Como acelerar a igualdade de género

4 minutos de leitura 28 mar 2019
por EY Moçambique

Firma de serviços profissionais multidisciplinares

4 minutos de leitura 28 mar 2019

Cheryl-Jane Kujenga, EY alumna e CFO da Adcorp Holdings Limited, discute como mais mulheres podem ocupar papéis estratégicos nos locais de trabalho.

Quando  Cheryl-Jane Kujenga regressou à EY, em 2006, para a sua segunda passagem pela empresa, perguntou: "Onde estão as mulheres?". Para Cheryl-Jane, voltar para a EY foi como voltar para casa. "A EY é um lugar muito acolhedor. Quando voltei, ainda existiam muitas pessoas com quem tinha feito artigos", diz ela. Mas também foi rápida em dar prioridade à criação de mais consciência sobre como trazer mais mulheres para papéis de liderança.

Cheryl-Jane é apaixonada pela paridade de géneros. Durante os seus 16 anos na EY, Cheryl-Jane começou e dirigiu um programa de sucesso para ajudar as senior managers das equipas de auditoria a melhorarem as suas capacidades de liderança.

"As mulheres tendem a chegar a um nível particular em qualquer organização", diz ela "Mas quando se olha para os verdadeiros decisores, ainda existe uma escassez de mulheres."

Durante a nossa conversa, Cheryl-Jane mencionou as áreas de foco para promover a paridade de género no local de trabalho.

Seja a sua própria líder de claque

"Como mulheres, tendemos a gastar muito tempo concentradas no nível de esforço que colocamos. Temos muito orgulho na entrega. [Mas] não gastamos tempo suficiente ao ser políticos e focados nas nossas próprias carreiras. Não há problema em focarmo-nos na entrega e no orgulho da execução. Mas também é preciso estar ciente dos seus pontos fortes e do que demonstra. Mostre os seus pontos fortes ... Temos de ser as nossas próprias líderes de claque."

Construir capacidades de liderança

"Compreender a liderança e os traços chave para um líder.E certifique-se que os tem. Ou pelo menos começar a trabalhar com mentores que a possam ajudar a construi-los."

Colocar mais mulheres em papéis estratégicos

Cheryl-Jane acredita que mover mais mulheres através dos ranks também é responsabilidade dos homens em posições de liderança. "Há um ónus sobre os homens em posições poderosas. Pois eles ainda detêm o poder. Além disso, têm de se certificar de que estão a fornecer, intencionalmente, às mulheres papéis estratégicos que realmente as ajudem a crescer."

Resumo

Para reduzir mais rapidamente as disparidades de género, homens, mulheres e líderes de negócio terão de promover uma cultura que proporcione mais oportunidades de liderança às mulheres.

Sobre este artigo

por EY Moçambique

Firma de serviços profissionais multidisciplinares