasil acreditam que o desequilíbrio entre valores de compra e venda está menor do que 10%, o menor gap em dois anos.

De forma geral, as bases para fazer negócios estão muito favoráveis. Historicamente, esse equilíbrio de valuation, somado à disponibilidade de crédito, traria uma onda de fusões e aquisições pelo globo. No entanto, a instabilidade geopolítica, a recuperação ainda frágil da economia global, assim como mudanças estruturais em tecnologia e mercado trabalho sugerem que as empresas sejam mais comedidas.

“É plausível que o aumento de transações no Brasil não ocorra em 2014, pois o tempo necessário para negociação e conclusão não é curto. No Brasil, as eleições e a Copa do Mundo devem contribuir ainda mais para que o mercado de transações se mantenha morno este ano. Todavia, o empresário brasileiro está ajustando a operação e deve estar bem posicionado para uma possível retomada de fusões e aquisições após as eleições e em 2015”, conclui Pires.

Ainda de acordo com o estudo, no mundo todo, os setores com os mais atraentes aos investimentos em transações são: Mineração e Metais, Petróleo e Gás, Energia, Varejo, Tecnologia e Telecomunicações. 
 
Sobre a EY

EY é líder global em serviços de Auditoria, Impostos, Transações Corporativas e Consultoria, comprometida em fazer sua parte para construir um mundo de negócios melhor. Os insights e os serviços de qualidade prestados ajudam a criar confiança nos mercados de capital e nas economias do mundo. A empresa desenvolve líderes  que inspiram suas equipes a entregar excelência a todos seus stakeholders. Dessa forma, a companhia desempenha um papel fundamental na construção de um mundo de negócios melhor para seus profissionais, clientes e comunidades. A EY refere-se a uma ou mais empresas-membro da Ernst & Young Global Limited (EYG), organização privada constituída no Reino Unido, limitada por garantia e que não presta serviços a clientes.
 
Mais informações em: www.ey.com.br 
Acompanhe em:
@EY_Brasil
#BetterWorkingWorld
 
Para mais informações, entre em contato com o Grupo Máquina PR:

Andréia Henriques – andreia.henriques@grupomaquina.com – (11) 3147-7401/ 98325-3695
Amanda Trolezi – amanda.trolezi@grupomaquina.com  – (11) 2573-4100/ 98490-6252
Priscila Pagliuso – priscila.pagliuso@grupomaquina.com  – (11) 3147-7236/ 96341-5193

 

 

EY_foto-press-release
Back to top