Comunicado de imprensa

25 out 2022

Aderência às práticas de governança corporativa: taxa média cresce, mas gargalos permanecem entre as companhias abertas

Companhias do Novo Mercado seguem liderando a adesão entre os segmentos especiais de listagem, aponta pesquisa “Pratique ou Explique”, organizada pelo IBGC, EY e TozziniFreire Advogados.

Contato de imprensa
EY Brasil

Organização de serviços profissionais multidisciplinares

São Paulo, 25 de outubro de 2022 – A quinta edição do estudo “Pratique ou Explique: Análise Quantitativa dos Informes das Companhias Abertas Brasileiras (2022)” mostrou taxa média de aderência de 62,6% das companhias abertas às 54 práticas recomendadas pelo Código Brasileiro de Governança Corporativa – Companhias Abertas (Código). O índice significou aumento de 3,9 pontos percentuais em relação a 2021. O número vem crescendo, já que, no ano anterior, houve um aumento de 4,4 pontos percentuais, quando a taxa média de aderência das empresas passou de 54,3%, em 2020, para 58,7% em 2021. O trabalho, produzido pelo Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), EY e TozziniFreire Advogados, contou com 423 companhias. Foi a maior amostragem desde o início da pesquisa, em 2018.

“Os resultados evidenciam um avanço na adoção das práticas de governança. Entretanto, também apontam gargalos, como a não adesão das companhias à prática relativa ao plano de sucessão do diretor-presidente aprovado pelo conselho de administração”, comenta Valeria Café, diretora de Vocalização e Influência do IBGC. A evolução da taxa média de aderência, por outro lado, é uma boa notícia para Valeria, "pois indica que, em geral, nossas empresas estão aprimorando seus modelos de governança”.

Dentre os capítulos do código, o destaque foi para as práticas do "Órgãos de Fiscalização e Controle", com elevação de 5,2 pontos percentuais na aderência média de 2021 para 2022 (de 57% para 62,2%). As práticas relativas ao capítulo "Diretoria" seguem, porém, com a maior taxa de aderência média (69,5%).

Práticas recomendadas e com maior percentual de “Não”

A pesquisa identificou que a prática com maior percentual de respostas "Não" é a do plano de sucessão do diretor-presidente aprovado pelo conselho de administração: 57,4% das cias. afirmam não adotar a prática de forma alguma. Em seguida aparece a prática sobre a política de contribuições voluntárias, que deve prever que o conselho de administração seja o órgão responsável pela aprovação de todos os desembolsos relacionados às atividades políticas, com 50,1% de respostas "Não".

Outro gargalo refere-se à prática que aborda a implementação de um processo anual de avaliação de desempenho do conselho de administração e seus comitês. A questão figura, de maneira recorrente, entre as cinco com maior percentual de respostas “Não”, com 35,7%.

“A oportunidade de estudarmos uma série história com cinco edições nos permite enxergar algumas tendências e alguns desafios das companhias abertas brasileiras.  Temos observado um movimento crescente e louvável das chamadas boas práticas de governança nessas organizações, mas as oportunidades de melhoria ainda existem e precisam ser enfrentadas pelas lideranças, ainda mais neste momento de pós-pandemia e retomada da economia. O mercado de capitais brasileiro precisa de companhias abertas com sistemas de governança formal e materialmente confiáveis, proporcionando um ambiente de negócios cada vez mais saudável”, diz André Antunes Soares de Camargo, sócio de TozziniFreire Advogados, na área Corporate, com foco em governança corporativa e M&A.

Companhias do Novo Mercado lideram

As companhias do Novo Mercado permaneceram na liderança entre os segmentos especiais de listagem, com 74,3% de aderência média (elevação de 6,4 pontos percentuais ante 2021), seguidas das organizações do nível 1 (70,1%) e Nível 2 (65,5%). As do segmento básico apresentam taxa de aderência média inferior a 50% (48%).

No entanto, é preciso ressaltar que há grande variabilidade entre companhias de um mesmo segmento. No Novo Mercado, por exemplo, há diferença de quase 70 pontos percentuais entre as companhias de maior e menor aderência (98,1% - 28,6%), o que demanda cautela pelas partes interessadas ao avaliar as empresas exclusivamente pelo segmento de listagem.

No tocante ao tipo de controle acionário, as companhias estatais seguem na dianteira da aderência média, com 76,3% em 2022, contra 61,7% nas empresas privadas e 60,3% nas estrangeiras. As que fazem parte do Ibovespa também se destacam, com aderência média de 79,1% (as demais 336 companhias da amostra, não participantes do índice, apresentaram aderência média de 58,3%).

“Observando apenas os números, percebemos que há um cenário de melhoria entre as empresas, tanto do Novo Mercado quanto dos Níveis 1 e 2, o que é algo muito positivo dentro do trabalho que vem sendo feito para que haja uma aproximação maior daquilo que se espera em nível de excelência em governança corporativa. Ainda assim, é necessário observar que parte importante da evolução advém das companhias do Novo Mercado e pode ter sido potencialmente impactada pelo movimento de adaptação necessária ao novo regulamento. Deve-se avaliar ainda como tem sido feita, na prática, a aderência às práticas apresentadas nesse material. O Informe traz referências e fonte de comparabilidade, que podem ser usadas para um exercício de avaliação de práticas atuais da empresa e definição de um plano de melhoria interna contínua e de geração de valor para os stakeholders”, diz Denise Giffoni, sócia da área de Consultoria em Riscos Corporativos e Governança Corporativa da EY.

Um marco da governança corporativa

Alinhado aos códigos de governança corporativa que são referência no mundo, o  Informe sobre o Código Brasileiro de Governança Corporativa – Companhias Abertas adota a abordagem "Pratique ou Explique” e está previsto na Resolução 80 da CVM. A norma exige que o documento seja entregue anualmente pelas companhias registradas na categoria A. Por meio do informe, as companhias têm a oportunidade de reportar ao mercado se seguem as práticas recomendadas pelo código. Quando sinalizam que adotam parcialmente ou não adotam alguma prática, elas devem explicar o porquê.

Esse é um importante instrumento para administradores e investidores, que podem acompanhar e refletir anualmente sobre as práticas de governança corporativa das companhias. Isso contribui para o amadurecimento do mercado de capitais brasileiro e ajuda a promover os princípios de governança.

Confira a publicação completa aqui

Sobre o IBGC

Fundado em 27 de novembro de 1995, o Instituto Brasileiro de Governança Corporativa (IBGC), organização da sociedade civil, é referência nacional e uma das principais no mundo em governança corporativa. Seu objetivo é gerar e disseminar conhecimento a respeito das melhores práticas em governança corporativa e influenciar os mais diversos agentes em sua adoção, contribuindo para o desempenho sustentável das organizações e, consequentemente, para uma sociedade melhor. Para mais informações, consulte o site.

Sobre a EY

A EY existe para construir um mundo de negócios melhor, ajudando a criar valor no longo prazo para seus clientes, pessoas e sociedade e gerando confiança nos mercados de capitais. Tendo dados e tecnologia como viabilizadores, equipes diversas da EY em mais de 150 países oferecem confiança por meio da garantia da qualidade e contribuem para o crescimento, transformação e operação de seus clientes. Com atuação em assurance, consulting, strategy, tax e transactions, as equipes da EY fazem perguntas melhores a fim de encontrarem novas respostas para as questões complexas do mundo atual. 

A EY tem também uma meta ambiciosa de impactar positivamente 1 bilhão de pessoas até 2030, através do seu programa de responsabilidade corporativa, EY Ripples, plataforma que permite que os colaboradores se envolvam em iniciativas comunitárias e sociais mais amplas. Para saber mais como a EY tem gerado valor no longo prazo para seus stakeholders, acesse o nosso relatório EY Value Realized, relatório integrado que apresenta nossos resultados nos pilares do ESG de acordo com as métricas do World Economic Forum – International Business Council Stakeholders Capitalism Metrics.

EY se refere à organização global e pode significar uma ou mais associadas da Ernst & Young Global Limited, cada uma delas uma pessoa jurídica independente. A Ernst & Young Global Limited, companhia britânica limitada por garantia, não presta serviços a clientes. Informações sobre como a EY coleta e utiliza dados pessoais, bem como uma descrição dos direitos individuais de acordo com a legislação de proteção de dados, estão disponíveis neste link. As afiliadas da EY não exercem o direito se essa prática for proibida pelas leis locais. Para mais informações sobre a nossa organização, visite nosso site.


Sobre TozziniFreire Advogados:

O desenvolvimento de soluções jurídicas seguras e inovadoras, com o compromisso e a determinação de entregar resultados, é a forma de trabalho de TozziniFreire Advogados. Está no DNA do escritório contribuir significativamente para a estratégia de negócio dos clientes em ambientes cada vez mais complexos, oferecendo uma visão abrangente e antecipando questões empresariais que se refletem no Direito.

TozziniFreire é um escritório full-service, com atuação em 55 áreas do Direito Empresarial, que oferece uma estrutura diferenciada com 25 grupos setoriais e quatro desks internacionais formados por advogados considerados experts pelo mercado e pelos principais guias nacionais e internacionais.

Desde sua fundação, em 1976, TozziniFreire tem desempenhado um papel central em muitas das transações mais significativas do mercado brasileiro, contribuindo para o crescimento da economia local e tornando-se um dos maiores e mais respeitados escritórios de advocacia do Brasil.

Como missão, atuamos para prover, com integridade e inovação, as melhores soluções jurídicas aos nossos clientes e contribuir para o aprimoramento da sociedade brasileira com diversidade, inclusão, responsabilidade social e por meio de uma advocacia de impacto social. 

Para saber mais sobre a organização, acesse http://www.tozzinifreire.com.br