9 minutos de leitura 24 mai 2018
woman paying farmer credit card

Como o propósito pode transformar potencial em desempenho

por

EY Angola

Firma de serviços profissionais multidisciplinares

9 minutos de leitura 24 mai 2018
Related topics O nosso propósito

Com foco na inclusão financeira, a Mastercard está a levar os benefícios de uma economia em crescimento a todos os cantos da sociedade.

Os negócios sempre se focaram no crescimento. Mas muitos líderes empresariais perceberam que, no atual mundo disruptivo, crescer só por crescer já não é justificável. Estamos a assistir a um número crescente de empresas globais focadas em garantir que os benefícios do crescimento não são apenas para os acionistas, mas que tanto clientes, como funcionários, a sociedade e o ambiente sejam também beneficiados.

Quando mais de 80% das transações mundiais ainda são efetuadas em dinheiro, a Mastercard, uma empresa líder em tecnologia no setor de pagamentos global, viu uma oportunidade na expansão dos seus negócios ao apoiar um crescimento económico sustentável e equitativo. O seu objetivo é promover a inclusão financeira em todo o mundo, com um foco especial no desenvolvimento de parcerias que trarão mais das 1,7 mil milhões de pessoas não bancarizadas para a economia formal.Essa ambição levou a Mastercard a perguntar:

Quanto melhor a questão: e se o sistema bancário incluísse os excluídos?

Quanto melhor a resposta: um mundo para lá do dinheiro físico

O propósito Mastercard centra-se numa visão de um mundo para lá do dinheiro para cada ser humano no planeta. Shamina Singh, presidente do Center for Inclusive Growth da Mastercard, um centro filantrópico dedicado a alcançar um crescimento económico justo e duradouro para todos os segmentos das sociedades, mostra o porquê de essa transição ser tão importante. “Negociar numa economia de dinheiro físico significa que ter permissão, ou capacidade, de poupar ou fazer transações com segurança”, diz Singh. Isto significa que “não tem a independência económica necessária para crescer”, seja uma conta poupança pessoal ou de uma pequena empresa.

O dinheiro também tem enormes custos em recursos necessários para o imprimir, o armazenar e o transportar, além da dificuldade que isso gera na tributação da economia paralela. Mas há um desafio ainda mais urgente do que a logística: como o dinheiro é difícil de seguir, facilita o crime associado à economia informal.

Incentivar as pessoas a afastarem-se do dinheiro e pagarem eletrónica ou digitalmente leva-os à economia formal. Ajuda a deslocá-los da pobreza para a prosperidade, potenciando-lhes qualidade de vida e sustentar a sua família. Atualmente, a Mastercard trabalha com governos, ONGs e outras empresas em todo o mundo para alavancar a tecnologia que pode levar serviços bancários aos não-bancarizados e a ligar cada vez mais pessoas às redes vitais que impulsionam a economia moderna. A empresa comprometeu-se a trazer 500 milhões de pessoas para a economia formal até 2020.

Para atingir essa meta ambiciosa, não é suficiente fornecer acesso a serviços financeiros. Tão crítico é estimular o seu uso. É por isso que a Mastercard adicionou à meta de 500 milhões de consumidores o compromisso de alcançar 40 milhões de micro e pequenos comerciantes em todo o mundo, para impulsionar o uso em locais onde os consumidores recém-incluídos têm uma maior probabilidade de comprar. É apenas quando as pessoas realmente usam serviços financeiros que começam a ver os seus benefícios. Na Mastercard, Sami Lahoud lidera uma equipa focada em aumentar a utilização de pagamentos digitais. Como Lahoud nos disse: “Se recebe [os excluídos e não remunerados] através de pagamentos eletrónicos no mundo da inclusão, dá-lhes os meios de que eles precisam para crescer.”

Isto é particularmente importante nos mercados emergentes, onde um grande número de pessoas está envolvido na agricultura ou no setor informal. A agricultura é extremamente descentralizada em muitos destes mercados. A falta de eficiência na informação e no processo de pagamento impede que os agricultores obtenham o melhor valor para os seus produtos. Isso significa dias mais longos de trabalho passados ao sol, menos oportunidades para expandirem os seus negócios e menos tempo com a família e amigos.

É aqui que entra o "santo graal" da tecnologia digital. A Mastercard desenvolveu uma plataforma móvel chamada 2KUZE (suaíli para "vamos crescer juntos"), que visa trazer os benefícios e a segurança do comércio móvel aos agricultores em todo o continente africano. A plataforma permite que os agricultores negociem quantidades, preços e pagamentos e organizem a distribuição das suas colheitas. Por fim, isto significa acesso financeiro aprimorado, melhor eficiência operacional e pagamentos mais rápidos. Significa ainda que os agricultores podem obter acesso a financiamento de pequenas empresas – algo que pode ser revolucionário para os pequenos agricultores.

A inclusão financeira é mais do que apenas o acesso a bancos e crédito – é também sobre segurança e, na essência, dignidade humana. Nina Nieuwoudt, que liderou o desenvolvimento global de produtos da Mastercard para o setor público e soluções humanitárias, sabe o quão impactante este apoio pode ter para os necessitados. "O simples facto das pessoas terem um cartão fazia com que se sentissem como se fossem alguém", diz ela. “Então vamos além do impacto financeiro para elas. É também sobre dignidade e respeito para com outra vida humana.”

Como parte destes esforços para construir resiliência e prosperidade a longo prazo e crescimento inclusivo, a Mastercard tem trabalhado de perto com o Mercy Corps, uma organização humanitária global, desde 2012 para enfrentar alguns dos desafios mais preocupantes do mundo. Este trabalho em conjunto é um exemplo clássico de organizações que alinham os seus principais pontos fortes de uma forma poderosa: A Mastercard aproveita as suas principais capacidades, tais como produtos tecnológicos inovadores e sistemas de pagamento, que a Mercy Corps incorpora na sua base de programação global. Estes esforços vão desde o apoio aos refugiados na Grécia até ao fornecimento de cartões pré-pagos aos porto-riquenhos após a passagem do furacão Maria.

Melhor trabalha o mundo: inclusão financeira através de pagamentos digitais  

Num momento de enorme incerteza global, com 65 milhões de pessoas deslocadas involuntariamente em todo o mundo, a Mastercard acredita firmemente que o acesso a pagamentos digitais pode ajudar a criar segurança financeira. Esta segurança oferece uma sensação de estabilidade e oportunidade.

Singh viu como é que os pagamentos digitais podem transformar a vida de algumas das pessoas mais vulneráveis do mundo. Tomemos, por exemplo, uma mulher num campo de refugiados que esteja a receber auxílio em forma de dinheiro e precisa percorrer 800 metros para recebê-lo. "Você apenas pode imaginar o que ela está a enfrentar quando regressa", diz Singh. “Se esta mulher receber ajuda por meio digital e puder fazer transações num supermercado como toda a gente, com a dignidade de escolha, toda a sua vida será diferente.”

A Mastercard é apenas uma das muitas empresas para quem a criação de valor comercial e a melhoria da sociedade andam de mãos dadas. Na nossa pesquisa, a EY Beacon Institute constatou que as empresas que utilizam os seus pontos fortes existentes para ganharem dinheiro e tornarem o mundo um lugar melhor estão mais bem preparadas para enfrentar os desafios do século XXI. No ano passado, quando entrevistados cerca de 1.500 líderes empresariais de todo o mundo, 73% disseram que ao ter um propósito bem integrado isso os ajuda a orientarem-se no atual ambiente disruptivo.

Embora muitas pessoas ainda assumam um compromisso entre lucro e propósito, a Mastercard não se escusa à ideia de que os seus esforços para criar inclusão financeira estão firmemente enraizados na sua realidade empresarial. Como observa Singh, o foco intencional da Mastercard não é um produto da filantropia ou da responsabilidade social corporativa tradicional. O seu objetivo está no centro do seu modelo de negócios. “A nossa vantagem competitiva é garantir que não só ligamos as pessoas através da inclusão financeira, mas que também criamos um crescimento inclusivo, para que cada vez mais pessoas possam envolver-se na economia formal”, diz Singh. "Isto tanto é uma proposta de negócios, como uma proposta de impacto social."

Nieuwoudt é o primeiro a reconhecer que perturbar o status quo requer persistência. "Não acho que esta jornada tenha sido fácil" diz, refletindo sobre a luta da Mastercard por uma inclusão financeira. “Existem muitos pessimistas por aí, e muitas vezes há um momento constrangedor em que as pessoas dizem: 'Ah, então ganha dinheiro com isto?'” E acrescenta: “Eu nunca sinto necessidade de não responder a esta pergunta. Estou a construir um modelo de negócios sustentável. É isso que estou a fazer."

Resumo

Ter um propósito claro ajuda a Mastercard a identificar novas oportunidades de negócios e a impulsionar a inclusão financeira.

Sobre este artigo

por

EY Angola

Firma de serviços profissionais multidisciplinares

Tópicos relacionados O nosso propósito