5 minutos de leitura 4 dez 2020

            Vista aérea de petroleiros atracados no porto

Como é que os resultados financeiros de uma empresa no terceiro trimestre de 2020 reflectem uma recuperação económica desigual

por Andy Brogan

EY Global Oil & Gas Leader

Oil & Gas sector leader, speaker and industry advocate, optimist, music addict and avid traveler.

5 minutos de leitura 4 dez 2020
Related topics Petróleo e Gás

Os preços do petróleo bruto aumentaram e as perdas diminuíram, mas o sector do Petróleo & Gás continua a enfrentar problemas na oferta e na procura, bem como os desafios da transição energética.

Sumário Executivo
  • O preço médio do petróleo bruto foi de 42 dólares USD/barril, quase 50% superior relativamente ao trimestre anterior.
  • Os analistas queriam compreender de que forma as empresas do sector do Petróleo & Gás conseguem equilibrar a redução das despesas de capital com os objectivos de produção e de cash flow.
  • As empresas enfrentam uma enorme pressão para alocar capital a fontes de energia alternativas e anunciar os objectivos de redução das emissões de carbono.

Este artigo faz parte do conjunto das Tendências Trimestrais no sector do Petróleo & Gás.

O terceiro trimestre de 2020 assistiu a sinais desiguais de recuperação económica global, enquanto os preços do petróleo e do gás recuperaram de forma constante em comparação com os seus valores mais baixos. Os preços estão relativamente estáveis, embora não a níveis sustentáveis. Os preços estão a ser sustentados por uma combinação de retenção intencional da produção pelos países produtores de petróleo e por uma situação de stress económico sobre os upstream independentes.

Neste trimestre, p preço médio do petróleo bruto foi de 42 dólares USD/barril, um valor significativamente acima da média do segundo trimestre, no valor de 29 dólares USD/barril. O índice Henry Hub valeu em média 2 dólares USD/mmbtu durante este trimestre, um valor inferior ao do ano passado, mas substancialmente menos reduzido do que no segundo trimestre. Neste caso, uma procura nacional estável compensa o reduzido número de exportações de gás natural liquefeito (GNL) dos EUA.

A produção de GNL foi substancialmente mais elevada no final do terceiro trimestre do que no início do mesmo. No entanto, é ainda cerca de metade do que é geralmente considerado como sustentável. As margens de refinação permanecem baixas, reflectindo o excesso de capacidade e a reduzida procura devido à pandemia.

As grandes empresas petrolíferas reportaram uma perda líquida total de 3,4 biliões de dólares USD no terceiro trimestre, o que corresponde a uma melhoria significativa em relação à perda líquida de 65 biliões de dólares USD verificada no segundo trimestre, derivada da depreciação do valor do petróleo. No entanto, está significativamente abaixo dos lucros obtidos no segundo trimestre de 2019 - 13,2 biliões de dólares USD. Os cash flows operacionais para este trimestre totalizaram 32,2 biliões de dólares USD, quase três vezes o valor do segundo trimestre, mas ainda 36% mais baixo do que no ano anterior.

Aumento dos preços do petróleo bruto

42 dólares USD

Preço médio no terceiro trimestre, superior a 29 dólares UDS/barril no segundo trimestre.

As questões financeiras continuam a ser a principal prioridade para a equipa de analistas. O mercado continua desafiante e incerto, e os analistas estiveram empenhados em obter uma visão do grau de flexibilidade que as empresas incluem nos seus planos, especialmente no que toca às despesas de capital.

Para se manterem resilientes, as empresas têm utilizado todos os meios possíveis para reduzir os custos e melhorar a eficiência operacional. Ao ter isto em consideração, os analistas estavam bastante interessados em avaliar a combinação entre o aumento da eficiência e a redução das despesas de capital. Os analistas queriam saber durante quanto tempo as empresas poderiam manter níveis mais baixos de despesas de capital em condições macroeconómicas difíceis sem afectar negativamente os objectivos de produção e o cash flow a médio prazo — ao mesmo tempo que investem na transição energética.

Com a transição energética a intensificar-se, as empresas deparam-se com o desafio de alocar capital a fontes de energia alternativas. Algumas empresas foram abordadas directamente sobre a sua actual e provável alocação futura de fundos em negócios de energias alternativas.

Rentabilidade dos acionistas

Os analistas continuam a esperar um compromisso com a rentabilidade dos accionistas. As questões sobre de que forma as empresas darão prioridade às despesas de capital e às distribuições e dividendos dos accionistas caso gerassem cash flows excedentários foram essenciais.

As questões sobre de que forma as empresas darão prioridade às despesas de capital e às distribuições e dividendos dos accionistas caso gerassem cash flows excedentários foram essenciais. Durante a transição, os analistas queriam ter uma visão da alavancagem a longo prazo caso o preço do petróleo continuasse a valer cerca de 40 dólares USD/barril.

Apesar de se verificarem margens de refinação reduzidas e uma procura inferior ao habitual, algumas empresas reportaram melhores resultados do que o esperado. Os analistas estavam curiosos acerca dos drivers e da sustentabilidade desses resultados no contexto de uma incerteza crescente no que concerne à recuperação da procura.

Evoluir na transição energética

Do ponto de vista estratégico, as ambições de transição energética das empresas e o caminho para alcançar estes objectivos continuam a ser analisados. Vários analistas ambicionavam mais visibilidade nos planos de descarbonização. Por isso, pressionaram de forma subtil as empresas que não tinham objectivos definidos, ao compará-las com a concorrência. Os analistas pretendem claramente que as empresas que ainda não anunciaram as suas metas de redução das emissões de carbono a longo prazo o façam brevemente.

Os analistas pretendem claramente que as empresas que ainda não anunciaram as suas metas de redução das emissões de carbono a longo prazo o façam brevemente.

Por outro lado, os analistas questionam a capacidade das empresas em operar nesse contexto mantendo um compromisso aceitável entre crescimento e rentabilidade. Algumas empresas foram questionadas sobre qual a sua dependência de estratégias de M&A para atingir os seus objectivos em matéria de energias renováveis e o risco que essa abordagem representa.

A maioria das empresas encontra-se focada na redução dos seus portfolios através da alienação de activos não essenciais para manter a solidez das suas contas. Os analistas fizeram várias perguntas especificas relacionadas com as estratégias de alienação das empresas e os factores que conduziriam a uma decisão de racionalização ou de desinvestimento na capacidade de refinação, dadas as perspectivas desafiantes para o sector.

Relativamente à política e regulamentação, os analistas quiseram compreender o potencial impacto de uma mudança do Governo dos EUA na área explorada nos EUA. Para além disso, os analistas estavam interessados em conhecer qual o impacto da European Climate Law, ao ser aprovada, nas operações upstream e downstream das empresas da região.

Foram feitas às empresas as perguntas habituais sobre o progresso dos seus maiores projectos. Os atrasos e os custos excessivos dos projectos normalmente afectam os resultados futuros. Como sempre, a previsão dos níveis de produção foi um tema importante para a equipa de analistas. Os volumes de produção do território Líbio foram particularmente interessantes aquando a discussão sobre a orientação da produção para 2021. 


            Relatório das tendências do terceiro trimestre de 2020

Olhando para o futuro

O mercado irá analisar atentamente a forma como a economia e a procura de petróleo respondem aos desenvolvimentos relativos às vacinas contra a COVID-19. Enquanto se registam progressos na adaptação das economias e no regresso das pessoas ao local de trabalho, a recuperação total continua distante.

Estamos à espera de que as explicações dos analistas se foquem principalmente na incerteza sobre a forma como a procura de petróleo e do gás será afectada a curto, médio e longo prazo e de que forma é que as empresas estão a utilizar o seu capital. No passado, os preços do petróleo e do gás recuperaram em harmonia com o escoamento da oferta. Contudo, existe um risco significativo quanto à rapidez com que isso irá acontecer e se a transição energética estará em plena evolução quando tal ocorrer. 

  • Âmbito, limitações e metodologia

    O objetivo desta análise é estudar os temas-chave decorrentes das questões colocadas pelos analistas durante a época de prestação de contas do terceiro trimestre de 2020 entre 12 companhias mundiais de petróleo e gás. A identificação dos três temas principais baseia-se exclusivamente na análise das transcrições das reuniões de discussão de resultados financeiros da empresa. Para esta análise, foram incluídas as seguintes empresas:

    BP plc

    Chevron Corporation

    ConocoPhillips

    Eni SpA

    Exxon Mobil Corporation

    Husky Energy Inc

    Repsol SA

    Royal Dutch Shell plc

    Equinor ASA

    Suncor Energy Inc

    TOTAL S.A.

Liderar durante a crise da COVID-19

Temos uma visão clara das questões críticas e das novas respostas necessários para uma efectiva continuidade e resiliência do negócio.

Explorar

Contacte-nos para apoio imediato

Tenha acesso à nossa ajuda na gestão de crises, continuidade de negócios e resiliência empresarial.

 

Contactar

Resumo

Tal como acontece com a economia no geral, o impacto das vacinas contra a COVID-19 será claramente sentido no sector do Petróleo & Gás. Contudo, a dimensão da recuperação ainda está por determinar.  

Sobre este artigo

por Andy Brogan

EY Global Oil & Gas Leader

Oil & Gas sector leader, speaker and industry advocate, optimist, music addict and avid traveler.

Tópicos relacionados Petróleo e Gás