Skip to main navigation

Release tecnologia limpa financiamento - EY - Brasil

  • Compartilhar

Formas alternativas de financiamento irão alavancar tecnologia limpa, diz relatório da
EY

Países emergentes serão os propulsores de negócios para o setor. Hoje, Brasil é 11º no índice de atratividade dos países para investimentos em energias renováveis

São Paulo, 23 de maio de 2013 – O setor de tecnologia limpa precisa se familiarizar com novas formas de captação de recursos para aproveitar seu potencial de crescimento, sobretudo em países de rápido crescimento que prometem grande demanda de energia nos próximos anos. Essa é a principal conclusão do relatório The Cleantech Growth Journey, elaborado pela EY a partir de debates realizados durante a segunda edição do Cleantech CEO Retreat – evento que reúne executivos de todo o mundo para discutir investimentos em energia renovável.

O levantamento da multinacional de auditoria e consultoria mostra que as principais fontes de capital mudaram em relação às últimas décadas. Se os aportes de Venture Capital despontavam como o principal caminho de financiamento para projetos em tecnologia limpa no mundo, hoje, a sensação do mercado é de que o retorno dos investimentos é lento e incerto, principalmente porque as empresas têm de lidar com leis e regulamentações que ainda estão em criação ou aprimoramento.
 
Já os incentivos governamentais estão sendo reduzidos ou até eliminados em países desenvolvidos. Por outro lado, no Brasil, cerca de 90% dos projetos de tecnologia limpa são financiados pelo BNDES, com taxas de retorno cada vez mais apertadas, tornando o cenário de investimento cada vez mais desafiador aos investidores privado. Com as tarifas de energia também reduzidas,  as empresas passam a considerar transações corporativas (fusões e aquisições) e parcerias para consolidar o mercado e assim, tornar os negócios mais rentáveis e competitivos, com ganhos de escala.

Ainda segundo o relatório, o grande propulsor do setor serão os países de rápido crescimento na África, Ásia e América Latina. A China é o grande destaque tendo atraído US$ 68 bilhões para energia renovável só em 2012. Já o Brasil é o país latino-americano com mais aporte em projetos de energia renovável. O país está em 11º lugar no ranking geral de atratividade de investimentos, à frente de México (20º), Chile (36º) e Argentina (39º), e África do Sul (16º lugar).

“Nesses mercados, a classe média vem crescendo gradativamente e passando a consumir mais energia, ao mesmo tempo, que se mostra preocupada com o meio ambiente, demandando soluções sustentáveis”, comenta Scott Sarazen, líder global de mercado de Cleantech da EY.

Sobre a EY:

A EY é líder global em serviços de Auditoria, Impostos, Transações Corporativas e Consultoria. Em todo o mundo, nossos 152 mil colaboradores estão unidos por valores pautados pela ética e pelo compromisso constante com a qualidade. Nosso diferencial consiste em ajudar nossos colaboradores, clientes e as comunidades com as quais interagimos a atingir todo o seu potencial, em um mundo cada vez mais integrado e competitivo. No Brasil, a EY é a mais completa empresa de Auditoria e Consultoria, com 4.900 profissionais que dão suporte e atendimento a mais de 3.400 clientes de pequeno, médio e grande porte. Em 2011, a EY foi escolhida como Apoiadora Oficial dos Jogos Olímpicos Rio 2016 e fornecedora exclusiva de serviços de Assessoria e Auditoria para o Comitê Organizador. O alinhamento dos valores do Movimento Olímpico e da EY foi decisivo nessa escolha. Visite o site: http://www.ey.com.br

Mais informações para a imprensa:

Máquina da Notícia - Assessoria de imprensa EY

Diego Sartorato diego.sartorato@grupomaquina.com (11) 3147-7401/ (11) 99875-4311
Amanda Trolezi- amanda.trolezi@grupomaquina.com (11) 2573-4100/ (11) 98490-6252
Priscila Pagliuso priscila.pagliuso@grupomaquina.com (11) 3147-7236/(11) 96341-5193

foto-press-release
Back to top