5 minutos de leitura 2 abr 2019
Engenheira eletrónica a trabalhar numa oficina com tablet digital

Porque precisamos de resolver a questão do preconceito de género antes que a IA a piore

por

Julie Linn Teigland

EY EMEIA Area Managing Partner and EY Global Leader – Women. Fast forward

Passionate about the transformational power of digitalization and innovation and its potential to deliver sustainable, inclusive growth for clients. Prominent voice of the Women20 global agenda.

5 minutos de leitura 2 abr 2019
Tópicos Relacionados Diversidade e Inclusão

As organizações precisam de prestar maior atenção à diversidade das equipas que desenvolvem as soluções de IA. Isto irá ajudar a evitar o preconceito de género e a maximizar o potencial da IA de transformar o local de trabalho.

De acordo com o World Economic Forum’s latest Global Gender Gap Report, apenas 22% dos profissionais de Inteligência Artificial (AI) são do sexo feminino em comparação com 78% que são do sexo masculino. Esta descoberta é alarmante por si só, mas é ainda mais alarmante à luz do ritmo acelerado da mudança tecnológica a que estamos a assistir hoje em dia. 

Na EY, acreditamos que a transformação digital existe para desbloquear o potencial humano, e as novas tecnologias tais como a inteligência artificial, blockchain e a robótica devem desempenhar um papel crítico na Era da Transformação para ajudar a construir confiança e acelerar a inclusão de mulheres e minorias na força de trabalho.

O crescimento da Inteligência Artificial

A IA deve intervir em todas as áreas das nossas vidas nos próximos três a cinco anos, desde o serviço ao cliente , consultoria financeira, recrutamento e até diagnóstico médico.

Serviço ao Cliente

95%

de todas as interações com os clientes serão impulsionadas pela IA até 2025, com os consumidores incapazes de diferenciar robôs de trabalhadores, em chats on-line e por telefone (Servion).

Vendas

30%

de todas as empresas B2B (B2B) investirão em IA para aumentar pelo menos um dos seus principais processos de vendas até 2020 (Gartner, 2016).

Data e analytics

88%

das empresas europeias estão a caminho de utilizar a IA para análises de clientes e negócios até 2020 (Adobe 2018).

Sem dúvida, a ascensão da IA irá melhorar as nossas vidas em muitos aspetos, mas também apresenta sérios riscos. A IA baseia-se em algoritmos que aprendem com dados do mundo real para que, inadvertidamente, reforce os preconceitos sociais existentes. O Gartner prevê que, até 2022, 85% dos projetos de IA irão fornecer resultados errados devido à predisposição dos dados, algoritmos ou às equipas responsáveis pela sua gestão.

A questão não é IA, mas a forma como as pessoas a constroem. Existe um risco muito grande de que, em vez de resolver o problema de preconceito de género, a IA exacerba-o ainda mais. Hoje vemos anúncios segmentados em que algoritmos estão a perpetuar uma diferença salarial, segmentando anúncios de empregos com salários mais altos para homens. Enquanto isto, os assistentes virtuais – subalternos e não remunerados – tendem a ser retratados por mulheres e muitas mais mulheres que homens perdem empregos para a automação.

Três formas de impedir que a IA agrave a diferença entre géneros

A AI é suscetível de aumentar, em vez de diminuir, a diferença entre géneros no futuro se não forem tomadas medidas agora. É necessário uma abordagem tripla que englobe a consciencialização, a educação e a inclusão de mulheres em setores específicos.

1. Criar consciencialização e confiança na IA

É necessário aumentar o conhecimento geral e uma compreensão da IA para facilitar uma maior confiança e taxas de adoção mais altas. Ter perspetivas mais amplas sobre os diversos requisitos dos utilizadores e definir os desafios para enfrentar o uso da IA irá ajudar a mudar a perceção que temos da IA. É necessário transferir todas as perspetivas e disciplinas para o design e desenvolvimento da IA. Incluindo aqueles fora das funções científicas e tecnológicas específicas, como filosofia, resolução de problemas, ética, educação e direito.

2. Educar e aprimorar habilidades

As lacunas de género das habilidades de IA podem exacerbar as lacunas de género na participação económica e nas oportunidades no futuro, uma vez que a IA abrange um conjunto de habilidades cada vez mais procuradas. De acordo com uma pesquisa EY recente sobre o futuro do talento na Europa, 41% dos entrevistados destacaram que a promoção da participação das mulheres nos graus de ciência, tecnologia, engenharia e matemática (STEM) é uma das principais iniciativas políticas que provavelmente terão maior impacto no mercado de trabalho. Isto pode ser alcançado não apenas devido a iniciativas atuais para atrair mulheres para os campos de tecnologia e STEM, mas também capacitando-as em empregos existentes a trabalharem com ferramentas e tecnologia de aumento de IA.

3. Representar as mulheres de maneira justa em diferentes setores

É ainda preciso ter cuidado para que a crescente representação das mulheres no mercado de trabalho não se limite apenas a alguns setores tradicionalmente femininos, como organizações sem fins lucrativos, saúde e educação – é necessário definir novos padrões noutros setores. A inclusão de mulheres deve ser garantida em novos campos, incluindo software, engenharia e serviços de TI, além de áreas tradicionalmente dominadas por homens, como finanças e manufatura. As mulheres precisam também de estar equipadas para desempenharem papéis de responsabilidade nos setores públicos. Para garantir que a IA é desenvolvida de forma mais inclusiva possível e que os benefícios são compartilhados de forma igual, independentemente do género, raça, etnia, etc., abordagens top-down, como o estabelecimento de padrões globais, terão que ser trabalhadas com esforços bottom-up.

Corrigir o preconceito de género

Acredito que uma abordagem à inovação que responda às questões de género ajudará a retificar o preconceito embutido atualmente no sistema, enquanto acelera a inclusão das mulheres no mundo do trabalho. No entanto, é preciso pensar em como podemos alavancar melhor a IA, melhorar a posição das mulheres nos campos STEM e assim ter uma representação justa das mesmas em todos os setores.

As mulheres precisam de ser arquitetas e utilizadores finais dos produtos e serviços habilitados para a IA do futuro. Ao mudar a perceção e o papel das mulheres dentro da sociedade, podemos corrigir os bugs digitais que perpetuam o preconceito existente e tornar o ciclo de vida da IA mais confiável. A tecnologia pode fazer muitas coisas fantásticas, mas não pode resolver todos os nossos problemas por nós. Se não tivermos cuidado, esta pode acabar por piorar os nossos problemas – institucionalizando o preconceito e exacerbando a desigualdade. Para evitar que tal aconteça, as organizações precisam de estar cientes do preconceito de género ao desenvolverem e implementarem a IA. 

Os líderes precisam de perguntar a si próprios o seguinte:


  • Quem são os responsáveis por projetar e desenvolver a IA dentro da nossa organização? Vêm de uma variedade diversificada de disciplinas, formações e representam os diversos requisitos dos nossos stakeholders?
  • Como podemos atrair mulheres para empregos em IA? E como podemos capacitar novamente as mulheres na nossa organização a utilizarem e beneficiarem da aplicação da IA?
  • Estamos a desenvolver políticas e estruturas corretas para exigir a igualdade de género nos setores público e privado e num amplo espetro de indústrias?

  • O que é possível na Era da Transformação? Junte-se à EY para discutir esta e todas as questões económicas e sociais prementes enquanto olhamos para a World Economic Forum Annual Meeting 2019 – de 22 a 25 de janeiro. Participe no debate via ey.com/wef utilizando#WEF19 e #BetterWorkingWorld.

    Explore a transformação digital de todos os ângulos

    As perceções da EY sobre transformação digital podem ajudar a desbloquear novos valores e criar a empresa do futuro. 

    Descubra mais

    Resumo

    A IA pode e deve mudar as nossas vidas para melhor, mas isso apenas acontecerá se a aplicação de novas tecnologias para transformar os nossos negócios e a nossa sociedade for impulsionada por um claro objetivo.

    Sobre este artigo

    por

    Julie Linn Teigland

    EY EMEIA Area Managing Partner and EY Global Leader – Women. Fast forward

    Passionate about the transformational power of digitalization and innovation and its potential to deliver sustainable, inclusive growth for clients. Prominent voice of the Women20 global agenda.

    Tópicos relacionados Diversidade e Inclusão