Poderão os dados fornecer a confiança para reescrever os termos da comercialização? Poderão os dados fornecer a confiança para reescrever os termos da comercialização?

Autores
Shaun Crawford

EY Global Vice Chair – Industry

Driving solutions designed to reshape global markets and industry through convergence and disruption.

Dai Bedford

EY Global Banking & Capital Markets Consulting Leader

Transformation leader. Talent developer. Family man. Welsh rugby fan.

9 minutos de leitura 9 out 2019

Para que a economia global prospere, é preciso que o comércio flua facilmente. Como podemos voltar a depositar confiança num sistema de rutura?

A economia global prospera quando o comércio flui facilmente. Mas as guerras tarifárias, as políticas protecionistas e a incerteza regulatória empurraram o comércio global para a crise. Os modelos de negócios e relacionamentos estabelecidos estão em crise. Problemas sistemáticos que têm retardado o fluxo do comércio por décadas estão a piorar a situação, e é mais difícil para as organizações responderem. Acreditamos que está na hora do comércio se transformar.

Melhores dados e tecnologias mais inteligentes têm revolucionado praticamente todos os cantos da vida organizacional, mas quando se trata de comércio global, não é o caso. Das finanças, ao transporte e à logística, muito ainda depende de processos notavelmente primitivos, apesar dos enormes fluxos de dinheiro e bens envolvidos.

Às vezes acontece porque os próprios sistemas de organização não são suficientemente automatizados. Outras vezes é porque estão a participar numa network de relações comerciais onde os principais participantes não investiram em tecnologias melhores.

Como consequência, as organizações são forçadas a trabalhar com dados sobre o comércio que muitas vezes são incompletos e não são de confiar. Estes são de várias fontes e são frequentemente contraditórios, ou completamente errados. Erros acontecem. Os governos não cobram a quantia certa de impostos. As empresas não aproveitam ao máximo acordos de livre comércio que se destinam a beneficiá-las e a incentivar o comércio.

Quando os dados não podem ser confiáveis, não podem ser usados para conduzir melhores decisões de negócios. Isto é dolorosamente frustrante para os líderes. Estes querem definir uma direção estratégica para a sua organização, mas muitas vezes são forçados a ações apressadas e táticas porque não têm uma visão abrangente e confiável do que realmente está a acontecer. E esta falta de confiança espalha-se como um vírus. Cria fricção, custo e risco através de redes comerciais conectadas. Desencoraja a colaboração e a inovação. Cria uma incerteza económica aguda. E atrasa o progresso para melhores formas de trabalho.

O comércio atingiu um ponto de mudança

Já há algum tempo, as ineficiências nas redes comerciais têm sido aceites como um custo de negociação global. Mas estas estão a tornar-se inaceitáveis muito rapidamente.

Veja o exemplo de um fabricante de automóveis que envia motores fabricados em Espanha para serem montados na África do Sul. Demora cerca de dois dias para que a mercadoria chegue ao destino. No entanto, o negócio aumenta o período em meio dia porque é comum existirem atrasos. Talvez à chegada ao porto o conhecimento de embarque esteja incompleto, a declaração aduaneira esteja errada ou o país de origem não possa ser estabelecido adequadamente.

O amortecedor para acomodar o atraso acrescenta custos, mas a alternativa — parar a linha de montagem porque os motores não chegaram — é impensável.

Esta forma de trabalhar pode custar bilhões de dólares por ano a um típico fabricante de automóveis. Numa época em que tarifas, regulamentos, acordos comerciais e relações políticas são relativamente estáticos, é um custo que pode ser absorvido. Mas numa época de crise, em que um governo pode mudar a sua política comercial estabelecida num piscar de olhos, os riscos são muito maiores. O custo, o risco e as incertezas criadas pela forma como o comércio funciona hoje em dia tornaram-se intoleráveis.

Onde é que se encontra a revolução tecnológica?

É irónico: estamos perante uma crise comercial, ao mesmo tempo que estamos a entrar numa nova e excitante era de comércio global.

Em todas as indústrias e setores, inovações como a análise avançada de dados, cadeia de bloqueio e inteligência artificial estão a criar novas oportunidades e a transformar o que é possível. Isto força os líderes a desafiarem as principais suposições sobre o que fazem, como o fazem e porque a sua organização existe realmente.

Devemos ser tão disruptivos como inovadores quando pensamos em tecnologia para o comércio. O impacto das tecnologias que permitem às pessoas confiar e agir sobre os dados pode — e deve — ser tão revolucionário quanto a introdução do contentor de transporte marítimo.

Não se trata apenas de eliminar custos e atrasos, ou melhorar o desempenho financeiro. Quando as organizações confiam nos seus dados comerciais, podem usá-los para transformar as suas operações e desbloquear valor de forma mais ampla.

Por exemplo, poderiam cumprir mais eficazmente as suas obrigações em relação às alterações climáticas, desempenhar um papel construtivo no combate a problemas como o tráfico de seres humanos e criar valor sustentado e a longo prazo para todos os seus intervenientes.

Como avançamos?

Olhando para o futuro, os dados de confiança tornar-se-ão cada vez mais importantes. Acreditamos que a forma como as organizações criam valor está a mudar. Qualquer que seja a indústria ou sector em que se encontre, a sua capacidade de sucesso será moldada pela sua capacidade de jogar em ecossistemas colaborativos que gerem valor para todos os seus participantes. Dados confiáveis não são apenas o preço da admissão; é a cola que mantém estes ecossistemas juntos e permite que floresçam.

Então, e agora? Existem ações imediatas que qualquer organização pode tomar para ajudá-las a responder melhor à crise que enfrentamos hoje, e posicioná-las para o futuro. 

1. Construir uma perspetiva integrada do comércio

As questões comerciais normalmente recaem em complexos organizacionais, por isso raramente há um indivíduo ou uma equipa a definir uma direção estratégica ou a assumir a responsabilidade geral. O resultado é um aumento do custo e do risco. Isto tem de mudar.

Se reunir as pessoas-chave com uma participação no comércio – desde conformidade e cadeia de fornecimento até finanças e impostos – e lhes der dados em que confiam, elas podem começar a formar uma visão abrangente sobre a forma como as regulações dinâmicas e outras mudanças de mercado estão a impactar os seus negócios. A criação de uma equipa de comércio virtual quebra silos para facilitar a partilha de informações e capacitar as pessoas a tomar decisões com base numa visão informada de dados sobre o que irá criar ou proteger valor.

2. Moldar uma resposta coerente

Com uma visão abrangente e informada sobre o que se passa, este grupo pode afastar-se das ações táticas e reativas e começar a dar forma a uma estratégia comercial proativa, incluindo uma resposta mais coerente a um ambiente regulador global dinâmico. A equipa será capaz de identificar o impacto potencial da mudança de condições e requisitos, e responder mais rapidamente.

Uma abordagem ativa à mudança das tarifas globais e das relações comerciais poderia proporcionar oportunidades de poupança através de sourcing estratégico, mudando as localizações de produção e implementando estratégias de planeamento de direitos como a utilização do Acordo de Comércio Livre, mantendo ao mesmo tempo a conformidade comercial.

3. Conduza eficiências na sua rede comercial

Com uma perspetiva integrada, as organizações podem antecipar problemas na cadeia de suprimentos, identificar as suas causas e impulsionar a eficiência contínua presente em toda a sua rede comercial. Isto significa que eles podem responder rapidamente às mudanças, eliminar custos, acelerar a sua velocidade de entrada no mercado, tornar-se mais competitivos e desenvolver modelos de negócios mais ágeis – sem comprometer a conformidade regulamentar.

Ganhar maior visibilidade significa que as organizações podem otimizar os fluxos comerciais à medida que os produtos se movimentam ao longo da cadeia de suprimentos para avaliar o desempenho e identificar oportunidades. Por exemplo, isto poderia incluir a melhoria da gestão do nível de stock para aumentar a conformidade através de um melhor monitorização, a redução dos custos de transporte através da otimização dos níveis de stock e dos procedimentos alfandegários, e um melhor cumprimento do serviço ao cliente.

4. Conduzir de forma mais inteligente o uso de melhores dados

À medida que melhores dados começam a impulsionar decisões mais inteligentes, há valor na construção de sistemas robustos de gestão de dados nas organizações. Estes devem ir além dos silos funcionais e permitir total participação em redes comerciais mais amplas e orientadas para dados.

Tais sistemas permitirão às organizações recolher, limpar e consolidar todos os dados comerciais de que necessitam. Terão acesso a análises de dados que fornecem insights comerciais chave. E eles irão converter essas perceções em inteligência de negócios abrangente e atualizada que permitirá aos líderes tomar decisões informadas que melhorem o negócio hoje e o posicionem para o sucesso de amanhã. Isto poderia incluir o uso de análise de dados para identificar oportunidades de economia de tarefas através da cadeia de fornecimento ponta a ponta, melhorar a visibilidade para identificar potenciais lacunas de conformidade e usar programas de comerciante de confiança para validar o compliance.

5. Comprometa-se com a tecnologia disruptiva com confiança

Uma perspetiva mais abrangente do comércio fornece uma visão muito mais clara sobre quais tecnologias disruptivas ajudarão as organizações a alcançar os seus objetivos estratégicos a longo prazo. Fazer benchmarking contra aquilo que os concorrentes estão a fazer, que tecnologia está disponível e a compreensão do impacto e integração do sistema antigo pode criar um mapa tecnológico disruptivo. Isto permite que as organizações invistam nas inovações tecnológicas que irão impulsionar a vantagem competitiva, integradas no seu plano mais amplo de transformação digital.

Todos irão beneficiar quando o comércio funcionar melhor. A mudança das redes comerciais lentas e ineficientes que vemos hoje para os ecossistemas colaborativos e informados de dados de futuro, construídos sobre inteligência confiável, é uma oportunidade para a inovação. Os líderes que trabalham para moldar este futuro podem assegurar o seu lugar na nova era do comércio global.

  • A Next Wave of Global Trade da EY: reunir inovadores para novos modelos e novas cadeias de valor

    A iniciativa da EY NextWave Global Trade está a reunir organizações de múltiplos setores, e órgãos públicos de múltiplas jurisdições, num esforço conjunto para moldar este futuro.

    Estamos também a trabalhar com fabricantes individuais, bancos, seguradoras, expedidores e fornecedores de logística que estão a transformar-se num nível estrutural – modelos de negócios inovadores pioneiros ou novas formas de cadeias de valor.

Resumo

O atual clima político e regulatório mundial empurrou o comércio global para um estado de crise. Ao mesmo tempo, estamos a entrar numa era revolucionária em que os dados e a tecnologia estão a mudar fundamentalmente a forma como o comércio é conduzido. O que antes era impossível, está agora a tornar-se realidade. As organizações precisam confiar no core dos seus planos de comércio global para melhor responderem aos desafios e assegurarem o seu lugar nesta nova era de comércio.

Sobre este artigo

Autores
Shaun Crawford

EY Global Vice Chair – Industry

Driving solutions designed to reshape global markets and industry through convergence and disruption.

Dai Bedford

EY Global Banking & Capital Markets Consulting Leader

Transformation leader. Talent developer. Family man. Welsh rugby fan.