Como a tecnologia em alta velocidade pode criar vantagem competitiva?

Por Kris Lovejoy

EY Global Advisory Cybersecurity Leader

Guru da segurança cibernética. Casada, mãe de quatro filhos. Gosta de mergulho, caminhadas e retoque de móveis. Vive em McLean, VA.

8 Minutos de leitura 12 ago 2020

Uma estratégia tecnológica proativa, empática e centrada no ser humano é necessária para equipar as organizações com uma vantagem competitiva mais forte.

Em resumo
  • A promessa das novas tecnologias é mais do que uma eficiência. Trata-se da capacidade de aumentar a inteligência humana, nos ajudando a fazer escolhas melhores.
  • Para manter relações de confiança, a segurança cibernética e a proteção da privacidade devem ser incorporadas em todos os aspectos da jornada de transformação.
  • A integração com ecossistemas e parceiros é a única maneira de aproveitar com segurança as novas tecnologias em todo o seu potencial para impulsionar a transformação centrada no ser humano e inovar em escala.

As novas tecnologias emergem no mercado quase diariamente. Em muitos casos, eles apresentam oportunidades para as organizações reinventarem seus modelos de negócios e gerarem eficiência significativa em seus modelos operacionais. As empresas mais preparadas e hábeis em aproveitar essas tecnologias podem aproveitar uma vantagem competitiva significativa.

Alcançar esta vantagem e superar os seus pares exige que as organizações se transformem de forma a colocar o ser humano no centro de qualquer mudança organizacional, empregar tecnologia em velocidade e inovar em escala através da colaboração de ecossistemas.

Na pesquisa EY Tech Horizon, realizada pouco antes da crise da COVID-19, os resultados reforçaram que quase todas as empresas estavam em uma jornada para transformar digitalmente seus negócios. Dito isto, apenas 4% disseram que a transformação foi totalmente incorporada e otimizada em todas as operações. Como as organizações estão vivendo e aprendendo através da pandemia em curso, elas estão vendo diariamente a necessidade urgente de acelerar sua transformação.

Para responder efetivamente a esta necessidade, as empresas precisarão de uma estratégia tecnológica proativa, empática e centrada no ser humano, construída em torno da adaptação das operações e da construção da resiliência, que pode equipar a empresa com uma vantagem competitiva mais forte. As empresas também precisarão usar dados para melhorar a agilidade e a inovação de energia, acelerar a inteligência artificial (IA) para impulsionar o crescimento e desbloquear novas oportunidades através de ecossistemas e parcerias. No entanto, em meio a essas oportunidades, as empresas terão que se preparar para o aumento exponencial dos riscos da cibersegurança.

As empresas precisarão usar os dados para melhorar a agilidade e a inovação energética, acelerar a IA para impulsionar o crescimento e desbloquear novas oportunidades através de ecossistemas e parcerias. Entretanto, as empresas também terão que se preparar para o aumento exponencial dos riscos da cibersegurança.

Usar dados para melhorar a agilidade e a inovação de energia

Os dados são um ativo estratégico. As maiores empresas utilizam os dados para aprender sobre seus clientes e funcionários até o segundo. E elas ficam mais espertas com a mesma rapidez. Isto tem todo tipo de implicações em termos de eficiência, economia de custos e experiências de clientes e funcionários.

Quase todas as empresas podem usar dados para otimizar as operações. Na pesquisa EY Tech Horizon, 71% das empresas usam insights de dados e análises para acelerar a inovação. Na verdade, é o seu método número um de fazê-lo, antes da reengenharia e automatização de processos (62%) e da simplificação da hierarquia (61%). E enquanto as empresas geralmente entendem o valor que os dados trazem para seus negócios, os líderes de transformação digital realmente entendem: 83% estão usando dados para ajudá-los a inovar mais rapidamente, em comparação com apenas 70% dos retardatários da transformação digital.

Uso de dados para otimizar as operações

71%

dos entrevistados usam insights de dados e análises para acelerar a inovação.

A compreensão do valor que os dados podem trazer

83%

dos líderes da transformação digital utilizam dados para ajudá-los a inovar mais rapidamente.

As empresas que procuram tirar maior proveito de seus dados para inovar em escala precisam primeiro entender e respeitar o valor que os dados podem fornecer, ter certeza de que os dados são limpos, de alta qualidade, conformes e seguros, e que estão embutidos no coração do negócio. As empresas precisam conectar o "cérebro" do negócio (os dados) ao "corpo" (operações).  Uma empresa de ciclismo fez exatamente isso para melhorar a economia do esporte do ciclismo.

Acelerar a vantagem quádrupla da nuvem, aplicações, IA e robótica para impulsionar o crescimento

As empresas estão empreendendo rápidas transformações em seu pessoal, processos e capacidades tecnológicas, para acompanhar a aceleração do cenário digital. Nuvem, aplicações, IA e robótica devem formar o coração da transformação tecnológica de suas empresas. A agilidade e a escalabilidade da nuvem fazem dela a plataforma de escolha tanto para infraestrutura quanto para aplicações. As aplicações permitem interações entre as empresas e seus consumidores, e dentro de ecossistemas mais amplos e por meio de múltiplos canais. A IA permite que as empresas obtenham insights por meio da simulação de aspectos da inteligência humana e da análise de grandes quantidades de dados. A robótica, quando combinada com tecnologias cognitivas como a aprendizagem de máquinas, reconhecimento da fala e processamento de linguagem natural, permite que as empresas automatizem tarefas de ordem superior que antes exigiam a capacidade perceptiva e de julgamento dos seres humanos.

Os líderes da transformação digital compreendem que a promessa dessas tecnologias é mais do que libertar nosso tempo para pensar, ou aumentar a eficiência. A verdadeira promessa está em sua capacidade de aumentar e melhorar a inteligência humana, ajudando-nos a fazer melhores escolhas.

O resultado será uma maneira totalmente nova de olhar o mundo. Uma empresa global de produtos de consumo descobriu isto quando empreendeu sua jornada de IA.1  Começando com a automação de processos robóticos (RPA), que é o primeiro passo na automação inteligente, a empresa rapidamente viu oportunidades de crescimento onde eles poderiam alavancar robôs, capacidades cognitivas e IA para melhorar as receitas. Ao implantar bots para entregar certos processos, a empresa melhorou a experiência do cliente, liberou tempo valioso dos funcionários para se concentrarem em iniciativas mais estratégicas, e entregou ROI.

Os líderes da transformação digital compreendem que a promessa de novas tecnologias é mais do que libertar nosso tempo para pensar, ou para aumentar a eficiência. A verdadeira promessa está em sua capacidade de aumentar e melhorar a inteligência humana, ajudando-nos a fazer melhores escolhas.

Preparar para os riscos cibernéticos

Como complemento à quadrupla vantagem que a nuvem, aplicações, IA e robótica podem oferecer, as empresas precisarão acrescentar um quinto elemento à sua transformação tecnológica empresarial: a segurança cibernética.

Mesmo antes da pandemia, 59% dos executivos entrevistados na pesquisa EY  Global Information Security Survey 2020 (pdf) disseram que sua organização tinha enfrentado um incidente material ou de segurança cibernética significativo nos últimos 12 meses. Durante a pandemia, a mídia relatou uma escalada nos incidentes à medida que os hackers se aproveitam das organizações focadas em lidar com a crise —de hospitais e prestadores de cuidados de saúde, até escritórios de advocacia.  

Incidentes de cibersegurança pré-pandemia

59%

dos entrevistados disseram que sua organização tinha enfrentado um incidente material ou de segurança cibernética significativo nos últimos 12 meses.

Em algum nível, as empresas deveriam estar esperando e se preparando para essa escalada. As empresas estavam adotando, em escala maciça e quase da noite para o dia, tecnologias de acesso remoto para permitir o trabalho a partir de casa, aumentando exponencialmente a superfície de ataque. Elas foram forçadas a depender mais dos serviços da nuvem para continuar as operações, tornando mais desafiadora a resiliência cibernética de uma cadeia de fornecimento altamente interligada.

Enquanto isso, a rápida mudança dos comportamentos e preferências dos clientes em termos de interação e expectativas de confiança levou a uma rápida implantação de canais digitais para manter a competitividade. Ao fazer isso, os departamentos de TI podem ter perdido etapas importantes de garantia de risco e exposto o ecossistema mais amplo. Isto não é surpreendente, uma vez que apenas 36% das organizações dizem que a cibersegurança está envolvida desde a fase de planejamento de uma nova iniciativa comercial. Também pode ter havido uma tendência durante a pandemia de levar a privacidade dos dados menos a sério, particularmente no contexto do trade-off entre privacidade pessoal e interesse da sociedade.

Oportunidades perdidas de cibersegurança

36%

das organizações dizem que a cibersegurança está envolvida desde a fase de planejamento de uma nova iniciativa de negócios.

Com as necessidades imediatas do negócio mais atendidas, as empresas agora precisam reorientar sua atenção de volta à segurança cibernética. Elas precisam quantificar o risco cibernético que assumiram durante a pandemia, redesenhar modelos e programas de negócios de forma a conectar as equipes de cibersegurança diretamente ao negócio e fortalecer relacionamentos que historicamente têm sido tensos. As empresas também precisam retomar seus esforços de proteção da privacidade.

Os regulamentos de privacidade, tais como o GDPR da UE, permanecem em vigor. E embora clientes e funcionários possam ter perdoado um relaxamento temporário de seus direitos de privacidade a curto prazo, qualquer compromisso a longo prazo irá corroer sua confiança na marca da empresa. Ao invés de pensar na privacidade como um exercício de conformidade, as empresas fariam melhor em considerar a proteção da privacidade como uma forma de troca de valores. Em troca dos dados que consumidores e funcionários compartilham, as organizações precisam construir confiança, fornecendo valor em troca.

Dada a complexidade e o ambiente tecnológico em rápida mudança, ir sozinho se torna uma proposta cada vez mais arriscada. As empresas vão querer expandir seu ecossistema de parceiros para incluir profissionais da cibersegurança e da privacidade.

Embora não haja uma abordagem de tamanho único para a segurança cibernética ou proteção da privacidade, as empresas precisam encontrar uma maneira de incorporá-las em todos os aspectos de sua jornada de transformação se quiserem manter relações de confiança com seus clientes e funcionários, bem como com a comunidade mais ampla de partes interessadas.

Os clientes e funcionários podem ter perdoado um relaxamento temporário dos direitos de privacidade a curto prazo, mas qualquer problema a longo prazo corroerá a confiança na marca da empresa. As empresas fariam melhor em considerar a proteção da privacidade como uma forma de troca de valores. Em troca dos dados que os consumidores e funcionários compartilham, as organizações precisam construir confiança, fornecendo valor em troca.

Abraçar ecossistemas e parcerias

Na pré-pandemia, os clientes exigiam cada vez mais personalização, conveniência e grandes experiências. Pós-pandemia, esta tendência só vai se acelerar. Ao mesmo tempo, como mencionamos acima, os riscos cibernéticos estão proliferando. As empresas estão aprendendo que não podem atender a todas essas demandas sozinhas. Elas precisarão de parcerias, mas também devem desafiar as fronteiras do setor para se tornarem mais ágeis e mais capazes de inovar em escala. Vemos isso como um parceiro de varejo on-line com lojas de tijolos e cimento para oferecer aos clientes uma experiência mais conveniente, e em empresas globais de tecnologia que exploram ecossistemas de start-ups para alimentar o desenvolvimento de tecnologia.

O analista de mercado IDC prevê2 que até 2023 60% das empresas do G20003 terão um ecossistema de desenvolvedores digitais, e metade dessas empresas gerará 20% da receita digital através de seu ecossistema digital.

Previsões digitais do ecossistema do desenvolvedor

60%

das empresas G2000, até 2023, terão um ecossistema de desenvolvedores digitais e metade delas o utilizará para impulsionar 20% de sua receita digital.

No entanto, embora as empresas vejam o potencial de um ecossistema de parceria, ainda há alguma resistência. Mais da metade (54%) das empresas mantém um senso geral de ceticismo sobre as oportunidades de parcerias presentes.

A cultura do "faça você mesmo" tem prevalecido nos negócios há décadas. Em um mundo digital, as empresas devem se libertar dessa mentalidade e se tornar mais colaborativas e abertas a parcerias, desmontando e remontando rapidamente as cadeias de valor. Afinal de contas, nenhuma empresa pode ser especialista em todas as áreas da tecnologia digital ou da segurança cibernética. A união com outros é a única maneira de aproveitar com segurança a nova tecnologia em todo o seu potencial para impulsionar a transformação centrada no ser humano e inovar em escala.

Em um mundo pós-pandêmico, a tecnologia em velocidade será um imperativo para a sobrevivência

A tecnologia está conectando todos os aspectos de nossas vidas, proporcionando mais oportunidades para crescer e inovar. Entretanto, exige que as empresas criem fontes de valor além do resultado final – valor das pessoas, valor social e valor do cliente.

As empresas líderes já estão fazendo isso ao ver a disrupção tecnológica como uma oportunidade em vez de uma ameaça e reinventando a si mesmas para desbloquear novas fontes de valor. A boa notícia para aqueles que ficaram para trás é que a pandemia proporcionou uma oportunidade de reiniciar o campo de jogo. Em um mundo pós-pandêmico, todas as empresas precisarão acelerar suas viagens digitais colocando o ser humano no centro, adotando a tecnologia em velocidade e inovando em escala se quiserem criar uma vantagem competitiva e prosperar em um futuro que está sendo refeito pela crise de hoje.

Transformation Realized

Transformar as empresas através do poder das pessoas, da tecnologia e da inovação.

Saiba mais

Resumo

À medida que o surgimento de novas tecnologias continua em ritmo acelerado, as organizações adeptas a reconhecer as oportunidades apresentadas por elas ganharão vantagem competitiva significativa. Os dados também desempenharão um papel importante na melhoria da agilidade, impulsionando a inovação, impulsionando o crescimento e desbloqueando novas oportunidades através de ecossistemas e parcerias. Mas a cibersegurança e a proteção da privacidade devem ser incluídas em cada etapa da jornada de transformação.

Sobre este artigo

Por Kris Lovejoy

EY Global Advisory Cybersecurity Leader

Guru da segurança cibernética. Casada, mãe de quatro filhos. Gosta de mergulho, caminhadas e retoque de móveis. Vive em McLean, VA.