9 Minutos de leitura 21 mar 2022

Visão focada ou imagem ampliada?

9 Minutos de leitura 21 mar 2022
Related topics Assurance Risco Forense

The EY Global Integrity Report 2022 revela como o foco na governança pode ajudar a reimaginar a integridade corporativa. 

Em resumo
  • Mais empresas do que nunca valorizam a integridade corporativa, mas muitos profissionais dizem que a pandemia tornou difícil realizar negócios com integridade.
  • O EY Global Integrity Report 2022 revela uma lacuna crescente entre o que os líderes seniores afirmam ser importante e o que eles estão preparados para fazer para seu ganho individual.
  • As empresas estão adotando novos métodos para relatórios, que melhoram o rigor e a transparência e trazem oportunidades para alavancar análises avançadas para mitigação de riscos.

Integridade corporativa é altamente valorizada entre executivos seniores e colaboradores em todo o mundo. Um recorde de 97% dos entrevistados no EY Global Integrity Report 2022 concordam que integridade é importante. Mais empresas estão investindo em treinamento de integridade e publicaram declarações de valores organizacionais ou códigos de conduta. Respondendo às expectativas da sociedade, as empresas também estão adotando padrões de responsabilidade corporativa e social e medidas ambientais, sociais e de governança (ESG), que demonstram seu compromisso com essas expectativas.

No entanto, o relatório revela que a alta administração geralmente está confiante demais na eficácia de seus programas de integridade corporativa. O relatório expõe uma desconexão entre o que os entrevistados dizem considerar importante e os tipos de conduta fraudulentas que estariam dispostos a ignorar ou se envolver para ganho pessoal. A pesquisa também mostra que a pandemia criou desafios adicionais, com mais da metade dos entrevistados dizendo que os padrões de integridade permaneceram os mesmos ou pioraram nos últimos 18 meses.

A integridade é importante, mas os padrões estão diminuindo

97%

dos entrevistados no EY Global Integrity Report 2022 concordam que a integridade é importante

55%

dos entrevistados dizem que os padrões de integridade permaneceram os mesmos ou pioraram nos últimos 18 meses

"A integridade é um conceito difícil de definir, pois as empresas enfrentam diferentes dilemas éticos. Trata-se de tornar o intangível tangível, de se comprometer com a interdependência dos negócios e da sociedade, incorporando integridade à cultura e aos comportamentos da organização”, diz Katharina Weghmann, sócia de Forensic & Integrity Services, Ernst &Young GmbH. Uma agenda de integridade progressiva vai além da conformidade restritiva (o que a lei impede); conformidade oportunista (o que a lei permite); e evitação de litígios.

O relatório de 2022 mostra que apenas um terço (33%) dos entrevistados afirma que se comportar com padrões éticos é uma característica importante da integridade, enquanto metade (50%) cita o cumprimento de leis, regulamentos e códigos de conduta. E mesmo quando se trata de conformidade, as descobertas do relatório mostram mais disposição entre as fileiras mais seniores da empresa para agir fora das regras.

“Integridade não é um tópico fácil”, diz Jon Feig, EY Americas and EY US-Central Region Leader, Forensic & Integrity Services. “A agenda de integridade repousa sobre a intenção organizacional e o comportamento real. Uma decisão errada pelos motivos certos ainda é uma decisão errada, se falhar nos valores éticos”.

A gerência não deve ter ilusão de que criar uma cultura de integridade é uma solução rápida. Embora as organizações estejam investindo mais em programas de comunicação e treinamento, esses esforços não são suficientes. Enquanto 60% dos membros do conselho dizem que sua organização comunicou sobre a importância de se comportar com integridade com frequência nos últimos 18 meses, apenas 30% dos colaboradores se lembram disso.

“A cultura organizacional é dinâmica e leva muito mais tempo para mudar do que regras e regulamentos”, diz Maryam Hussain, Sócia de Forensic & Integrity Services, Ernst & Young LLP, Reino Unido.

“Muitas vezes, a fraude está focada em uma maçã podre, uma única anomalia sem escrúpulos”, diz Hussain. “Mas os maus atores raramente prosperam em uma cultura de negócios com altos valores de integridade.”

À medida que saímos da pandemia e iniciamos o processo de reconstrução da economia, recalibrando os processos de trabalho em um ambiente operacional digital, os líderes têm a oportunidade de fechar essas lacunas. Os insights do EY Global Integrity Report 2022 revelam como as empresas podem definir e introduzir integridade em sua cultura; criar o ambiente ideal para que a integridade prospere; e inovar e transformar a agenda de integridade para minimizar ameaças externas e proteger o valor a longo prazo.

Muitas vezes, a fraude está focada em uma maçã podre, uma anomalia solitária e sem escrúpulos. “Mas os maus atores raramente prosperam em uma cultura de negócios com altos valores de integridade.”
Maryam Hussain
Sócia, Forensic & Integrity Services, Ernst & Young LLP, United Kingdom
  • Sobre o último relatório

    Entre junho e setembro de 2021, pesquisadores — da agência global de pesquisa de mercado Ipsos MORI — realizaram 4.762 pesquisas no idioma local com membros do conselho, gerentes seniores, gerentes e colaboradores em uma amostra das maiores organizações e órgãos públicos em 54 países e territórios em todo o mundo.

    Veja a metodologia (pdf).

Escada rolante horizontal longa no terminal do aeroporto internacional
(Chapter breaker)
1

Capítulo 1

Preenchendo a lacuna entre intenções e comportamentos

Mensagens corporativas não são suficientes para criar uma cultura de integridade.

O EY Global Integrity Survey 2022 revela que a pandemia tornou mais difícil para as empresas agirem com integridade. Embora os programas de conformidade tenham crescido em escala, os líderes organizacionais parecem ter se tornado mais tolerantes com comportamentos antiéticos, particularmente entre si. O relatório mostra que um número crescente de entrevistados estaria disposto a ignorar a conduta antiética de fornecedores, distribuidores ou outros terceiros; falsificar registros financeiros; ou enganar partes externas, como auditores ou reguladores.

A pesquisa deste ano mostra que os padrões no topo caíram significativamente desde o início da pandemia: mais de 4 em cada 10 (42%) membros do conselho concordam que o comportamento antiético em idosos ou de alto desempenho é tolerado em suas organizações (acima de 34% em 2020), e mais membros do conselho (34%) concordam que é mais fácil ignorar as regras de negócios em sua organização do que em 2020 (25%).

O EY Global Integrity Report 2022 mostra um aumento na conscientização dos riscos, especialmente quando se trabalha com fornecedores e terceiros. A atividade de M&A, atualmente em execução em níveis históricos, também expõe a organização a riscos significativos. Em comparação com dois anos atrás, a conscientização dos riscos cibernéticos aumentou de 20% para 27%; os erros contábeis subiram de 17% para 25%; e os relacionamentos de alto risco ocultos subiram de 17% para 24%.

Olhando para a árvore em um túnel subterrâneo no fort canning park, Cingapura
(Chapter breaker)
2

Capítulo 2

Criando o ambiente de integridade ideal

Os colaboradores devem se sentir capacitados para falar abertamente e protegidos contra retaliações.

A pesquisa deste ano mostra o que pode acontecer quando as organizações simplesmente “marcam as caixas” para criar padrões de integridade sem construir uma cultura mais profunda de integridade. As incompatibilidades entre as percepções da gerência sênior e seus colaboradores podem se desenvolver rapidamente.

Criar um ambiente de integridade ideal é um ambiente de toda a empresa, no qual os valores são compartilhados em todos os níveis de senioridade e função. Há um alto grau de transparência e tolerância zero à transgressão.

O grau em que as empresas oferecem proteção aos denunciantes em suas organizações é uma referência essencial da cultura de integridade. Os colaboradores de todos os níveis precisam ter certeza de que podem denunciar sem medo de consequências negativas, e que as violações trazem consequências. Muitas vezes, os colaboradores acham que os relatórios não desencadeiam mudanças: na verdade, os entrevistados dizem que a razão dominante (38%) para não relatar é a preocupação de que nenhuma ação seria tomada (acima dos 33% em 2020).

“É fundamental confiar entre a gerência e o colaborador que os denunciantes estão protegidos”, diz Feig. “É uma proteção mútua: pedimos que os colaboradores mantenham a empresa segura e, em troca, precisamos protegê-los de quaisquer consequências negativas.” É encorajador ver que as medidas de proteção melhoraram significativamente nos últimos três anos.

Homem pulando na boca de uma caverna em Banda Aceh Indonésia
(Chapter breaker)
3

Capítulo 3

Impulsionando um futuro sustentável

A tecnologia pode desempenhar um papel fundamental na estratégia de conformidade de uma empresa.

Boa governança e transparência são essenciais para a confiança que sustenta os governos, os mercados de capitais e a sociedade.

As reputações corporativas e as carreiras dos CEOs são rapidamente destruídas por divulgações públicas de uma lacuna de “dizer fazer”, e essas reputações serão ainda mais examinadas à medida que as obrigações de rigorosas divulgações sobre o desempenho do ESG de uma empresa entrarem em vigor.

Os líderes podem aproveitar o ímpeto para impulsionar a mudança e energizar a agenda de integridade. As organizações estão aproveitando análises de dados sofisticadas que podem mapear o comportamento humano para identificar possíveis mudanças adversas nas operações diárias de uma unidade de negócios, equipe ou departamento. Estes podem ser os primeiros sinais de alerta para uma cultura inconsistente ou em erosão.

“A tecnologia é a grande jogada no avanço da agenda de integridade”, diz Corey Dunbar, sócio de Forensic & Integrity Services, Ernst & Young LLP, Estados Unidos. "De linhas diretas anônimas à aplicação de reguladores, haverá menos locais para ocultar, pois os dados aumentam a transparência de todas as interações e transações de uma empresa." Ao se concentrar em maneiras orientadas por tecnologia e centradas em dados para medir a cultura de integridade e criar os controles, processos e insights certos, as empresas podem transformar seus programas de conformidade para criar valor à longo prazo.

Cinco ações para acelerar sua agenda de integridade

1. Conheça realmente o seu negócio

As avaliações de risco de fraude e corrupção estão no centro da jornada para proteger sua organização. Além disso, essas avaliações precisam ser levadas a sério, dos cargos de cima para baixo, ser habilitados para dados e executados de forma regular e robusta, com quaisquer lacunas ou pontos fracos expostos.

2. Colocar o ser humano em conformidade

Reconheça que sistemas e processos não cometem fraudes – os humanos cometem. As melhores estruturas de conformidade podem ser violadas se não houver uma cultura de fazer a coisa certa, o que torna a criação de uma cultura de integridade forte tão importante quanto o ambiente de controle.

3. Seja capacitado pelo poder dos seus próprios dados

Trate o crescimento dos volumes de dados como uma oportunidade para ajudar no combate à fraude, não como uma ameaça. Use seus próprios dados para detectar comportamentos irregulares e orientar sua resposta para preveni-lo e investigá-lo. Procure maneiras de coletar dados que apoiem sua jornada ESG e que se alinhem à sua agenda de integridade.

4. Eduque, não treine

Como o relatório destacou, a mensagem de integridade está chegando lentamente, e ainda assim o apetite por negligência está crescendo. Continue a jornada de comunicação e conscientização passando do treinamento para a educação, para que todos entendam o “porquê” e o “o quê” da integridade nos negócios.

5. Fale alto e apoie a denúncia

Dê às pessoas a oportunidade de denunciar suspeitas de irregularidades, de boa fé, e faça com que se sintam seguras, estabelecendo que há proteção contra retaliação.

Resumo

Integridade nos negócios não se trata de conformidade e gerenciamento de riscos: trata-se de proteger a organização, seus ativos e sua reputação. É fundamental para promover a confiança entre acionistas e executivos, empresas e colaboradores, fornecedores e parceiros. O EY Global Integrity Report 2022 soa um sino de advertência para conselhos corporativos, diretores jurídicos e executivos de conformidade para focar em altos padrões éticos em toda a organização e para aproveitar os dados para entregar esses objetivos.

Sobre este artigo

Related topics Assurance Risco Forense