15 Minutos de leitura 11 jan 2022
Ponte à noite

Percebendo o valor de sua função fiscal e financeira

Autores
Dave Helmer

EY Global Tax and Finance Operate Leader

Helping companies reimagine the tax and finance function.Speaker. Passionate runner. Husband and father of seven.

Albert Lee

EY Global Tax Technology and Transformation Leader and EY Asia-Pacific Tax Technology and Transformation Leader

Technology leader in the world of tax. Passionate about innovation.

Charles Davis

EY Global Tax Knowledge Leader

Experienced, commercially-focused economist and research professional.

Contato local

Sócio Líder em Tecnologia e Transformação Tributária da EY Brasil

Giovanni é Sócio Líder da EY para Tax Transformation no Brasil. Ele tem mais de 20 anos de experiência, e é especialista em transformação e tecnologia tributária, compliance e consultoria tributária.

15 Minutos de leitura 11 jan 2022

As empresas estão se transformando para gerenciar mudanças de talentos, incertezas legislativas e regulatórias e tecnologia em evolução à medida que aumentam as pressões sobre os custos.

Em resumo
  • A pesquisa EY Tax and Finance Operations 2022 revela que 84% dos entrevistados estão se transformando ativamente para enfrentar desafios. 
  • Talento, mudanças legislativas e regulatórias e tecnologia à prova de futuro são as principais preocupações das funções fiscais e financeiras. 
  • A pandemia de COVID-19 intensificou alguns desafios, acelerando a necessidade de transformação. 

Organizações estão se transformando. Isso não é mais uma “necessidade” ou “desejo”, mas uma “obrigação”. O cenário global sem dúvida nunca foi tão desafiador – fatores externos estão criando uma infinidade de pressões, que levaram as empresas a reexaminarem seus modelos operacionais em todos os âmbitos, inclusive nas funções fiscais e financeiras. 

Mostrar recursos

  • Baixe EY Tax and Finance Operations Survey 2022

A  Pesquisa  EY Tax and Finance Operations Survey (TFO) de 2022, que consultou 1.650 executivos em mais de 40 jurisdições e uma dúzia de setores, revelou que as organizações estão focadas em encontrar um equilíbrio entre gerar valor, gerenciar riscos e reduzir custos, ao mesmo tempo em que enfrentam desafios para reter e transformar seus talentos, acompanhar as mudanças legislativas e regulatórias e preparar sua tecnologia e dados para o futuro. 

As empresas lidam, há anos, com uma série de pressões que foram exacerbadas pela pandemia da COVID-19. Isso inclui cadeia de suprimentos; rápida legislação tributária e mudança regulatória, como esforços de reforma tributária global e uma gama de mudanças em lei para apoiar as empresas durante a pandemia; além de uma transformação na dinâmica da força de trabalho. Sobre neste último ponto, mudanças nas práticas de trabalho e preocupações com a segurança pessoal têm sido de extrema relevância trabalhadores em todo o mundo, que reavaliaram suas prioridades, e contribuindo para um fenômeno de pessoas saindo e mudando de emprego em níveis sem precedentes, o que foi apelidado  de  " A grande renúncia”  e  “A grande remodelação”. 

Em meio a tudo isso, as questões ambientais, sociais e de governança (ESG)  têm  transformado rapidamente a agenda corporativa, criando uma dinâmica totalmente nova para as organizações – sobre a maneira como elas operam, recrutam talentos e atraem os clientes.

"Mesmo antes da COVID-19, as empresas sabiam que precisavam mudar a forma como operavam para ter sucesso em um ambiente em rápida evolução", explica Carmine Di Sibio, Presidente Global e CEO da EY. "A pandemia trouxe uma nova urgência para fazer mudanças, ao mesmo tempo que ressaltou a necessidade de qualquer transformação para colocá-las em um caminho de construção de valor a longo prazo para todas os stakeholders. "   

As principais conclusões da pesquisa TFO apoiam claramente essa afirmação de que as empresas estão se transformando ativamente, com 84% dos entrevistados mudando seus modelos operacionais fiscais e financeiros, citando uma série de prioridades, como automação, uso de centros de serviços compartilhados e co-sourcing.

Essa transformação tem um impacto direto sobre onde os orçamentos estão sendo gastos. A pesquisa mostra que 95% das empresas planejam realocar parte de seu orçamento tributário e financeiro das atividades rotineiras (como compliance fiscal) para atividades estratégicas (em áreas como política tributária, planejamento e controvérsia) nos próximos dois anos. 

Kate Barton, Vice-Presidente Global da EY – Impostos, afirma que as funções fiscais tiveram um bom progresso demonstrando como contribuem para o valor de suas organizações. "Os líderes fiscais assumiram um papel mais  significativo como consultores de confiança na diretoria", diz Barton. "As empresas que começaram a transformar suas funções fiscais estão vendo os maiores dividendos".

De fato, a pesquisa mostra que 64% das funções fiscais estiveram envolvidas nas principais iniciativas de finanças e/ou transformação de TI em toda a empresa (por exemplo, implementação de planejamento de recursos corporativos) nos últimos dois anos.

O foco de mudança mais importante para os líderes de impostos é a alocação eficaz de recursos. Assim, 81% dos entrevistados são mais propensos à co-fonte de atividades fiscais e financeiras nos próximos 24 meses (para organizações com receita de $30 bilhões ou mais, essa porcentagem chega a 96% ). Muitos também precisam fazer investimentos simultâneos em atividades internas estratégicas, como planejamento, controvérsia e gerenciamento de dados. 

A pandemia de COVID-19 também é um motor de transformação – 70% dos entrevistados disseram que antecipam  maior foco em um modelo operacional tributário e financeiro eficiente, como resultado da pandemia.

Complexidade do gerenciamento das prioridades atuais 

À medida que as organizações criam esse foco laser na função tributária e financeira, muitas estão percebendo que existe um ato de equilíbrio real quando se trata de alcançar os objetivos de negócios ao lidar com um conjunto distinto de obstáculos.

A pandemia trouxe uma nova urgência para fazer mudanças, ao mesmo tempo em que ressaltou a necessidade de qualquer transformação para colocá-las em um caminho de construção de valor a longo prazo para todos os stakeholders
Carmine Di Sibio
EY Global Chairman and CEO

Como as organizações atraem as melhores pessoas, garantem que elas alcancem todo seu potencial, melhoram sua trajetória profissional e as retém por tempo suficiente para que contribuam para o valor  de longo prazo da organização? Como as empresas têm sucesso em países onde as leis tributárias parecem mudar diariamente? Como elas implementam e desenvolvem um plano de dados e tecnologia frente a mudanças constantes? 

Jacky Wright, diretora digital da Microsoft, apoia empresas que precisam encontrar respostas a essas perguntas, atuando como um parceiro de negócios para agregar valor, gerenciar riscos e reduzir custos. “À medida que as funções fiscais e financeiras se transformam, as empresas precisam entender o papel que os dados podem desempenhar para fornecer conformidade e insights de negócios precisos”, diz ela. 

  • Saiba mais sobre a aliança entre a EY e a Microsoft

    Carmine Di Sibio,& CEO Global Chairman da EY, e Satya Nadella, CEO da Microsoft, discutiram como a expansão do relacionamento estratégico EY-Microsoft ajudará os clientes a impulsionar a transformação digital e criar valor a longo prazo para seus respectivos clientes.

A pesquisa de TFO mostra que as funções fiscais e financeiras estão desempenhando um papel maior ao ajudar suas organizações a abordarem os objetivos de ESG. Os entrevistados identificaram os riscos e impactos ambientais e climáticos como os problemas ESG mais importantes a serem enfrentados por suas organizações, nos próximos dois anos, e 95% dizem que estão atualmente considerando o co-sourcing de atividades de relatórios de ESG. Paralelamente, as funções fiscais e financeiras estão se intensificando para ajudar as organizações a satisfazerem mais demandas públicas por transparência nos relatórios fiscais. Todos os entrevistados dizem que aumentaram a atenção em fazer divulgações voluntárias sobre as atividades fiscais de suas organizações, que vão desde sua estrutura de governança até uma variedade de pagamentos de impostos feitos aos governos. Ter as pessoas certas no comando dos dados é fundamental para fornecer esses tipos de insights

"As empresas também precisam de uma força de trabalho digitalmente literária que possa se adaptar às tecnologias emergentes para ter sucesso", acrescenta Wright.

Para grande parte dos entrevistados, o custo é uma pressão adicional que complica a solução dos muitos desafios enfrentados pelas funções fiscais e financeiras, que  são constantemente desafiadas a fazerem mais com menos. Essa é a realidade de 87% de todas as empresas participantes da pesquisa de TFO, que devem reduzir o custo da função tributária e financeira, nos próximos dois anos.

Só essas questões já apontam a difícil jornada a ser enfrentada à frente pelas funções fiscais e financeiras e a importância de se projetar um roteiro de transformação eficaz desde o início.

  • Metodologia de pesquisa

    A Pesquisa de Operações Tributárias e Financeiras da EY 2022 foi conduzida pela Euromoney Thought Leadership Consulting de setembro a novembro de 2021. Com 1.653 executivos de mais de 1.000 grandes empresas em mais de 40 jurisdições e em 12 setores para entender como as funções fiscais e financeiras estão sendo afetadas pela mudança. A EY não foi identificada como patrocinadora da pesquisa.

Colegas de trabalho sorridentes tendo reunião
(Chapter breaker)
1

Capítulo 1

Como as empresas estão se transformando

Encontrar o equilíbrio certo entre realizar atividades rotineiras e fazer contribuições mais complexas para seus negócios pode exigir novos investimentos.

Como indicado acima, muitas empresas estão considerando ou já estão transformando seus modelos operacionais para encontrar o equilíbrio crítico entre atividades rotineiras e contribuições mais complexas para os objetivos de negócios mais amplos. 

Com os custos de uma área central de foco, talvez seja insuperável que os orçamentos de impostos e finanças estejam sendo transferidos de rotina para atividades estratégicas. E considerando mudanças recentes e significativas na política tributária global, como o acordo para introduzir novas regras fiscais globais mínimas, isso parece fazer sentido. 

Esse foco estratégico na alocação de recursos ajudará as organizações não apenas a acompanharem o ritmo atual da situação, mas também a planejarem mudanças regulatórias futuras inevitáveis.

Isso significa que as empresas que desviam o orçamento das atividades rotineiras, como  conformidade fiscal , precisarão garantir que os gastos sejam realocados de forma eficaz.

Essa tem sido a experiência da SAP, que alavancou a rede global e os investimentos em tecnologia da EY para melhorar seus próprios recursos de conformidade fiscal. 

“A digitalização e a globalização tiveram um grande impacto nas economias, afetando a vida das pessoas em todo o mundo”, diz Kirsten Birnbaum, Head of Global Tax, SAP SE. “E o impacto certamente aumentará no futuro. Trabalhar com uma rede global de especialistas, utilizando conjuntamente nossas tecnologias,  permitiu aumentar consideravelmente nossa eficiência no fornecimento de conformidade fiscal. Temos mais espaço para focar em atividades estratégicas — e isso é um grande benefício para a empresa.” 

A importância da tecnologia avançada não pode ser subestimada. Setenta por cento dos entrevistados dizem que pretendem investir $2 milhões ou mais nos próximos três anos (para organizações com receita de $30 bilhões ou mais, esse número sobe para 85%).

As funções fiscais e financeiras também precisarão ter um foco laser nos três principais desafios: talentos; legislação e regulamentação; e tecnologia e dados. Conseguir tudo isso pode ajudá-las a desbloquear o poder de fazer mais.

mulher com notas postais
(Chapter breaker)
2

Capítulo 2

A gargalo de talentos fica mais apertado

Os trabalhadores que exigem mais flexibilidade após a pandemia criam mais desafios para as empresas – e suas funções fiscais e financeiras.

Todas as funções de negócios, incluindo departamentos fiscais e financeiros, estão enfrentando dificuldades para atrair e reter os talentos certos. Mesmo antes da pandemia, os trabalhadores já exigiam cada vez mais flexibilidade em uma variedade de formas: arranjos de trabalho flexíveis, oportunidades de destacamento, maior ênfase no bem-estar e expectativas aumentadas em relação ao desenvolvimento e avanço profissional. As empresas também estão sob pressão crescente para alinhar seus valores e políticas de ESG aos valores dos funcionários, à medida que os trabalhadores avaliam não apenas onde e como trabalham, mas também por que trabalham.

A pandemia acelerou essas mudanças no local de trabalho e os empregadores estão enfrentando os desafios logísticos de acordos mais flexíveis, que incluíram a implementação de novos protocolos de saúde e segurança para os trabalhadores presenciais, garantindo que eles tivessem a tecnologia certa para facilitar o trabalho remoto e  o gerenciamento de operações comerciais, como de costume. 

Muitos desses arranjos flexíveis, particularmente o trabalho remoto, tornaram-se entrincheirados. De acordo com o  EY Work Reimagined Employee Survey 2021, 9 em cada 10 entrevistados querem flexibilidade sobre onde e quando trabalham, com 54% dizendo que, provavelmente, desistirão de seus empregos se não tiverem essa flexibilidade. Ao mesmo tempo, 35% dos empregadores desejam um retorno total ao escritório após a pandemia. É claro que, com “A grande renúncia” em voga e a escassez de mão de obra, os trabalhadores têm, hoje, mais influência do que nunca.  Mas, segundo a pesquisa, os trabalhadores não estão apenas renunciando para alavancar o poder recém-descoberto. Eles estão explorando (remodelando) papéis que se alinham melhor a experiências mais gratificantes.

Claro, trabalhadores diferentes querem coisas diferentes e muitos desejam a interação humana no local de trabalho, já que muitas pessoas foram contratadas durante a pandemia, sem que empregadores e empregados tenham se conhecido pessoalmente. Já nos casos em que os trabalhadores saíram das cidades para áreas rurais com menor custo de vida  ou até no caso de funcionários que se mudaram para diferentes países, para ficarem mais perto de suas famílias durante a pandemia e não querem voltar, as empresas enfrentam requisitos de conformidade fiscal e regulatória em diferentes jurisdições. De fato, 55% dos entrevistados na pesquisa de TFO antecipam enfrentar riscos de estabelecimento permanente nos próximos dois anos, à medida que os funcionários continuam a trabalhar remotamente como resultado da pandemia. Esses riscos só aumentarão, uma vez que a cultura do trabalho em qualquer lugar vem se tornando mais comum. 

Coincidentemente, as pessoas com a combinação certa de habilidades técnicas e de dados, processos e tecnologia fiscais especializadas estão em falta; 95% dos entrevistados acreditam que seu pessoal tributário e financeiro precisa aumentar suas habilidades técnicas fiscais com dados, processos e habilidades tecnológicas nos próximos dois anos.

Como trabalhadores com conjuntos de habilidades especializadas são difíceis de encontrar em alguns setores que enfrentam escassez de mão de obra, esses tipos de profissionais fiscais modernos podem ser difíceis de encontrar e contratar. 

Em muitos casos, é mais fácil trabalhar com um fornecedor que investe pesadamente no desenvolvimento de seus próprios profissionais fiscais que também têm conhecimento em alavancar dados para cumprir obrigações e trazer insights para a empresa em geral.

“A flexibilidade é a nova moeda para os funcionários. Na verdade, 54% dizem que sairiam se não tivessem”, diz Marna Ricker, Vice-Presidente de Tax da EY Americas. “Entre a escassa oferta de talentos fiscais e financeiros, o rastreamento e relatórios fiscais da força de trabalho remota e a necessidade de uma transformação econômica, as empresas estão cada vez mais se voltando para seus provedores de serviços em busca de perspicácia técnica e tecnológica para acelerar e elevar o impacto do departamento fiscal e financeiro".

Londres ao amanhecer
(Chapter breaker)
3

Capítulo 3

O ritmo das mudanças legislativas e regulatórias está se acelerando

O ritmo acelerado das mudanças legislativas e regulatórias aumentou durante a pandemia – e pode em breve atingir o limite.

A legislação e a regulamentação sofreram mudanças sísmicas durante a pandemia. Os governos aprovaram mais de US $33,6 trilhões em programas de apoio e estímulo, ou o equivalente a 39% do Produto Interno Bruto (PIB) global de acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI). Em muitos casos, esse alívio tomou a forma de medidas fiscais, muitas delas temporárias. 

À medida que o mundo emerge da pandemia, as funções fiscais e financeiras têm que lidar com o desenrolar das políticas temporárias, um retorno a uma visão de longo prazo, e a reforma tributária que já estava ganhando velocidade antes da Covid-19. 

“Os governos estão focados em sua estabilidade fiscal e, provavelmente buscarão recuperar o que foi gasto com a pandemia”, diz Eng Ping Yeo, Líder Fiscal da EY na Ásia-Pacífico. “Isso significa que o ritmo já acelerado das mudanças legislativas e regulatórias pode acelerar ainda mais. As empresas também precisam lidar com mais atividades de aplicação da lei tributária, o que colocará pressões adicionais sobre os recursos”.  

Os desenvolvimentos políticos mais significativos foram motivados pelo projeto da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) sobre como enfrentar os desafios fiscais da globalização e digitalização da economia, incluindo o acordo em outubro de 2021 sobre novas regras fiscais globais mínimas a uma taxa de pelo menos 15%. 

Essa reforma tributária global também é definida no contexto da mudança de política que ocorre em níveis nacionais em todo o mundo. Nos EUA, por exemplo, houve propostas para aumentar significativamente a taxa de imposto corporativo de 21% – embora a legislação atualmente pendente não inclua esse aumento, as discussões ainda estão em  um estado de fluxo. No Reino Unido, a taxa de imposto corporativo deve aumentar de 19% para 25% em abril de 2023 para todas as empresas afetadas. E esses são apenas dois exemplos de grandes mudanças contínuas.

As dificuldades enfrentadas pelas organizações nesse cenário fiscal global em constante mudança são significativas. De acordo com o  EY International Tax and Transfer Pricing Survey 2021, 76% dos entrevistados dizem que estão sendo desafiados pelo grande volume, ritmo e complexidade das reformas tributárias globais. Mas isso é apenas parte da imagem.

“Embora manter-se atualizado com o cenário regulatório e legislativo seja fundamental, as equipes fiscais também estão tendo que lidar com as mudanças nas obrigações de relatórios”, diz Bridget Walsh, sócia-gerente fiscal da EY EMEIA. “As autoridades fiscais tornaram-se cada vez mais sofisticadas nos últimos anos e uma mudança contínua para o arquivamento digital e uma mudança em direção a relatórios em tempo real ou quase em tempo real estão aumentando os requisitos de conformidade, risco e custo.” 

De acordo com a pesquisa de TFO, 59% dos entrevistados acreditam que o cumprimento dos requisitos emergentes de declaração de impostos digitais aumentará o custo de execução das funções fiscais e financeiras. 

O custo da conformidade também será considerável – 83% de todas as empresas esperam gastar, pelo menos, $5 milhões, uma média de $11,1 milhões, para cumprir os requisitos emergentes de declaração de impostos digitais nos próximos cinco anos (para empresas com receita de $30 bilhões ou mais e uma média de gasto de $13,2 milhões, esse número sobe para 92%).

Declarações fiscais digitais emergentes

59%

Dos entrevistados acreditam que o cumprimento dos requisitos emergentes de declaração de impostos digitais aumentará o custo de execução da função tributária e financeira.

A conformidade não é opcional, mas à medida que as autoridades fiscais buscam recuperar o apoio fornecido durante a pandemia e reprimir a  conformidade e os relatórios fiscais, essas mudanças provavelmente terão um sério efeito indireto nos próximos anos. Não surpreende, então, que o 2021 EY Tax Risk and Controversy Survey  tenha mostrado que 53% dos líderes fiscais esperam uma maior aplicação fiscal, nos próximos três anos.

com mesa em reunião
(Chapter breaker)
4

Capítulo 4

Os dados e a tecnologia certos podem ajudar

Os dados e a tecnologia ajudaram as empresas a sobreviver à pandemia e muitas agora buscam soluções para ajudá-las a permanecer conectadas e em conformidade.

O acesso a dados e tecnologia atualizados é fundamental para alcançar a transparência no cenário tributário global em rápida mudança de hoje. Isso ficou dolorosamente claro para muitas organizações durante a pandemia, à medida que as equipes tributárias e financeiras, muitas das quais estavam separadas de seus arquivos do local de trabalho, lutavam para cumprir obrigações básicas de conformidade, como apresentação de declarações fiscais e lidar com atividades de auditoria junto às autoridades fiscais. 

As funções fiscais e financeiras também podem trazer mais valor para toda a empresa, quando contam com tecnologia avançada e dados à sua disposição, porque são capazes de projetar melhor as implicações fiscais de decisões comerciais mais amplas, desde aquisições e disposições até o impacto de mudanças na legislação tributária.

O C-suite reconheceu o papel significativo que a tecnologia desempenha e como as funções fiscais e financeiras podem ser parceiras reais de valor agregado para os negócios. Trinta e sete por cento dos entrevistados (incluindo 41% dos diretores financeiros) da pesquisa de TFO acreditam que a falta de um plano sustentável para dados e tecnologia é a maior barreira para alcançar a visão de sua função tributária e financeira. O número aumenta para 50%, no caso de empresas maiores, com mais de $30 bilhões em receita. Isso mostra claramente que há muito trabalho de transformação a ser feito. 

A tecnologia pode ser uma despesa significativa para um orçamento de equipe fiscal. Em média, os entrevistados da pesquisa de TFO dizem que gastarão US$ 4 milhões em tecnologia fiscal, nos próximos três anos.  Enquanto isso, um grande número de empresas está procurando reduzir custos e luta para construir internamente a capacidade tecnológica necessária. Portanto, não surpreende que 56% tenham priorizado trabalhar com um provedor que tenha recursos significativos em dados, tecnologia e fornecimento de centro de serviços compartilhado – para as empresas com receita anual de mais de $30 bilhões, a porcentagem sobe para 68%.

“A transformação digital, que permite serviços inovadores em finanças, contabilidade e impostos, está ajudando as organizações a obterem insights mais relevantes e acionáveis para seus negócios, muitas vezes a um custo menor”, diz Daniel Goff, vice-presidente corporativo de Impostos e Comércio Mundial da Microsoft. “Mas a transformação parece diferente para empresas diferentes. Alguns querem desenvolver recursos internos. Alguns preferem co-contratar com um provedor. Muitas vezes, uma abordagem híbrida é a melhor abordagem. As empresas que realizam essas transformações estão mais bem posicionadas para redirecionarem recursos, para se concentrarem nas questões financeiras e fiscais mais estratégicas”.

  • Os três pontos de Goff a serem considerados:

    1. Avalie a tecnologia e os processos usados internamente para otimizar o uso existente da tecnologia corporativa para obter dados de origem de alta qualidade com eficiência, fornecer relatórios em tempo real e insights comerciais para a organização. 
    2. Determine se cada parte do ecossistema de TI se alinhará aos futuros requisitos de relatórios, riscos e governança. 
    3. Procure os provedores de serviços gerenciados e garanta que eles tenham os melhores recursos de tecnologia tributária da categoria, agora e no  futuro, e  tenha certeza de que o ecossistema/roteiro de tecnologia da organização está alinhado com o do provedor. 
Mulheres asiáticas correndo ao longo da beira do rio
(Chapter breaker)
5

Capítulo 5

4 etapas para uma transformação bem-sucedida

A avaliação contínua é fundamental para uma transformação bem-sucedida, seja co-sourcing, construção de capacidade interna ou um híbrido de ambos.

A transformação dá aos líderes fiscais e financeiros o poder de moldar a estratégia, inovar e ter um impacto maior nos negócios, transformando o imposto, de uma função de conformidade de negócios como de costume, para ajudar os líderes da organização a entenderem o quadro completo de decisões de negócios mais amplas.  

As funções fiscais e financeiras precisam de uma estratégia de transformação que seja holística, flexível e que tenha o escopo de evoluir e adaptar as mudanças de talentos, cenários regulatórios e tecnológicos, para se prepararem, ao máximo, para o futuro possível.

A transformação pode assumir várias formas. Algumas empresas podem decidir enfrentar esses desafios internamente. Outras podem investir em um acordo de co-sourcing. Muitas escolherão um modelo híbrido, com elementos de ambos. Não existe uma abordagem única para todos e as empresas devem escolher seu próprio caminho a seguir. 

As etapas, a seguir, podem servir de guia para uma transformação robusta e bem-sucedida:

1. Reavalie seu modelo operacional

Mesmo que você tenha feito mudanças transformacionais em seu modelo operacional, avaliações contínuas devem ser realizadas para se manter atualizado. Suas prioridades em relação aos controles de custos, criação de valor e gerenciamento de riscos podem mudar enquanto você reavalia como a função tributária e financeira contribui para a estratégia geral de negócios. A avaliação contínua o ajudará a identificar lacunas nas pessoas e na tecnologia à medida que você busca preparar seu modelo operacional para o futuro.

2. Determine o que fica internamente

Você pode se decidir sobre a entrega interna de atividades que considera de maior valor e as melhores da categoria — por exemplo, planejamento ou gerenciamento de controvérsias fiscais. No entanto, para fazer isso com sucesso, é necessário um grau de transformação interna para otimizar as pessoas, os processos de dados e a tecnologia existentes.

3. Decida o que vai ser co-source

Pode ser mais vantajoso cocontratar algumas atividades, especialmente aquelas que são mais rotineiras, como preenchimento de declarações fiscais, registros regulatórios e coleta de dados. Tarefas altamente repetíveis, orientadas por dados e baseadas em regras podem ser executadas de forma mais eficiente por meio de co-sourcing com terceiros.

4. Considere uma abordagem híbrida

Você pode decidir que uma abordagem híbrida funciona melhor – mantendo alguns processos e atividades fiscais e financeiras críticas, enquanto co-terceiriza outros. A abordagem híbrida mais eficaz pode melhorar a eficiência e, ao mesmo tempo, capacitar seu pessoal a se tornar um parceiro de valor agregado para os negócios, concentrando-se em atividades que melhoram os resultados financeiros. Conectar atividades internas e de co-fontes proporcionará maior valor. 

Embora uma abordagem interna permita que você desenvolva e expanda sua própria equipe e melhore o controle e a flexibilidade, o co-sourcing para terceiros pode reduzir os custos gerais de impostos, controlar despesas imprevisíveis de TI e redirecionar recursos internos para atividades mais estratégicas. Também permite que as organizações aproveitem os  investimentos consideráveis e contínuos do fornecedor no talento e na tecnologia necessários para acompanhar o ritmo de um mundo em constante mudança.

 

Resumo

A transformação da função fiscal e financeira passou da ambição à realidade para a maioria das empresas, de acordo com a nova Pesquisa de Operações Fiscais e Financeiras da EY de 2022. A pandemia da COVID-19 é parcialmente responsável, agravando os desafios em torno do talento e complicando ainda mais um ambiente tributário, legislativo e regulatório já complexo. As empresas em transformação estão escolhendo  uma série de abordagens, desde o co-sourcing de algumas atividades até o aprimoramento de suas próprias capacidades internas. Em muitos casos, eles estão adotando uma abordagem híbrida que melhor atende às suas necessidades individuais.

Sobre este artigo

Autores
Dave Helmer

EY Global Tax and Finance Operate Leader

Helping companies reimagine the tax and finance function.Speaker. Passionate runner. Husband and father of seven.

Albert Lee

EY Global Tax Technology and Transformation Leader and EY Asia-Pacific Tax Technology and Transformation Leader

Technology leader in the world of tax. Passionate about innovation.

Charles Davis

EY Global Tax Knowledge Leader

Experienced, commercially-focused economist and research professional.

Contato local

Sócio Líder em Tecnologia e Transformação Tributária da EY Brasil

Giovanni é Sócio Líder da EY para Tax Transformation no Brasil. Ele tem mais de 20 anos de experiência, e é especialista em transformação e tecnologia tributária, compliance e consultoria tributária.