Comunicado de Imprensa

7 ago 2020 Lisbon, PT

Caderno de Notas EY-Parthenon: "A crise económica da Covid-19" - 4ª edição

A EY divulga, esta sexta-feira, a quarta edição do Caderno de Notas, sobre “A crise económica da COVID-19”, com supervisão e direção científica de Augusto Mateus, Strategic Consultant da EY Portugal.

Contacto de imprensa
EY Portugal

Firma de serviços profissionais multidisciplinares

Lisboa / 7 de agosto de 2020. A EY divulga, esta sexta-feira, a quarta edição do Caderno de Notas, sobre "A crise económica da COVID-19", com supervisão e direção científica de Augusto Mateus, Strategic Consultant da EY Portugal.

A crise económica da COVID-19 – análise no quinto mês de pandemia

Destaques:
  • Análise permite identificar três características centrais desta crise:
    • Produção de serviços mais afetada do que a produção de bens;
    • Constrangimentos à mobilidade de pessoas, restrições no contato social e nas formas de interação física humana penalizam processos de trabalho e de consumo;
    • Lay-off representou um mecanismo importante para defesa do rendimento dos trabalhadores e da liquidez das empresas, mas arrastamento da atual situação de convivência entre crise económica e pandemia na saúde pública impactará na subida da taxa de desemprego.
  • Países do sul da Europa mais afetados do que os do norte e Portugal com recessão acima da média da zona euro
  • Segunda vaga de COVID-19 no penúltimo trimestre de 2020 poderá empurrar a taxa de desemprego em Portugal para 17,6%
  • Consumo privado deve convergir mais rápido para os níveis pré-COVID comparativamente às exportações, importações e investimento
  • Portugal mais resiliente do que a Europa na possibilidade de captação de IDE
  • Reindustrialização, Quadro Financeiro Plurianual e Instrumento de Recuperação da União Europeia são respostas-chave para retoma da economia e do emprego

Face à terceira edição, de 23 de junho – e divulgadas que foram, pelos principais institutos de estatística, as primeiras e muito preliminares estimativas da evolução do PIB, em volume, no segundo trimestre de 2020 – resulta evidente a dimensão de uma crise económica sem precedentes históricos na sua expressão quantitativa de quebra da atividade económica e na sua expressão qualitativa de crise económica verdadeiramente planetária, global.

Ao entrarmos no quinto mês após a declaração de pandemia pela Organização Mundial de Saúde (11 de março), é notório que a convivência entre crise de saúde pública e crise económica e social tem-se revelado bem mais exigente do que parecia quando a generalidade dos governos adotou procedimentos de levantamento progressivo das restrições do confinamento, terminado o mês de abril, aquele em que se atingiu a maior redução da mobilidade da população e a maior quebra da atividade económica.

Se a presente crise tem vindo a afetar de forma mais vincada a produção de serviços do que a produção de bens, é no seio do grande conglomerado de atividades polarizado pelas viagens e turismo que esta mais se tem vindo a sentir. Nas principais economias do sul da Europa, este segmento representa, na criação direta, indireta e induzida de riqueza, valores próximos dos 20%. Os dados de julho evidenciam uma travagem na recuperação das viagens e turismo, o que contribui para um agravamento da crise. Adicionalmente, as regras de distanciamento social – imprescindíveis para a mitigação da pandemia – agravam toda a atividade económica dos serviços com maior densidade de interação social ou no qual a mobilidade desempenha um papel determinante.

Esta crise tem vindo a ser enfrentada com um recurso alargado a formas de suspensão total ou parcial do trabalho, onde o mecanismo do lay-off assumiu o papel central. No caso português, este mecanismo terá alcançado um máximo que se aproximou de um quinto do emprego total e envolveu mais de cem mil empresas.

Num cenário em que as perspetivas atuais para a evolução económica permanecem negativas e fortemente incertas, o arrastamento de uma situação como a atual, de convivência entre crise económica e pandemia na saúde pública, não deixará de provocar um pleno alinhamento entre o nível de emprego e o nível de atividade económica, isto é, uma apreciável subida da taxa de desemprego.

No caso de uma segunda vaga de COVID-19 no penúltimo trimestre de 2020, a taxa de desemprego em Portugal poderá ser empurrada para 17,6% Esta possibilidade, aliás, levará a uma recuperação mais lenta dos padrões de consumo, que se poderá traduzir em maiores problemas de liquidez para as empresas e aumentar também o risco de instabilidade do sistema financeiro ao nível europeu. Nesse contexto, há uma maior vulnerabilidade dos países do sul (Espanha, França e Itália).

A CE espera que em 2020 o PIB em Portugal tenha uma contração de 9,8%, um agravamento em 3p.p. face ao anteriormente projetado. Para este agravamento, contribuiu a maior dificuldade em controlar a pandemia durante a fase de desconfinamento, em associação com o peso significativo do turismo na economia. O aumento relativo do número de casos de COVID-19 em Portugal com o início do desconfinamento, tem afetado a recuperação dos padrões de consumo dos portugueses e levado à imposição de restrições de viagens por parte de países europeus, condicionando a recuperação da atividade turística.

O consumo tenderá a ser a variável macroeconómica que mais rapidamente tenderá a regressar padrões pré-pandemia, por oposição às exportações, importações e investimento, que deverão conhecer uma retoma mais lenta. Em relação ao Consumo Privado, constata-se que, a par de uma forte contração verificada desde março, ocorreu uma transferência de consumo entre as suas diferentes componentes. O exemplo mais notório é a transferência do consumo “fora de casa” (restauração) para “dentro de casa” (comércio alimentar). Considerando os dados de pagamentos eletrónicos por residentes divulgados pela SIBS Analytics (20 de junho), observa-se que no 2º trimestre de 2020 as despesas com restauração caíram 57,8% (-616M euros) face ao período homólogo, enquanto as despesas com consumo alimentar aumentaram 22,8% (+657M euros).

A crise provocada pela pandemia também se manifesta por uma assimetria das dinâmicas do consumo ao nível territorial. Enquanto distritos mais dependentes do turismo, como o Algarve (-39,3%), Lisboa (-37,8%) e Porto (-26,7%) registaram quebras mais significativas no consumo, distritos com menor exposição ao turismo e maior peso do emprego público, como Portalegre (-1,7%) e Bragança (-3,6%) registaram quebras menos acentuadas.

Os efeitos da crise no Investimento Direto Estrangeiro (IDE) surgirão mais tarde, mas sentir-se-ão com força em todo o mundo. Portugal, contudo, de acordo com os resultados do EY Attractiveness Survey 2020, evidencia uma maior resiliência na manutenção dos projetos de IDE anunciados em 2019 face à Europa (20% estarão em risco, contra 35% na Europa). O foco no domínio do digital e nos serviços empresariais explica a menor exposição à pandemia.

A natureza global e mundial desta crise não permite soluções parciais e individualizadas. Qualquer economia nacional só recuperará completamente no quadro de uma interdependência resiliente alimentada por formas de globalização mais equilibradas. Qualquer economia europeia só recuperará completamente no quadro de uma construção europeia reforçada com instrumentos renovados de promoção conjunta da coesão e da convergência. Neste contexto adverso e marcado pela imprevisibilidade e incerteza, a reindustrialização, o Quadro Financeiro Plurianual e o Instrumento de Recuperação da União Europeia surgem como respostas-chave para contrariar a criar e dinamizar a recuperação da economia e do emprego.

Em anexo, o comunicado de imprensa e a 4ª edição do Caderno de Notas “A crise económica da COVID-19: Factos e perspetivas, Desafios e Respostas"

Para mais informações, faça download dos documentos: 

Nota à Edição

Sobre a EY
A EY é líder global em auditoria, assessoria fiscal, assessoria de transações e assessoria de gestão. Os insights e serviços de qualidade que prestamos ajudam a credibilizar e a construir confiança nos mercados de capitais e em economias de todo o mundo. Desenvolvemos líderes e equipas que trabalham para cumprir as expectativas dos nossos stakeholders. Assim, temos um papel importante na construção de um melhor mundo de negócios para os nossos colaboradores, os nossos clientes e as comunidades em que nos inserimos.
EY refere-se à organização global de firmas relacionadas com a Ernst & Young Global Limited, cada uma das quais é uma entidade legal separada. A Ernst & Young Global Limited, baseada no Reino Unido, não presta serviços a clientes. Para mais informações sobre nossa organização, visite www.ey.com

Sobre a EY-Parthenon

A EY-Parthenon é líder global em consultoria estratégica.
As equipas da EY-Parthenon aplicam uma abordagem pragmática, mas não convencional, que se conjuga com o conhecimento dos clientes para definir estratégias acionáveis, com impacto real num mundo de negócios complexo, em que a inovação é essencial para o crescimento sustentado. As competências das nossas equipas conjugam conhecimento especializado com a capacidade de entrega, apoiando a otimização de portfólios de negócio, identificando insights relevantes para a tomada de decisões de investimento e contribuindo para a execução de estratégias de crescimento, incluindo na vertente de aquisições.