Skip to main navigation

Release Mercado - EY - Brasil

  • Compartilhar

Mercado global mantem o Brasil como destino atrativo para investimentos de capital e fusões e aquisições, aponta EY

Otimismo das empresas globais aumenta, enquanto as brasileiras estão mais cautelosas

São Paulo, 13  de novembro de 2013 – De abril a outubro de 2013, houve uma mudança clara no foco das empresas brasileiras que demonstram ter menos interesse em transações corporativas e voltam suas prioridades para otimizar as operações e controle dos custos, é o que aponta o 9º Capital Confidence Barometer (CCB), lançado pela multinacional de auditoria e consultoria EY (anteriormente Ernst & Young).

Enquanto isso, o mercado global retoma o apetite para transações corporativas e considera o Brasil como um mercado importante para atingir crescimento mais significativo.  O Brasil continua na lista de países mais atraentes para investidores internacionais. A lista conta com China, Índia, Canadá e Estados Unidos, além do Brasil.

Para o levantamento semestral foram entrevistados 1.600 executivos de 72 países, incluindo o Brasil, com o objetivo de indicar a confiança das empresas quanto ao cenário econômico e identificar as principais tendências em relação à gestão de capital e transações corporativas.

Brasil desacelera o nível de transações corporativas e foca nas melhorias operacionais

Embora o cenário global já aponte uma retomada das operações globais de fusões e aquisições, a pesquisa mostra um recuo no apetite pelas transações por parte das empresas brasileiras, que passaram a priorizar a eficiência e o controle de custos na gestão de capital. Enquanto no Brasil, 12% dos executivos esperam um declínio das aquisições, apenas 5% de seus pares no mundo dividem a mesma opinião. Se em outubro do ano passado, 42% das empresas brasileiras ouvidas tinham expectativa de concluir uma transação, somente 31% responderam o mesmo em 2013.

Ao que se refere ao preço dos ativos, 50% dos executivos acreditam que eles serão mantidos aos níveis atuais. Entretanto, 23% esperam uma queda desses valores. Há seis meses, apenas 8% previam esse decréscimo.

“Os executivos brasileiros estão menos confiantes na economia local e as preocupações com o ambiente regulatório aumentaram. Uma alternativa apontada pelas empresas são os desinvestimentos – venda de ativos - vistos como uma forma viável para captar recursos e otimizar capital” – comenta Fabio Pires, sócio de Transações Corporativas da EY.

Nos Estados Unidos, fusões e aquisições voltam à agenda das empresas

Já as empresas americanas apresentam sinais de melhora no otimismo e crescimento orgânico não será suficiente para atender as necessidades das empresas. Com mais foco em fusões e aquisições, mais de um terço (35%) das empresas disseram que irão comprar outra companhia ao longo dos próximos 12 meses, comparado a 25% no ano passado. Percepções sobre o futuro da economia dos EUA são mais positivas do que eram há um ano – 65% esperam que a economia global melhore, comparado a apenas 22% do ano passado.

“O mercado corporativo americano finalmente demonstra um interesse real em fazer negócio. As empresas passaram os últimos anos otimizando o balanço e melhorando as métricas operacionais. Chegou a hora de crescer mais rapidamente e a disponibilidade de caixa e crédito facilita a execução de fusões e aquisições. No entanto, a expectativa é o que o nível e o rigor da due diligence executada pelos investidores dev aumentar. Para a empresa brasileira, uma boa preparação é essencial para um desinvestimento bem sucedido”, comenta Fabio Pires.   

Os cinco destinos de investimentos são: Índia, Brasil, China, Estados Unidos e Canadá. Já os setores com o mais alto nível de interesse são Petróleo e Gás, Automotivo, Bens de Consumo, Saúde, Biotecnologia e Tecnologia. 
 
Sobre a EY

EY é líder global em serviços de Auditoria, Impostos, Transações Corporativas e Consultoria, comprometida em fazer sua parte para construir um mundo de negócios melhor. Os insights e os serviços de qualidade prestados ajudam a criar confiança nos mercados de capital e nas economias do mundo. A empresa desenvolve líderes excepcionais que inspiram suas equipes a entregar excelência a todos seus stakeholders. Dessa forma, a companhia desempenha um papel fundamental na construção de um mundo de negócios melhor para seus profissionais, clientes e comunidades.

A EY refere-se a uma ou mais empresas-membro da Ernst & Young Global Limited (EYG), organização privada constituída no Reino Unido, limitada por garantia e que não presta serviços a clientes.

Mais informações em: www.ey.com.br

Acompanhe em:
@EY_Brasil
#BetterWorkingWorld

Para mais informações e íntegra do estudo, entre em contato com o Grupo Máquina PR:

Amanda Trolezi – amanda.trolezi@grupomaquina.com – (11) 2573-4100/ 98490-6252
Priscila Pagliuso – priscila.pagliuso@grupomaquina.com – (11) 3147-7236/ 96341-5193
Diego Sartorato – diego.sartorato@grupomaquina.com – (11)  3147-7401/ 99875 4311

 

 

EY_foto-press-release
Back to top