Como as forças da mudança podem permitir novas alianças?

Por Andy Baldwin

EY Global Managing Partner – Serviços ao cliente

Apaixonado por inovação, FinTech, crescimento inclusivo e geopolítica. Comentarista líder de mídia sobre serviços financeiros, economia e tendências de investimento. Ciclista Keen.

5 Minutos de leitura 20 mai 2022
Related topics Fórum Económico Mundial

Com o mundo em uma virada histórica, a colaboração é nossa única opção para enfrentar os desafios.

Em resumo
  • A mudança climática exige alianças que mobilizem a transformação econômica global. 
  • Através da colaboração, as organizações podem abordar as desigualdades sociais enquanto aumentam sua capacidade de inovar. 
  • Para acelerar a transformação digital, as organizações devem aproveitar as habilidades e o conhecimento de seus parceiros do ecossistema.

Hoje, nosso mundo se encontra em um ponto de virada histórico. Enquanto continuamos a navegar pelas contínuas repercussões da pandemia da COVID-19, também estamos sob o domínio de grandes forças de mudança tão poderosas, que nenhuma organização ou país poderia esperar administrá-las, ou os riscos associados a elas, inteiramente por conta própria.

A ameaça existencial da mudança climática, a pressão popular para reduzir as desigualdades sociais e a aceleração da transformação digital são apenas algumas dessas forças com as quais devemos contar. Uma estratégia e uma resposta coletiva e colaborativa, baseada no conhecimento dentro de nossos ecossistemas mais amplos, é o único caminho a seguir. Devemos trabalhar juntos para resolver e sobreviver.

As organizações já reconhecem o imenso valor comercial dos ecossistemas. O EY Reimagining Industry Futures Study 2022 (pdf), uma pesquisa com mais de 1.000 empresas em todo o mundo, descobriu que três quartos (75%) das empresas acreditam que as estratégias integradas e ecossistêmicas se tornarão um motor significativo para o crescimento de sua organização nos próximos cinco anos. Além disso, mais de dois terços (69%) já estão colaborando com outras organizações como parte de um ecossistema empresarial.

Os ecossistemas serão cruciais na iminente luta contra as perturbações econômicas, ambientais e sociais generalizadas. Para mitigar as ameaças à sua agilidade operacional, as organizações precisam reimaginar suas estratégias de risco, formando novas alianças e alavancando e fortalecendo melhor os parceiros dos ecossistemas existentes. Veja como:

1.  Unidos para combater as mudanças climáticas

O Relatório Global de Riscos 2022 (pdf) do Fórum Econômico Mundial identificou a falha em agir sobre a mudança climática como o risco mais grave enfrentado pelo mundo nos próximos 10 anos, seguido por eventos climáticos extremos e perda de biodiversidade. No entanto, apesar das promessas ambiciosas feitas por governos e organizações, a transição para um mundo net-zero não está acontecendo com rapidez suficiente. O mundo está atualmente em uma trajetória para atingir o aquecimento de cerca de 2,4 °C acima dos níveis pré-industriais até 2100, com prováveis consequências devastadoras.

Para termos sucesso no combate às mudanças climáticas e na mitigação dos riscos associados, a ação deve ser robusta e rápida. As alianças entre empresas, indústrias, investidores e governos são nossa melhor opção para mobilizar uma transformação econômica global, com o clima em seu núcleo.

Por exemplo, há uma enorme oportunidade para os investidores financiarem a transição para a energia renovável. A análise da EY sugere que um investimento adicional de US$5,2t é necessário até 2050, além dos US$7,7t atualmente comprometidos. Há também oportunidades convincentes para grandes corporações se associarem com startups inovadoras no espaço Greentech no desenvolvimento de novos produtos e serviços e trazê-los para o mercado. Significativamente, mais de um terço (34%) dos diretores e líderes executivos que responderam ao último EY Long-Term Value and Corporate Governance Survey  viram a criação de novos produtos e serviços sustentáveis como a maior vantagem de incorporar fatores ambientais, sociais e de governança (ESG) na estratégia corporativa.

Um exemplo poderoso da colaboração existente é o projeto Green Hydrogen Catapult, uma iniciativa global que visa aumentar a produção de hidrogênio verde. Seu objetivo é aumentar em 50 vezes a capacidade de produção de hidrogênio verde até 2026.

2. Responder à pressão para reduzir as desigualdades sociais

A pandemia da COVID-19 exacerbou as desigualdades sociais existentes. Ao mesmo tempo, destacou o importante papel social das empresas. Empresas de uma ampla gama de setores – incluindo saúde e ciências da vida, transporte, logística, varejo e serviços públicos – foram fundamentais para permitir que países e comunidades suportassem o impacto da pandemia.

Como resultado, o público acredita que as empresas podem – e devem – fazer mais para tratar de questões sociais. Quase metade (49%) dos entrevistados do Edelman Trust Barometer 2022 (pdf) pensam que as empresas não estão fazendo o suficiente para lidar com a desigualdade econômica. Além disso, 60% dos empregados entrevistados que estão considerando um emprego querem que seu CEO fale sobre questões controversas com as quais se preocupam. As empresas que não estão tentando ativamente abordar a desigualdade e outras questões sociais se expõem a riscos significativos de mercado e de reputação.

Na EY, acreditamos no poder transformador dos ecossistemas, e em nenhum outro lugar isso é mais aparente do que na oportunidade de as organizações trabalharem em parceria para provocar mudanças na sociedade. Por exemplo, a EY é membro da parceria Global EQUALS, um esforço do setor público e privado para eliminar o viés de gênero na tecnologia. Ela também colabora com Girls Who Code, uma organização sem fins lucrativos que ensina meninas com habilidades de informática.

Ao priorizar a diversidade, equidade e inclusão (DE&I), as organizações podem abordar as desigualdades sociais de forma proativa e, ao mesmo tempo, melhorar suas próprias capacidades de inovação, trabalhando em conjunto e aproveitando melhor as habilidades do mais amplo pool de talentos possível.

3.  Parceiro para acelerar a transformação digital

A transformação digital estava acontecendo antes da COVID-19, porém ela foi ainda mais acelerada pela pandemia, que deu início a uma nova era de trabalho híbrido e forçou as empresas – e até mesmo indústrias inteiras – a digitalizarem em ritmo acelerado.

As organizações que incorporam estratégia e infraestrutura digital em todos os aspectos de seus negócios não são apenas mais resilientes e ágeis em uma crise, mas também apresentam melhor desempenho financeiro. Além disso, com muitas forças de trabalho agora geograficamente dispersas, a pandemia tem enfatizado particularmente a utilidade dos serviços baseados na nuvem, assim como a colaboração on-line e ferramentas de comunicação. Também impulsionou mudanças generalizadas nos hábitos de compra. O EY Future Consumer Index descobriu que 36% dos consumidores entrevistados farão mais compras on-line no futuro.

Sob pressão para digitalizar rapidamente, as organizações devem aproveitar seus ecossistemas para adquirir as habilidades necessárias para adotar a tecnologia em velocidade e inovar em escala. O aproveitamento do poder dos ecossistemas e da diversidade de experiências e perspectivas que eles oferecem permite a resolução mais dinâmica de problemas, a aplicação flexível da tecnologia, a criação de modelos de negócios disruptivos, a capacidade de compartilhar riscos e recompensas e novos meios eficazes de atender às expectativas dos clientes e combater as ameaças da ciber-segurança.

Alianças e ecossistemas são fundamentais para a transformação dos negócios da EY e a forma como prestamos serviços aos nossos clientes. Por meio de nossa aliança com a Microsoft, por exemplo, criamos soluções em nuvem transformadoras que ajudam a acelerar as jornadas digitais de nossos clientes. Por meio de nossa aliança com a Dell Technologies, combinamos estratégia de negócios, conhecimento do setor e o portfólio de tecnologia líder da Dell para ajudar nossos clientes a se transformarem nas empresas digitais do futuro.

Era da disrupção

O ritmo de mudança de hoje é rápido. A resiliência é uma habilidade crítica de sobrevivência e a transformação impulsiona o sucesso dos negócios. Para aproveitar as forças de mudança que estão remodelando nosso mundo, não temos escolha melhor a não ser trabalhar juntos, alcançar nossos parceiros e investir nas habilidades, tecnologias e recursos que nos permitirão criar novas oportunidades de colaboração e acelerar o crescimento.

Resumo

A colaboração é a resposta para os desafios que enfrentamos. Devemos trabalhar juntos para combater a mudança climática, priorizar DE&I e incorporar a transformação digital em todos os aspectos das organizações para criar um caminho de sucesso para o futuro.

Neste momento histórico, não é a hora de uma  colaboração ainda maior?  Junte-se à EY para discutir as questões econômicas e sociais urgentes enquanto acompanhamos a Reunião Anual do Fórum Econômico Mundial 2022 – de 22 a 26 de maio. Junte-se à conversa em ey.com/wef e usando #WEF22 e #BetterWorkingWorld

Sobre este artigo

Por Andy Baldwin

EY Global Managing Partner – Serviços ao cliente

Apaixonado por inovação, FinTech, crescimento inclusivo e geopolítica. Comentarista líder de mídia sobre serviços financeiros, economia e tendências de investimento. Ciclista Keen.

Related topics Fórum Económico Mundial