Com a fragmentação da mobilidade, o que deve ser unificado? Com a fragmentação da mobilidade, o que deve ser unificado?

por John Simlett

EY Global Future of Mobility Leader

All things mobility. Innovative thinker. Entrepreneurial mindset. Strategic partner and consultant for the auto and transport industries.

8 minutos de leitura 14 set 2018
Related topics Inovação

Estamos a testemunhar o surgimento de uma era completamente nova no que diz respeito à mobilidade pessoal — baseada não no carro enquanto produto, mas na mobilidade enquanto serviço. 

Quatro futuros possíveis muito diferentes surgem agora. No entanto, de momento, o mais importante não são os pontos de diferença, mas os pontos comuns. Porque todos eles — e os vários cenários possíveis de futuro que não exploramos — estão a ser guiados pelas mesmas forças. Forças que já se estão a fazer sentir em todo o mundo.

Em primeiro lugar e mais importante, as nossas cidades têm de lidar com as consequências da urbanização. À medida que cada vez mais pessoas se aglomeram em áreas urbanas, as autoridades enfrentam grandes e urgentes desafios relativamente à qualidade do ar, congestionamento de tráfego e alocação de recursos. A poluição do ar na China causa cerca de 1,6 milhões mortes por ano.O tempo de viagem na Austrália — uma geografia conhecida pelo seu vasto espaço — aumentou 15% entre 2002 e 2011.

As respostas de cidades como Londres, Seul e Singapura, deixam claro que as autoridades destas cidades irão desempenhar um papel central na definição do futuro da mobilidade. É ainda claro que a MaaS tem o potencial para resolver muitos dos problemas identificados, reduzindo o congestionamento e a poluição, através de frotas de veículos menos poluentes, menor número de viagens e um uso mais eficiente de recursos finitos, como as estradas e lugares de estacionamento.

As atitudes e comportamentos dos clientes estão também a mudar. Em vez de considerar a posse de veículo como um emblema de liberdade, as gerações Milleninal e Geração Z são mais propensas a analisar o custo, impacto ambiental e os problemas associados. Perguntam frequentemente se não existirá uma solução “do it for me” melhor, mais perfeita e prontamente disponível para smartphones. As viagens multimodais serão geridas a partir de um único local — as viagens de carro, comboio e táxi, por exemplo, serão integradas num único sistema de reservas e pagamentos.

Os investidores estão a encarar estas mudanças de forma muito mais vigorosa do que a indústria automóvel — Venture Capital e Private Equities detêm cerca de 53 mil milhões de dólares em mobilidade com base na procura e integração de mobilidade. As empresas de tecnologia e de engenharia aparecem num distante segundo lugar com cerca de 9,3 mil milhões de dólares em investimentos. A indústria automóvel tradicional conseguiu apenas 2,3 mil milhões de dólares.

As empresas que desejem ser bem-sucedidas na próxima era de Mobility-as-a-Service (MaaS) terão de enfrentar quatro desafios fundamentais:

  1. Escalabilidade. Terá de desenvolver sistemas que poderão aumentar ou diminuir de dimensão rapidamente, facilmente e com o mínimo de implicações ao nível de custo.
  2. Dados. A recolha, a integração e a monetização da utilização de dados será crucial para oferecer a mobilidade como um serviço, não apenas em termos de angariação de receitas, mas também no planeamento e desenvolvimento de novos serviços.
  3. Propriedade do consumidor. Aproximar-se e manter-se próximo do cliente será vital para desenvolver novos serviços de mobilidade e novas fontes de receita.
  4. Confiança. Os utilizadores devem estar confiantes que existe uma tecnologia de segurança fiável e fidedigna a proteger os seus dados.

Todos podem ser abordados com a tecnologia certa — blockchain. A combinação de blockchain com um ledger seguro e distribuído, com a cripto moeda, contratação inteligente e com o design open source, apresentam um valor único para enfrentar estes desafios.

É uma mudança fundamental na antiga estrutura de sistema de comando e controlo de transportes para um mercado totalmente distribuído onde os utilizadores fazem pouca ou nenhuma distinção entre o transporte “público” e “privado”. Os prestadores de serviços de mobilidade multimodal assumem um papel central.

Assim sendo, existem muitos desafios complexos a enfrentar, e muita incerteza sobre o detalhe dos mesmo. Mas existe também uma oportunidade sem precedentes de moldar o futuro. Como é que se deve abordar esta oportunidade? Deixamos aqui algumas observações com base na nossa experiência:

A cidade como cliente. Abordar cidades como clientes e parceiras. Perceber o seu papel cada vez mais importante enquanto promotor e regulador dos novos mercados de mobilidade. Fazer experiências com as cidades de forma a desenvolver novos serviços de mobilidade.

Investimento ambicioso. Desenvolver uma estratégia para investimentos ousados, em que o espírito da disrupção real substitua o espírito da mera inovação incremental.

Perspetiva holística. O objetivo da empresa deve mudar de “fazer” para “ser”. Estratégias discretas para o digital e inovação, por exemplo, devem ser substituídas por perspetivas de negócio integradas e holísticas.

Foco no modelo de negócio. Haverá muitas iniciativas para acompanhar e gerir. Devemos que assegurar que o modelo de negócios se mantém central para todos.

Sistemas centrados no Humano. Os novos modelos de negócio de mobilidade serão orientados por mudanças no comportamento e necessidades humanas. Assegure-se que os processos e mecanismos estão à altura do desafio de capturar as novas tendências nesse campo.

No entanto, para além dessas considerações, está um princípio abrangente com que trabalhamos na EY, porque acreditamos que é o fator de sucesso mais importante:

Estabeleça e mantenha um diálogo aberto em todo o ecossistema de mobilidade.

Porque retirar o máximo proveito do futuro da mobilidade irá depender, não só de um conhecimento limitado em áreas tradicionais como a engenharia ou o marketing, mas também de uma rede verdadeiramente diversificada e de uma vasta amplitude de parceiros que colaboram entre si.

Resumo

O futuro da indústria automóvel tradicional está posto em questão. Para se preparar para o sucesso neste novo mundo, mudanças drásticas devem ser feitas agora, de modo a conseguir capitalizar as vastas oportunidades que o futuro da mobilidade trará.  

Sobre este artigo

por John Simlett

EY Global Future of Mobility Leader

All things mobility. Innovative thinker. Entrepreneurial mindset. Strategic partner and consultant for the auto and transport industries.

Tópicos relacionados Inovação