9 Minutos de leitura 24 fev 2020
Equipe de negócios com gráficos e gráficos de reuniões interativas na tela

COVID-19: como construir cadeias de suprimento resilientes à disrupção

Por

EY Brasil

Organização de serviços profissionais multidisciplinares

9 Minutos de leitura 24 fev 2020
Related topics Consultoria Supply Chain

Mostrar recursos

Falta de pessoal, restrições nas rotas de entrega, mudanças nos padrões de compra - como você se planeja uma disrupção imediata?

Com março de 2020 se aproximando, a China e o resto do mundo continuam sendo afetados pelo surto de COVID-19 (o novo coronavírus). O número de mortes até esse momento já ultrapassou a marca dos mil indivíduos, com muitas outras pessoas sendo atendidas e se recuperando com o auxílio de profissionais de saúde dedicados, que trabalham incansavelmente 24 horas por dia. Milhões estão sendo isolados regionalmente e globalmente devido a orientações cautelosas e restrições de viagem. As rotas globais de todas as formas de transporte estão temporariamente interrompidas, tanto para as empresas, como para os trabalhadores que usaram essas rotas diariamente.

Um surto pandêmico desta magnitude pegou empresas e indústrias inteiras desprevenidas, com uma onda de efeitos colaterais que foram sentidos até mesmo em suas cadeias de fornecimento e negócios. Do ponto de vista do consumidor, muitas empresas imediatamente não têm um sinal claro da demanda, uma vez que o surto mudou completamente os comportamentos e padrões de compra. Em diversas indústrias, a procura caiu substancialmente ou passou para os canais online.

Devido aos riscos à saúde e ao deslocamento pessoal, diversos fabricantes estão enfrentando desafios junto ao seu staff para manter a capacidade operacional normal, uma vez que desafios trabalhistas surgem após um período de paralisação temporária das fábricas. Muitas empresas têm mudanças em seus centros logísticos e rotas de entrega devido à restrição e fechamento de locais. Estes impactos têm sido sentidos pelas empresas, desde pequenos fornecedores de terceira linha até conglomerados de bilhões de dólares, com a probabilidade de muitos deles não se recuperarem nos próximos anos.

Esse artigo tem dois objetivos:

  • Servir como ponto de reflexão para os executivos que estão no processo de recuperação e dividir insights para apoiar uma jornada de recuperação acelerada.
  • Um apelo para que as empresas que não estão atualmente preparadas para suportar um evento imprevisível importante, como o atual surto de coronavírus, tomem medidas para construir uma cadeia de suprimento resiliente em preparação para futuros acontecimentos disruptivos.
Empresários em pé de fábrica discutindo a melhoria do produto
(Chapter breaker)
1

Capítulo 1

Impacto nas cadeia de suprimentos

Casos e percepções sobre aqueles que foram mais afetados pelas circunstâncias atuais.

A pandemia do COVID-19 atingiu diversas indústrias, mas não todas com o mesmo nível de dano. Indústrias como a automóvel, viagens, bens de consumo e eletrônica têm sido profundamente afetadas. Abaixo estão alguns exemplos.

Um fabricante de automóveis líder de mercado precisou fechar sete de suas fábricas na Coreia devido à incapacidade de seus fornecedores qualificados entregarem componentes para produzir chicotes automotivos para seus veículos. Esses fornecedores estão localizados na província de Hubei, onde o governo implementou um bloqueio completo e total durante o surto. O impacto imediato desta decisão afetou 40% da produção total deste fabricante global de automóveis, levando a pausa no lançamento de um novo modelo.

Enquanto este fabricante de automóveis atualmente procura fornecedores alternativos para estes componentes críticos, o tempo de espera pode não ser tão rápido. A qualificação do fornecedor para cumprir os requisitos de gestão de qualidade ISO/TS 16949 pode impedir a reabertura destas fábricas na Coréia a curto prazo.  Ter vários subfornecedores qualificados e fontes alternativas em locais diversificados não teria eliminado todos os riscos, mas teria permitido que alguma capacidade das fábricas fosse utilizada.

Os profissionais de compras devem avaliar estratégias que equilibram custo e risco, desde o planejamento do novo modelo / plataforma do produto até as operações diárias de compras, aproveitando a tecnologia para oferecer suporte e respostas rápidas.

Nos últimos cinco anos, uma empresa líder mundial no mercado de vestuário esportivo, tem abraçado o desenvolvimento online omnichannel. Ele criou com sucesso um novo canal de vendas online (responsável mais de 25% de vendas diretas) a partir do seu modelo tradicional de negócios offline. No entanto, os eventos atuais e as mudanças no comportamento dos consumidores impactaram significativamente o seu negócio offline, com mais de 50% das lojas físicas fechando. A empresa de vestuário planeja impulsionar seus negócios online com o suporte de uma colaboração interna ágil para eventos de marketing ad-hoc e permitir uma conexão contínua entre o inventário online e offline para mitigar a perda do seu negócio offline. Além disso, o foco em uma estratégia logística, que inclui a diversificação da sua rede logística e novas parcerias, ajudou a empresa a enfrentar esta crise.

A indústria aérea foi uma das mais atingidas durante esta crise. A China representa o maior mercado internacional de saída e o segundo maior mercado global de aviação do mundo. Com restrições de viagem em vigor, a indústria aérea chinesa é vista pelos analistas do setor tendo perdas significativas em relação aos números históricos. Juntamente com as companhias aéreas que lutam para se adaptar à situação, os fornecedores de combustível de avião também estão sentindo o impacto. Os preços do combustível para jatos asiáticos caíram, e os lucros das refinarias caíram para seus níveis mais baixos nos últimos 2 anos e meio por causa das preocupações de que o coronavírus irá prejudicar a demanda. As companhias petrolíferas estão revendo suas opções para executar cortes de produção de emergência. Este exemplo destaca a importância de ter uma capacidade de balanceamento entre a oferta e a procura que seja robusta e ágil.

No planejamento da cadeia de valor, a demanda tradicional da procura se baseia em técnicas de séries cronológicas que criam uma previsão baseada no histórico de vendas anteriores. No entanto, as vendas passadas podem ser um mau mensurador de vendas futuras, considerando eventos do mundo real, como mudanças imprevisíveis de mercado, mudanças climáticas ou desastres naturais. Uma das principais empresas globais de bebidas adotou a Internet das coisas (IoT) e a tecnologia de reconhecimento visual para entender melhor a demanda em refrigeradores instalados em lojas de conveniência, restaurantes e supermercados. Com essas tecnologias instaladas, a empresa pode aumentar a visibilidade do inventário, e responder melhor a um evento como o surto de coronavírus, mesmo que os distribuidores não possam fornecer previsões do estado atual.

Um fabricante global de equipamentos eletrônicos de consumo (OEM) está se preparando para uma mudança prolongada na produção, uma vez que os governos locais prolongaram o fechamento de fábricas para além da data estipulada originalmente, de 10 de Fevereiro. A presença das fabricas da empresa na China é forte, com uma força de trabalho composta de trabalhadores locais e migrantes. Quando as fábricas reabrirem, a empresa não espera que uma força de trabalho completa volte ao trabalho.

Para os fabricantes, a falta de mão-de-obra e o reabastecimento servem como pontos focais para as operações de gerenciamento, à medida que as fábricas aumentam a produção após mudanças temporárias. As restrições de viagem e o impacto do coronavírus na saúde levaram à redução do número de trabalhadores disponíveis para retornar ao trabalho.

A ênfase na eficiência da produção, forte rendimento e alta qualidade é ainda mais importante agora, já que muitas empresas reduziram sua capacidade de produção devido as limitações de pessoal. Mesmo após a reabertura das fábricas, a maioria delas ainda está lutando para atingir 50% da capacidade anterior. O foco na gestão da disponibilidade de peças de reposição será crítico, pois é provável que as empresas renunciem às estratégias de manutenção por mais tempo de produção para responder a demanda. Uma dano associado à indisponibilidade de peças de substituição pode causar um impacto semelhante ao de um fechamento total de uma fábrica. Os programas de EHS das empresas também terão que ser reavaliados em relação à eficácia contra uma disrupção, como um surto pandêmico.

Contentores marítimos em uma doca
(Chapter breaker)
2

Capítulo 2

Construindo uma cadeia de suprimentos resiliente

É necessário um bom equilíbrio entre os esforços atuais do estado e uma base de longo prazo para a resiliência.

Sem dúvida, as empresas têm uma tarefa árdua à frente para se recuperarem deste surto viral. No entanto, é necessário que haja uma discussão substancial sobre como evitar que a próxima onda disruptiva imprevisível tenha o mesmo impacto.

Com base no desenrolar desta pandemia, juntamente com os aprendizados de outros casos de disrupção, segue abaixo alguns dos pilares fundamentais para ajudar as empresas a construir uma cadeia de suprimentos resiliente:

1. Conduzir avaliações de risco de ponta a ponta da cadeia de suprimento e priorizar áreas de foco críticas

A curto prazo, a capacidade de resposta e a rapidez são tudo. Envolva proativamente os parceiros de ecossistemas da cadeia de suprimento, como fornecedores e prestadores de serviços logísticos (LSP), para realizar um exame de riscos:

  1. Identificar - alterar a procura e os níveis de inventário para localizar lacunas críticas na oferta, capacidade de produção, armazenamento e transporte
  2. Definir - objetivos comuns e uma estratégia de resiliência acionável a curto prazo e orientada para os resultados, com atividades para a disrupção do ecossistema da cadeia de suprimento, com o objetivo de alavancar de maneira eficaz e eficiente as redes adicionais entre as várias redes de fornecedores, produção e distribuição.
  3. Estender - Empresas líderes constroem planos de ação baseados em análises de cenários para limitar o impacto de desastres. Um painel de controle baseado em fatos, incluindo KPIs chave alinhados ajudam a criar visibilidade de toda a empresa e do ecossistema. Isto pode ajudar uma empresa a redefinir dinamicamente as prioridades dos seus planos conforme necessário.

2. Desenvolver um processo robusto de gestão de risco e diversificar a rede de fornecedores

As empresas devem mapear as redes da cadeia de suprimento desde os consumidores finais até aos fornecedores da camada N. Para cada canal na cadeia de suprimento, armazém, fábrica, fornecedor ou modo de transporte, as empresas devem estabelecer uma metodologia para medir o risco.

3. Implementar capacidades de fabricação digital e automatizada aliadas a uma forte excelência de fabricação

Alavancar a automação e as soluções de IOT para operações de fabricação inteligente para mitigar a dependência de processos de trabalho intensivo. Um forte programa de excelência de fabricação possibilitado pela tecnologia digital pode permitir a padronização do trabalho diário e auxiliá-lo, aliviando a pressão de confiar em indivíduos específicos para fazer uma operação funcionar. Os recursos do IoT podem ajudar a promover um ecossistema digital de sistemas conectados, fornecendo aos usuários dados relevantes e atualizados para tomar uma decisão mais precisa em um determinado momento. Os recursos de fabricação automatizada permitirão que uma empresa execute uma operação de fabricação usando pessoal intercambiável e reduzindo os requisitos de mão-de-obra.

4. Avaliar e ajustar as prioridades estratégicas do setor de compras

Transformar o setor de compras em uma área de geração de valor, por meio de revisões oportunas e ajustar as prioridades estratégicas da categoria para definir novas relações comerciais com os fornecedores para atender aos objetivos gerais da cadeia de suprimentos da empresa. Um sistema ágil de operações de compras, viabilizado por várias tecnologias e prioridades estratégicas variáveis como custo, qualidade, entrega, inovação, etc. Isso também ajudará a impulsionar a resiliência. As empresas podem introduzir a tecnologia digital de provisionamento para se beneficiarem das redes dos fornecedores. A implementação de uma rede de fornecedores em sourcing e gestão do ciclo de vida do fornecedor pode fortalecer a capacidade de sourcing e a colaboração de fornecedores em circunstâncias desafiadoras.

5. Investir em capacidades de planejamento e cumprimento mais ágeis e colaborativas

A "arte do possível" de hoje em dia, faz com que as tecnologias levem mais agilidade e colaboração para dentro da empresa, bem como entre os parceiros de negócios, com infinitas possibilidades. Desde dispositivos IoT para detecção de demanda e rastreamento de movimento de mercadorias até soluções avançadas de previsão e monitoramento do comportamento da demanda, que estão impactando fortemente a forma como as empresas entendem os sinais dessa demanda e a rapidez com que elas podem reagir a eles. Esses recursos são extremamente importantes para o desempenho empresarial mesmo em condições comerciais normais e aumentam a resiliência da cadeia de suprimentos em eventos pandêmicos como o surto de coronavírus que estamos vivendo hoje.

A atual pandemia da COVID-19 causou disrupções em todos os setores com diversos graus de impacto. É o momento das empresas avaliarem, recuperarem e responderem rapidamente através de inúmeros obstáculos e desafios que ainda se interpõem no caminho. Através do "caos" da recuperação, vai ser muito fácil ignorar as causas e as lacunas dentro de uma cadeia de fornecimento que podem ter paralisado os negócios durante este evento imprevisível e importante. A construção de uma cadeia de suprimentos resiliente estará no epicentro das discussões nos próximos anos.

Resumo

Um surto pandêmico da magnitude do coronavírus pegou empresas e indústrias inteiras desprevenidas, com uma onda de efeitos colaterais que foram sentidos até mesmo em suas cadeias de fornecimento e negócios. Com base nos desdobramentos desta pandemia, juntamente com o que foi aprendido em casos de disrupção do passado, este artigo oferece alguns pilares fundamentais para ajudar as empresas a construir uma cadeia de suprimento mais resistente.

Sobre este artigo

Por

EY Brasil

Organização de serviços profissionais multidisciplinares

Related topics Consultoria Supply Chain