6 minutos de leitura 18 mar 2019
Mulher a saltar postes num ancoradouro

Seis formas de os reguladores apoiarem a transição energética

Autores

Serge Colle

EY Global Power & Utilities Leader

Global energy advisor. Connecting clients with EY services, assets and experience.

Paul Micallef

EY Global Digital Grid Leader

Passionate about the future of energy. Outdoors lover. Avid traveller.

6 minutos de leitura 18 mar 2019

Qual a rapidez de transformação do nosso ecossistema de energia se for sustentado por uma regulamentação favorável?

Este artigo faz parte da série Novos modelos de negócios DSO.

O ritmo da transição energética está a acelerar, graças aos avanços tecnológicos, à queda de custos e à crescente necessidade por geração renovável.

Os próximos cinco anos decorrerão provavelmente a uma velocidade maior. Os operadores de sistemas de distribuição (DSO) estão na sua própria jornada de transformação para investir e adquirir as aptidões necessárias para operarem a transição energética. Mas não é fácil.

A procura de eletricidade disparará à medida que prosseguimos com a descarbonização. A eletrificação do transporte, edifícios e indústria adicionará cerca de 2,1% de carga adicional a cada ano. Em percentagem do mix de geração da UE, a energia eólica e a energia solar offshore e onshore aumentará significativamente. Os avanços tecnológicos, melhores recursos de armazenamento e implementações mais extensas da infraestrutura de carregamento farão com que os veículos elétricos nas estradas da Europa subam de 500 mil em 2015, para 10 milhões em 2023 e 30 milhões em 2030. A maior parte dessa capacidade de geração e nova carga será conectada ao nível da distribuição, exigindo investimentos substanciais para reforçar e fortalecer a rede.

Além disso, a regulamentação necessária para apoiar e sustentar a transição energética tem de ser atualizada. Os reguladores devem:


  • Reconhecer a aceleração e coincidência de múltiplos agentes de mudança 
  • Reconhecer o papel que os DSO desempenharão ao permitir a transição energética e manter a eletricidade fluindo pelas redes com o melhor custo para os utilizadores
  • Incentivar investimentos, inovação e pesquisa e desenvolvimento
  • Definir tarifas que permitam uma recuperação justa dos custos de manutenção e investimento da rede, com base no uso por diferentes grupos de consumidores

  • Se a regulamentação e a política não tiverem capacidade de se adaptar, a grande mudança em direção a um sistema energético descentralizado e descarbonizado corre o risco de ser desestabilizada.

    O que é preciso mudar?

    Incentivar o investimento de capital é um desafio neste mundo energético incerto e dinâmico. Garante uma estrutura reguladora de suporte que oferece retornos justos e estáveis aos investidores, conquanto as condições nacionais assim o permitam.

    Os DSO estão a trabalhar arduamente para otimizarem as redes e continuarem a fornecer energia de qualidade com fiabilidade e com o menor custo para os utilizadores. A regulamentação deve permitir que, com recompensas financeiras se incentive a inovação – investimentos em infraestrutura ou novas tecnologias, por exemplo. Por fim, a estrutura deve ser projetada para manter a transição energética no caminho certo.

    Gráfico de mudanças nas regulamentações
    Fonte: EY

    Setenta e cinco por cento dos líderes em matéria de redes afirma que a regulamentação não está a ser suficientemente rápida.1

    A estrutura regulatória também deve reconhecer a mudança no uso da rede e permitir maior participação da crescente comunidade de energia. Quer se trate de prosumers, comercializadores ponto a ponto, agregadores ou prestadores de serviços de flexibilidade, deve haver margem para fazer dinheiro com a geração, negociação ou facilitação do intercâmbio de energia, bem como mecanismos de incentivo.

    Necessidade urgente de uma estrutura regulatória flexível

    Apesar de não ser quem decide o setor pode influenciar contudo a direção e progresso da regulamentação. O desafio é que essa transição seja maior do que qualquer experiência anterior no setor de energia.

    O pacote de energia limpa da UE inclui promessas ambiciosas em energia renovável, eficiência e desempenho. Outras reformas – não ratificadas, mas que estão a ser ativamente adotadas pelo órgão da indústria Eurelectric – reconhecem o papel dos DSO no estabelecimento de prioridades em matéria de fontes renováveis, capacitando clientes, possibilitando uma melhor gestão dos fluxos de energia e colaborando com os operadores de sistemas de transmissão (TSO) para garantir o fornecimento.

    A indústria acredita é possível fazer muito mais, com os DSO inquiridos no estudo da EY 2018 a apontarem áreas onde é necessária uma direção regulatória clara para:


  • Definir a função atual e em evolução dos DSO, alinhada com os TSO, e o âmbito de aproveitamento desta flexibilidade
  • Garantir que os clientes não sejam prejudicados financeiramente
  • Permitir retornos justos aos investidores, focando-se menos no curto prazo e mais no futuro
  • Dê flexibilidade aos DSO, com metas em vez de restrições específicas de políticas e despesas
  • Reconhecer os retornos a longo prazo em termos de gastos com inovação e digitalização e a "melhoria" geral das redes de energia
  • Determine a afetação ideal de riscos, especialmente para investimentos em tecnologia emergente com vida útil curta 
  • Crie condições equitativas para todos os participantes do mercado, não dando prioridade a um modelo de negócios específico, mas garantindo que as tarifas sejam projetadas para que todos os utilizadores contribuam de forma justa para os custos de rede e de política
  • Permita que os intermediários atuem em nome de clientes que possam ter dificuldades ou estejam relutantes em se adaptarem a um ecossistema de energia inteligente e baseado no mercado

  • As prioridades são claras, mas será que os reguladores vão ser suficientemente ágeis?

    Se a regulamentação e a política não se adaptarem e permitirem a transição energética, isso ainda ocorrerá, mas não com a rapidez necessária.

    Os participantes da indústria foram questionados sobre o que pretendiam dos responsáveis pelas políticas nesta área. Surgiram seis prioridades:

    1. Reconhecimento do papel dos DSO e do suporte da estrutura reguladora. Incluindo incentivos para implementar iniciativas de apoio à transformação dos DSO e que possibilitem a transição energética.

    2. Recompense a inovação com maiores incentivos. Fornecer maiores incentivos para compensar o risco de inovação e os incentivos aplicáveis ao CAPEX e OPEX, passagem a mudança de um para o outro. E onde os retornos levam décadas para se materializar, estabilidade regulatória e uma estrutura de investimento previsível para ajudar na fase de inovação.

    3. Repensar a conceção de tarifas. Garantir aos consumidores que possam gerir a sua própria eletricidade, mas usando a rede, contribuindo assim para o custo de modernização da rede e encargos de digitalização.

    4. Implementação oportuna do pacote de energia limpa. Facilitar a geração distribuída e serviços de flexibilidade em nível local e, por sua vez, permitir aquisições competitivas e gestão de congestionamentos – levando a maior eficiência no sistema de distribuição.

    5. Remova as barreiras ao desenvolvimento de baterias. Permitir maior propriedade pública e permitindo que os DSO operem instalações de armazenamento em escala de rede dentro de parâmetros regulamentares claramente definidos.

    6. Intervenção regulamentar sobre padrões de energia e gestão de dados. Proporcionar aos clientes e outros participantes do mercado acesso a informações para se envolverem totalmente no mercado.

    Decisores políticos da UE

    Fonte: EY

    O setor também pretende um alinhamento no que toca a métodos flexíveis de fixação de preços e plataformas de mercado para a aquisição de serviços flexíveis. Os participantes do setor estão em busca de um modelo financeiro abrangente para integrar a remuneração regulada permitida dos serviços de flexibilidade, com a criação de valor ideal para os clientes da rede e os próprios DSO. E isso só pode acontecer com o tipo certo de estrutura regulatória e mecanismos aprimorados de tarifas e estabelecimento de preços.

    Se a regulamentação e as políticas não se adaptarem por forma a permitirem a transição energética, a mesma pode ocorrer, mas não com a rapidez necessária. 

    Uma resposta regulatória lenta pode risco de desestabilizar a transição energética

    Os avanços tecnológicos estão a acelerar novas formas de gerar, avaliar e comercializar energia. Mas é necessário um maior diálogo entre a comissão, os reguladores, os DSO e os ORT para conduzir as mudanças que reformularão o cenário regulatório.

    Uma política reguladora clara, mas em evolução, definirá o novo e mais amplo papel de DSO em relação ao TSO e a outras comunidades envolvidas na geração, distribuição e venda de eletricidade. E oferecerá garantias quanto aos incentivos e retornos resultantes da viabilização do futuro das redes de energia.

    Até então, a transição energética continua, à espera que a regulamentação se atualize.

    DSO como catalisadores da mudança

    O estudo da EY baseia-se em entrevistas com os principais executivos de energia de nível C, nas experiências dos chefes de operações, na inovação, na regulamentação e na estratégia de rede e nas opiniões pesquisadas de 117 profissionais de energia.

    Leia o relatório completo aqui

    Resumo

    O ritmo da transição energética está a ganhar força à medida que avançamos para um ecossistema descentralizado, distribuído e cada vez mais descarbonizado. Os próximos cinco anos, impulsionados pelos avanços da tecnologia, consumidores capacitados e forças competitivas, verão desenvolvimentos críticos que definirão o nosso futuro energético. Mas estará a regulamentação a travar a transição energética? O progresso seria mais rápido se uma estrutura regulatória robusta fornecesse uma direção clara nesta jornada?

    Sobre este artigo

    Autores

    Serge Colle

    EY Global Power & Utilities Leader

    Global energy advisor. Connecting clients with EY services, assets and experience.

    Paul Micallef

    EY Global Digital Grid Leader

    Passionate about the future of energy. Outdoors lover. Avid traveller.