7 Minutos de leitura 25 jun 2021

            Mulher que usa tablet digital contra fundo iluminado

Como uma abordagem de auditoria baseada em dados pode aumentar a confiança nos negócios?

Por Cláudio Camargo

Sócio-líder de Auditoria da EY Brasil

Tecnólogo. Inovador. Extremamente envolvido com a inovação da auditoria e o uso de Analytics nesta prática. Apaixonado por futebol e vinhos.

7 Minutos de leitura 25 jun 2021

A capacidade de analisar grandes quantidades de dados vai transformar a auditoria. Mas isso também pode aumentar a confiança e a transparência?

Em resumo

  • A transformação digital do mundo corporativo está criando uma nova cadeia de valor, baseada no potencial de valor dos dados.
  • Isto facilitará uma mudança para uma abordagem orientada por dados, com potencial para aumentar a confiança no processo e proporcionar maior transparência para os stakeholders.
  • Um fator limitante é a extensão em que os padrões de auditoria existentes permitem o uso de técnicas avançadas de análise de dados.

Com suas atividades se tornando cada vez mais dependentes das tecnologias digitais, empresas de todos os setores estão gerando e coletando quantidades cada vez maiores de dados. Um novo vocabulário surgiu para abranger estes vastos volumes, apresentando palavras como exabyte (1018 bytes), zettabyte (1021 bytes) e yottabyte (1024 bytes). O potencial para criar novas formas de valor a partir destes ativos de dados, bem como para transformar ou proteger os modelos de negócios atuais, era amplamente reconhecido mesmo antes da COVID-19 acelerar a digitalização.

A transformação digital pode criar modelos de negócios totalmente novos, como as plataformas orientadas por dados online que transformaram os mercados de acomodações de curto prazo e os serviços de táxi. Mas até o momento, esses sucessos globais são exceções. A maioria das empresas está lidando com um desafio comum: transformar dados de custo — adquirir, armazenar, proteger, gerenciar e distribuir — em um mecanismo de valor, a fim de transformar seu modelo de negócios.

A cadeia de valor da próxima geração

Na sua busca pela transformação digital, as empresas estão, em diferentes escalas, adotando tecnologias baseadas em dados. Estas tecnologias, incluindo processamento de linguagem natural, reconhecimento de voz, realidade virtual ou aumentada e visão computacional, são baseadas em algoritmos de machine-learning e apoiados na capacidade computacional ilimitada oferecida pela computação em nuvem.

No entanto, esse impulso para se tornar uma “empresa inteligente” requer mais do que tecnologia. É uma transformação fundamental que varre a cadeia de valor de uma empresa, suas pessoas e sua cultura. Aproveitar o poder dos dados para criar valor é um ato de equilíbrio, que pode ser capturado no que chamamos de cadeia de valor inteligente. Essa estrutura começa identificando o valor que a empresa pretende criar e, em seguida, define o modelo de negócios necessário para atingir esse valor, juntamente com a inteligência, os dados e as tecnologias necessárias para alimentar o negócio e criar valor. Todos esses elementos precisam de consideração e investimento para criar uma empresa orientada por dados.

Esses cinco elementos — proposta de valor, modelo de negócios, inteligência, plataforma de dados e tecnologia — são vinculados e validados por um sexto elemento essencial: confiança. As empresas que visam digitalizar dessa maneira devem projetar todas as partes de sua cadeia de valor inteligente de uma forma que crie e promova a confiança entre seus stakeholders, para que tudo criado ao longo da cadeia de valor possa ser confiável.

Essa transformação digital do mundo corporativo tem implicações profundas para os profissionais de auditoria. A evolução dos modelos de negócios, a digitalização das operações das empresas e a capacidade dos auditores de reunir e analisar profundamente enormes quantidades de informações digitais mudarão, ainda mais, a forma como as auditorias são realizadas.

À medida que se digitalizam, os negócios das empresas auditadas estão se transformando para se assemelhar a ecossistemas cada vez mais fluidos e nos quais as cadeias de valor são quebradas, com elementos-chave criados em tempo real a partir de provedores de serviços externos e provedores de subserviços. Os canais de distribuição corporativa também estão se estendendo e diversificando em B2B, B2C e B2B2C. Ser capaz de incorporar confiança nesses ecossistemas será fundamental. Indiscutivelmente, a maior questão será onde os limites do escopo da auditoria estarão no futuro.

A aplicação de análise de dados em larga escala permite que as equipes de auditoria verifiquem a precisão das demonstrações financeiras com muito mais rapidez e em detalhes muito maiores. Isso também significa que a capacidade de usar análise de dados e interpretar os resultados produzidos está se tornando uma habilidade central para todos os auditores, em vez de uma habilidade restrita aos especialistas. 

Novos fluxos de dados

A forma como os auditores conduzem a auditoria também mudará à medida que os dados corporativos se multiplicarem. A implantação de redes de telecomunicações 5G dará vida à Internet das Coisas (IoT) – bilhões de dispositivos conectados que capturam dados por meio de sensores remotos. Por exemplo, um número crescente de empresas está usando sistemas logísticos baseados em blockchain para automatizar o processamento de mercadorias em trânsito e melhorar a eficiência e a transparência. Inovações como essas estão resultando em novos fluxos de dados, os quais fornecem novas fontes de informação que alimentarão o processo de auditoria.

As possibilidades criadas por esses novos fluxos de dados incluem a auditoria de conjuntos de dados completos em vez de amostras restritas, o que fornece evidências de auditoria mais abrangentes. Também dá aos auditores a oportunidade de aprofundar sua compreensão das informações financeiras e não financeiras de uma empresa, levando a uma melhor identificação dos riscos de erros materiais, incluindo riscos de fraude.

A aplicação de análise de dados em larga escala permite que as equipes de auditoria verifiquem a precisão das demonstrações financeiras com muito mais rapidez e em detalhes muito maiores. Isso também significa que a capacidade de usar análise de dados e interpretar os resultados produzidos está se tornando uma habilidade central para todos os auditores, em vez de uma habilidade restrita aos especialistas. A análise de dados é aplicada de frente para trás, dos sistemas alimentadores upstream para o sistema geral. O treinamento em análise de dados para equipes de auditoria tornou-se, portanto, uma grande prioridade para empresas de Auditoria.

Aumentando a confiança na auditoria

Há também um potencial claro para que os processos orientados por dados aumentem a confiança no processo de auditoria e expandam a confiança, por exemplo, fornecendo garantia sobre a segurança e a privacidade dos dados de IoT capturados e processados por uma entidade auditada.  Se tornar mais orientado por dados também permitirá que os auditores demonstrem como chegaram às suas conclusões, proporcionando uma transparência muito maior para os stakeholders. No entanto, esse aumento na confiança só é possível quando os auditores documentam claramente quais dados acessaram, verificações que fizeram, processos que seguiram e tecnologia que usaram, para que um terceiro independente possa entender claramente como a auditoria foi realizada.

Da mesma forma, o excesso de confiança de tecnologia para realizar a auditoria pode ser um erro perigoso. A tecnologia pode, sem dúvida, melhorar a velocidade e a precisão da auditoria, mas não se pode esperar que substituam o julgamento profissional de um auditor experiente. Os processos implementados pelas equipes de auditoria devem ser robustos o suficiente para permitir o risco de falha da tecnologia.

Os auditores ainda devem confirmar os sistemas de controle interno, realizar avaliações independentes e aplicar um ceticismo profissional. Entretanto, a aplicação de análise de dados, quando apropriado, deve permitir que eles se concentrem em áreas onde suas habilidades profissionais são mais valiosas.

O ambiente regulatório precisa evoluir para que os auditores possam fazer uso mais eficaz de técnicas de análise de dados. Um fator limitante hoje, da perspectiva do auditor, não é a capacidade de sua tecnologia, mas até onde os padrões de auditoria existentes permitirão que eles apliquem isso no lugar dos métodos tradicionais. 

 

Como a adoção da tecnologia é um avanço

Embora seja atraente, a ideia de que a análise de dados em larga escala possa permitir a auditoria em tempo real, ela não está alinhada com o mandato atual dos auditores para confirmar as demonstrações financeiras trimestralmente, semestral ou anualmente, conforme aplicável. Mesmo que a tecnologia torne a possibilidade de auditoria quase em tempo real uma realidade, o mercado está procurando esse nível de confiança nas finanças das empresas? 

A COVID-19 acelerou o processo de digitalização em muitas empresas e setores e tornou muitas delas mais dispostas e melhor preparadas para compartilhar dados eletronicamente, usando canais seguros. Isso vai muito além dos documentos: nos últimos meses, os auditores da EY realizaram um passo a passo do data center de uma empresa por meio de um link de vídeo para um laptop, por exemplo. 

A percepção de que empresas e auditores podem mudar a maneira como operam tão rapidamente, desde que todos os stakeholders e tomadores de decisão estejam alinhados e apoiem uma maior adoção de tecnologia, é um avanço importante tanto para as empresas de auditoria quanto para as empresas que auditam. Isso deve adicionar impulso ao progresso acelerado do uso de análises avançadas de dados para realizar auditorias e facilitar a mudança de uma auditoria digital habilitada para dados hoje para uma auditoria totalmente orientada por dados no futuro.

Mas outros elementos vitais também devem se encaixar. Em um nível prático, há uma grande variação na forma como as empresas estão preparadas para conduzir abordagens orientadas por dados. O fator limitante geralmente é se as empresas têm uma grande quantidade de tecnologias integradas, que vai permitir extrair dados e analisá-los de forma consistente e rápida. Algumas organizações também podem restringir o acesso e o uso de dados fora de seu próprio ambiente de controle; de fato, em algumas jurisdições, as leis locais de privacidade de dados são ainda mais restritivas.

Da mesma forma, o ambiente regulatório precisa evoluir para que os auditores possam fazer uso mais eficaz dos dados e das técnicas de análise de dados que se tornaram disponíveis. Um fator limitante hoje, da perspectiva do auditor, não é a capacidade de sua tecnologia, mas até onde os padrões de auditoria existentes permitirão que eles apliquem isso no lugar dos métodos tradicionais. É provável que as questões regulatórias se tornem especialmente urgentes em áreas onde o uso da análise de dados pelos auditores começa a revelar novos insights sobre o negócio que vão além do escopo estrito do próprio mandato de auditoria. Compartilhar esses insights com a empresa auditada levantará questões vitais de independência que exigem uma consideração cuidadosa tanto por auditores quanto pelos reguladores.

A mudança para um processo de auditoria muito mais orientado por dados está em andamento e continuará progredindo em alta velocidade. A questão não é se, mas quando e em que medida a abordagem orientada por dados transformará os processos de auditoria tradicionais.

Resumo

Com a transformação digital do mundo corporativo, os auditores agora têm acesso a grandes quantidades de dados. A mudança para uma abordagem baseada em dados tem o potencial de aumentar a confiança no processo de auditoria, mas o julgamento profissional do auditor ainda tem um papel fundamental no processo.

Sobre este artigo

Por Cláudio Camargo

Sócio-líder de Auditoria da EY Brasil

Tecnólogo. Inovador. Extremamente envolvido com a inovação da auditoria e o uso de Analytics nesta prática. Apaixonado por futebol e vinhos.