Tudo o que conta é ser contado?

Para ajudar a reconstruir a confiança nos negócios, as equipes financeiras devem utilizar novas tecnologias para gerenciar dados e adotar novas habilidades para reportar seu valor de longo prazo.

As organizações têm uma necessidade urgente de desenvolver a transparência dos relatórios que ajuda a criar confiança e a explicar como elas estão criando valor a longo prazo. Para tanto, elas devem explorar os dados de que dispõem e transformá-los em um ativo estratégico.

No entanto, muitas organizações estão falhando em aproveitar essas oportunidades. Não estão a captar informações e, por conseguinte, não estão a explorar todos os seus dados financeiros e não financeiros. Eles são simplesmente subjugados pela variedade e volume. Para assumir o controle desse fluxo de dados e transformá-lo de um passivo em um ativo, as organizações devem repensar sua abordagem a uma gama de tecnologias, incluindo AI, construir um perfil de talentos diferente e aumentar as habilidades de sua força de trabalho existente.

Para que as organizações aproveitem ao máximo todos os dados para a elaboração de relatórios, os líderes financeiros devem considerar três ações críticas:

  1. Desafiando o sistema de relatórios corporativos para alcançar relatórios orientados por valor
  2. Aproveitar ao máximo a inteligência artificial e as novas tecnologias
  3. Transformar a força de trabalho financeira e superar barreiras culturais

Ao abordar as três ações acima, os líderes financeiros devem ser capazes de ir além de relatar apenas o que é fácil de medir, para fornecer a visão que os participantes do mercado de capitais precisam para entender os impulsionadores do valor de longo prazo. Ao proporcionar esta transparência, os líderes financeiros podem ajudar a restaurar a confiança nas empresas e nas instituições públicas.

Essas percepções sobre como os relatórios devem mudar são extraídas dos resultados da pesquisa de 2018 da EY Global Financial Accounting and Advisory Services (FAAS) sobre relatórios corporativos. Você também pode explorar os dados por trás da pesquisa, visualizar os resultados dos países e comparar resultados entre países e setores.

(Chapter breaker)
1

Capítulo 1

Desafiando os relatórios corporativos para alcançar relatórios orientados por valor

Os relatórios desempenham um papel central na reconstrução da confiança, fornecendo uma visão clara do desempenho financeiro e não financeiro das organizações.

As empresas e os mercados de capitais dependem de relatórios corporativos confiáveis e relevantes. Sustenta a reputação das empresas e constrói a confiança do mercado nas ações dos líderes da empresa.

Agora, porém, a eficácia dos relatórios corporativos está ameaçada em duas frentes. O primeiro é o crescente fosso de confiança entre as empresas e a sociedade. Essa pesquisa da EY revelou que apenas 58% dos líderes financeiros estão preparados para dizer que as empresas são altamente confiáveis. É de se esperar que os líderes financeiros corporativos sejam relativamente positivos sobre a confiança nos negócios, mas uma resposta morna é um padrão comum em muitas regiões. Por exemplo, apenas 55% dos inquiridos na EMEIA estão dispostos a afirmar que as empresas gozam de "confiança muito elevada" (12%) ou "confiança elevada" (43%).

Os líderes financeiros estão longe de ser otimistas sobre a confiança pública nas empresas

58%

dos entrevistados estão preparados para dizer que as empresas desfrutam de "muito alta confiança" ou "alta confiança".

Pergunta: Na sua opinião, qual considera ser o actual nível de confiança entre o público e as grandes empresas?
Os fracos níveis de confiança do público nos negócios são reforçados pela desconexão entre a agenda de relatórios das empresas e a agenda do público. Muitas vezes, os relatórios não conseguem capturar informações não financeiras como um driver do desempenho organizacional. Portanto, as organizações devem prestar contas e explicar o desempenho de forma muito mais clara e coerente.
Peter Wollmert
EY Global e EY EMEIA Líder de Serviços de Consultoria Contábil Financeira da EY Global e EY EMEIA

A pesquisa mostra que os líderes financeiros esperam agora que os relatórios sejam apresentados em um quadro mais amplo. Pouco menos de três quartos (72%) dos líderes financeiros afirmam que a informação não financeira é cada vez mais utilizada na tomada de decisões dos investidores, e mais de três quartos dos CFOs do grupo enfatizam a sua importância.

Pergunta: Você concorda ou discorda que "a informação não-financeira é cada vez mais usada na tomada de decisões dos investidores"?

Para reconstruir a confiança e oferecer às partes interessadas informações sobre os planos de uma organização para criar valor a longo prazo, as equipes de finanças devem se concentrar em duas prioridades:

Prioridade 1: Ter em conta e explicar o desempenho organizacional de forma muito mais clara e coerente

As empresas fizeram progressos significativos no seu reporte de informação financeira e não financeira. Passam agora a reportar com base em indicadores-chave de desempenho (KPI) - económicos; estratégicos; e ambientais, sociais e de governação (ESG). De acordo com essa pesquisa da EY, os KPIs mais comuns incluem "tratamento de funcionários" e "fidelidade do cliente" ou "pontuação do promotor líquido".

As organizações também estão comunicando informações não financeiras de várias maneiras. Estes são (em ordem de acordo com esta pesquisa):

  1. Relatório definido pela empresa que integra informações financeiras e não financeiras
  2. Relatório integrado que segue o Quadro Internacional de Relatórios Integrados do International Integrated Reporting Council (IIRC's)
  3. Secção específica do relatório anual
  4. Relatório autónomo de responsabilidade social corporativa
  5. Relatório de sustentabilidade autónomo

No entanto, apesar destes progressos significativos, é necessário fazer mais para pôr em causa os relatórios. Há uma tendência a relatar as coisas erradas - medir o que é fácil e não o que os stakeholders querem saber. Isto é particularmente verdadeiro no caso dos activos incorpóreos ou não financeiros. Perto de três quartos dos líderes financeiros - 73% - dizem que "nosso desempenho em KPIs não financeiros tem um impacto significativo sobre os ativos intangíveis". Este é um sentimento partilhado por toda a função financeira com 75% dos CFOs do grupo e 70% dos controladores financeiros do grupo a concordarem.

A abordagem de valor de longo prazo exige novas estruturas que comuniquem o valor dos ativos estratégicos, forneçam informações que vários stakeholders exigem e mostrem como as organizações estão criando valor no longo prazo. O Projeto Aterro para o Capitalismo Inclusivo é um passo em direção a este tipo de estrutura.

  • O Projeto Aterro

    À medida que as empresas respondem aos apelos para demonstrar sua contribuição para a criação de valor inclusivo de longo prazo que beneficia toda a sociedade, a Coalizão para o Capitalismo Inclusivo e a EY reuniram CEOs de mais de 30 organizações líderes, representando mais de US$30t de ativos sob gestão, para trabalhar em uma forma de articular mais efetivamente como eles criam valor para as partes interessadas e reduzir a pressão para fazer concessões de curto prazo.

    A iniciativa chamada The Embankment Project for Inclusive Capitalism, está desenvolvendo uma forma mensurável, comparável e significativa para que as empresas articulem melhor como elas criam valor de longo prazo para seus stakeholders.

    O projeto envolve corporações de todos os setores de produtos de consumo, serviços de saúde e industriais, além de organizações de investimento e gestão de ativos. Ao longo do projeto, os participantes estão trabalhando para identificar um conjunto de métricas de resultados e desenvolver uma estrutura que ajude as empresas a articular como a sua estratégia irá gerar valor a longo prazo.

Prioridade 2: Gerir a informação não financeira com o mesmo rigor e segurança que gerir a informação financeira

A ênfase crescente na informação não financeira significa que as partes interessadas irão desafiar mais a apresentação de relatórios.

A administração e os conselhos de administração devem estar convencidos de que a informação é útil e relevante; os reguladores quererão saber se é exacta e conforme. Se toda a informação reportada - seja ela financeira ou não financeira - não for de grau de investimento, a confiança será prejudicada.

A garantia independente da informação, seja ela obrigatória ou voluntária, pode desempenhar um papel fundamental. A pesquisa da EY revela que as empresas que têm suas informações não financeiras verificadas independentemente têm mais probabilidade de confiar em seus relatórios corporativos. No geral, 62% dos entrevistados dizem que os relatórios corporativos desfrutam de altos níveis de confiança dos investidores, mas isso aumenta para 83% entre aqueles que têm suas informações não financeiras auditadas.

  • Satisfazer as necessidades dos investidores em matéria de informação não financeira

    A pesquisa da EY Climate Change and Sustainability Services (CCaSS) mostra que grande parte do ímpeto para a melhoria e melhor integração dos relatórios vem da comunidade de investidores institucionais.

    Debates políticos globais, novos requisitos regulatórios e práticas mais rigorosas de cadeia de suprimentos desempenham um papel importante, mas a voz coletiva do investidor continua a estar entre as mais claras. Na pesquisa da EY sobre Mudanças Climáticas e Serviços de Sustentabilidade, por exemplo, a maioria (96%) dos investidores disse que o desempenho não financeiro desempenhou um papel fundamental "frequentemente" ou "ocasionalmente" em suas decisões de investimento nos últimos 12 meses.

(Chapter breaker)
2

Capítulo 2

Aproveitar ao máximo a inteligência artificial e a tecnologia inteligente

Muitas equipes estão sobrecarregadas pelo volume de dados disponíveis. Eles devem utilizar a tecnologia, mas não à custa dos padrões e da confiança

As organizações e suas equipes financeiras têm mais dados do que nunca, graças ao aumento do poder de processamento do computador, à crescente conectividade, à nuvem e à sua enorme capacidade de armazenamento.

No entanto, muitas equipes de finanças e relatórios estão simplesmente sobrecarregadas pelo volume e variedade desses dados. Nesta pesquisa da EY, cerca de metade dos líderes financeiros (49%) dizem que "gastam mais tempo coletando e processando dados do que analisando-os".

Muitas equipes de finanças e relatórios estão sobrecarregadas pelo volume e variedade de dados

49%

dizem que passam mais tempo coletando e processando dados do que analisando-os

Pergunta: Qual das seguintes opções descreve melhor o tempo que suas equipes são capazes de dedicar à geração de insights orientados por dados?

Para transformar os dados em relatórios verdadeiramente orientados para o valor, as equipas financeiras devem concentrar-se em duas prioridades:

Prioridade 1: Explorar os rápidos progressos tecnológicos na automatização, inteligência artificial e blockchain

Automação: dando liberdade às equipes financeiras para se concentrarem na geração de insight

As equipes de finanças e relatórios mais ágeis estão usando a automação para impulsionar novos níveis de agilidade operacional:

  • Eles são avançados no uso da automação de processos robóticos (RPA) para impulsionar novos níveis de eficiência. E eles estão usando tecnologias de robótica baseadas em regras para automatizar processos financeiros transacionais de alto volume.
  • Eles já estão explorando a próxima fronteira em automação - automação inteligente de processos, que combina RPA com AI, como aprendizado de máquina. Essas tecnologias aprendem ao longo do tempo à medida que são expostas a mais dados, permitindo que as equipes financeiras alvejem responsabilidades financeiras de alto valor. À medida que estas ferramentas forem melhorando, passarão à leitura, gestão e análise de contratos e dados complexos. Outras tecnologias inteligentes que poderiam funcionar aqui incluem reconhecimento de voz, processamento de linguagem natural, biometria e chatbots.

Inteligência artificial: aproveitando o insight dos dados

Os líderes financeiros podem usar a IA para procurar padrões subjacentes nos dados, bem como a autoaprendizagem para prever cenários e melhorar resultados.

Cerca de três quartos dos líderes financeiros desta pesquisa (72%) afirmam que a IA terá um impacto significativo na forma como as finanças conduzem a insights orientados por dados, e que a IA será a tecnologia crítica para a função financeira no futuro. Os líderes financeiros foram convidados a classificar a importância de três tecnologias - RPA, AI e ferramentas baseadas em blockchain. Embora a RPA tenha saído no topo por agora, a AI lidera a lista daqui a cinco anos.

No entanto, os líderes financeiros não precisam apenas pensar sobre como eles usam a IA em suas funções financeiras. Eles também devem pensar sobre como as partes interessadas, tais como os investidores, estão usando-o para destacar os relatórios corporativos. Isso porque a IA permite que os investidores analisem informações financeiras corporativas de formas que antes eram impensáveis.

Inteligência artificial: aproveitando o insight dos dados

72%

afirmam que a IA terá um impacto significativo na forma como o financiamento conduz a uma visão orientada para os dados e que a IA será a tecnologia crítica no futuro

Pergunta: Por favor, classifique a importância relativa de cada uma das seguintes tecnologias dentro da função financeira hoje e daqui a cinco anos
  • Inteligência artificial e ética

    A IA está se desenvolvendo rapidamente, e é fundamental que os líderes financeiros acompanhem. Isso significa tomar decisões informadas agora sobre onde a tecnologia pode gerar mais valor em finanças e relatórios. Só então os líderes financeiros podem traçar sua transformação e estabelecer as bases para uma forte colaboração entre finanças e TI.

    Mas há questões éticas. Em finanças e relatórios, não basta perguntar se os sistemas estão a fazer as coisas correctamente. Você também deve perguntar se os sistemas estão fazendo as coisas certas. Isto é especialmente importante com uma tecnologia em rápida evolução como a IA, porque as regras e regulamentos estão atrasadas em relação à tecnologia e ainda não se provou que assegurem e tratem os riscos de forma adequada.

    Uma abordagem para desenvolver padrões éticos para essas ferramentas é pedir às partes interessadas que serão impactadas pela tecnologia que olhem para ela a partir de sua perspectiva. E a concepção do sistema deve reflectir a importância da transparência em torno da forma como o sistema de comunicação de informações tomou as suas decisões.

Blockchain: atrapalhando o futuro dos relatórios como os conhecemos?

Blockchain registra transações usando um ledger distribuído, o que dá a cada participante da rede uma trilha de auditoria segura de todas as transações já feitas - em tempo quase real. Alguns comentaristas, portanto, esperam que a tecnologia se torne o padrão da indústria para relatórios e contabilidade, substituindo a TI de back-end existente e as práticas tradicionais de relatórios. Se o blockchain for usado para consolidar automaticamente os registros contábeis automaticamente, as equipes de relatórios podem gastar menos tempo em verificação cruzada e agregação e mais tempo na análise de dados confiáveis.

Esta pesquisa mostra que vários líderes financeiros concordam com o potencial da tecnologia. Nossa pesquisa mostra que perto de um quarto (24%) diz que a blockchain será a tecnologia mais importante do financiamento dentro de cinco anos. É evidente que há uma série de desafios que terão de ser ultrapassados. Por exemplo, as principais partes interessadas - desde os reguladores aos conselhos de administração - teriam de acordar e aplicar o quadro regulamentar necessário.

Prioridade 2: Construa confiança na sua análise de dados

Os líderes financeiros estão se concentrando em transformar dados em insights de relatórios, mas eles precisam negociar um ato de equilíbrio difícil, impulsionando a inovação na forma como usam os dados sem comprometer os padrões e minando a confiança.

Esta pesquisa mostra que as preocupações sobre o risco dos dados estão no topo das mentes dos líderes financeiros. E as preocupações com a segurança de dados são uma das barreiras mais importantes para a implementação de novas tecnologias de geração de relatórios.

No entanto, as preocupações sobre os riscos digitais e de dados não devem impedir que as organizações fiquem para trás. Para chegar ao verdadeiro valor orientado por relatórios, as equipes de finanças devem ser capazes de abraçar seus dados com confiança. Isto exigirá mudanças não só na tecnologia e nos processos, mas também na mentalidade, nas competências e na governação.

Os 5 principais desafios que os líderes financeiros enfrentam hoje em dia

Os cinco principais desafios enfrentados pelos líderes financeiros são:

  1. Aumentar o risco de proteção de dados e privacidade
  2. Cumprir o ritmo da mudança tecnológica
  3. Aumentar o escrutínio e a mudança regulamentar
  4. Aumento da demanda por informações prospectivas em tempo real
  5. Cumprir as normas sociais em mutação
Pergunta: Na sua função financeira, quais são as maiores barreiras à implementação de novas tecnologias inovadoras de reporting?
(Chapter breaker)
3

Capítulo 3

Transformar a equipe de finanças e superar barreiras culturais

As funções financeiras requerem um perfil de talento diferente que pode exigir que os líderes superem barreiras culturais e processos entrincheirados

Os relatórios orientados por valores não exigem apenas que as equipes financeiras adotem novas tecnologias - elas também exigem um perfil de talentos e conjuntos de habilidades diferentes.

A função financeira beneficiará de membros da equipa com uma gama de novas capacidades para além das competências financeiras e contabilísticas tradicionais, incluindo a sensibilização estratégica para as novas tecnologias, como a IA, e conhecimentos em disciplinas como a ciência dos dados e estatísticas avançadas.

Aqueles que podem ajudar a equipe a entender e medir as interdependências entre informações não financeiras e financeiras serão valiosos. Essa habilidade requer uma compreensão das nuances da gestão da informação não financeira e compreender as interdependências entre os diferentes tipos de capital da organização.

Os líderes financeiros sabem que o perfil de talento da função precisa ser reiniciado. Uma maioria significativa (79%) dos CFOs entrevistados nesta pesquisa diz que há uma necessidade urgente de financiamento para recrutar novas habilidades.

No entanto, a condução de uma mudança de abordagem pode ser muito difícil, com uma cultura enraizada e a resistência à mudança a funcionar como um travão ao progresso. Nesta pesquisa, 63% dos líderes financeiros afirmam que "a resistência e as barreiras culturais nas equipes financeiras são barreiras à inovação digital". Em empresas de tecnologia - que têm de conduzir constantemente a inovação para sobreviver em uma indústria onde a agenda tecnológica está em constante mudança - os líderes financeiros seniores estão particularmente preocupados com a capacidade de suas equipes de abraçar formas digitais de trabalhar com a velocidade que a organização como um todo exige.

Pergunta: Você concorda ou discorda que "a resistência e as barreiras culturais dentro das equipes financeiras são barreiras à inovação digital"?

Para superar a resistência e acelerar as mudanças que devem ocorrer na força de trabalho financeira, as organizações devem se concentrar em duas prioridades.

Prioridade 1: Seja criativo sobre pessoas e perfis

As finanças estão começando a exigir pessoas com novas habilidades. A próxima geração deve entender não apenas a contabilidade e suas indústrias, mas também AI, blockchain e aprendizado de máquina - bem como como como essas tecnologias funcionam juntas.

Nesta pesquisa, 72% de todos os líderes financeiros entrevistados afirmam que os especialistas em AI serão fundamentais para impulsionar a inovação em finanças e relatórios nos próximos dois anos, o que é uma prioridade em todas as áreas.

Os líderes financeiros devem definir as competências e capacidades de que necessitam com base na estratégia das suas empresas, bem como a necessidade de manter ou aumentar a transparência e criar valor a longo prazo.

As principais funções financeiras estão a auditar as capacidades existentes das suas equipas para compreender as lacunas que enfrentam. Isto deve incluir tanto as competências necessárias para explorar novas tecnologias e dados como as competências interpessoais e estratégicas transversais.

Um prêmio em expertise de Inteligência Artificial

72%

de todos os líderes financeiros entrevistados afirmam que os especialistas em AI serão fundamentais para impulsionar a inovação em finanças e relatórios nos próximos dois anos

Pergunta: Qual será a importância dos peritos em IA para a inovação digital no domínio das finanças e dos relatórios ao longo dos próximos dois anos?
Prioridade 2: Abordagem de contratação, desenvolvimento de talentos e recursos de forma mais inovadora

Muitas organizações entendem que precisam de novas habilidades e perfis, mas muitas vezes não conseguem procurar talentos em diferentes lugares, e não usam novas táticas para desenvolver suas pessoas. Muitas vezes, eles estão presos em práticas tradicionais: eles usam os mesmos métodos que estão em vigor há anos, e foram usados para recrutar e desenvolver-se.

As finanças devem fazer mais para desafiar estas abordagens enraizadas e os pontos de vista sobre o que constituem capacidades financeiras. A indústria automóvel, por exemplo, respondeu corajosamente ao desafio das perturbações digitais e dos automóveis conectados.

Os líderes financeiros desta pesquisa reconhecem que devem ser criativos sobre como encontrar e desenvolver pessoas: 76% dizem que as finanças devem ampliar sua rede de recrutamento para encontrar pessoas com origens não tradicionais.

  • Executivos financeiros mais jovens dão maior prioridade às capacidades de ponta

    Esta pesquisa da EY mostra que, embora todos os entrevistados acreditem que novas áreas de especialização em tecnologia serão fundamentais para impulsionar a inovação digital, os executivos de finanças mais jovens dão mais valor a essa área. Por exemplo, para executivos de finanças com 39 anos ou menos, mais de um quarto (27%) dizem que os robôs serão "muito importantes" para a inovação digital em finanças. Para aqueles que têm 50 anos ou mais, isso cai para 16%. Descobriu-se que os executivos financeiros mais jovens também são mais propensos a sentir que os cientistas de dados e estatísticos serão muito importantes quando se trata de impulsionar a inovação digital. Isso talvez reflita o fato de que as gerações mais jovens estão muito cientes do impacto das novas tecnologias e estão mais abertas ao financiamento, recrutando a expertise necessária para responder.

(Chapter breaker)
4

Capítulo 4

O caminho a seguir

Ao explorar os ricos dados disponíveis, a função financeira pode fornecer insights sobre o negócio e apoiar o valor de longo prazo para as partes interessadas.

A confiança pode levar uma vida inteira a construir e segundos a perder. Embora a reconstrução dependa de muitos fatores, os relatórios podem desempenhar um papel vital.

As equipas de comunicação devem ser capazes de explorar os dados ricos e multidimensionais a que têm agora acesso. Usando a tecnologia digital e habilidades analíticas, você pode fornecer os insights de relatórios que dão às partes interessadas visibilidade para o negócio e apoiar o valor a longo prazo.

Para que os relatórios desempenhem esse papel, os líderes financeiros devem considerar três ações críticas:

1. Entenda como sua abordagem de relatórios e transparência se compara à de seus pares

Você deve comparar a sua abordagem à elaboração de relatórios com os seus pares e líderes neste campo. Isso pode ajudar a estimular seu pensamento sobre a criação de uma estrutura estruturada para relatar valor de longo prazo aos principais stakeholders. Você também deve considerar como eles abordam a garantia não-financeira para que as partes interessadas externas e os conselhos confiem nessa informação. Você também deve considerar como gerenciar o risco e aproveitar as oportunidades para melhorar os processos e sistemas de apoio.

2. Criar uma visão convincente, mas pragmática, de como as finanças poderiam utilizar novos avanços tecnológicos

Nos próximos anos, é provável que os sistemas inteligentes desempenhem um papel cada vez maior em mais processos e tarefas de geração de relatórios, transformando a capacidade das equipes financeiras de gerar insights a partir de seus dados. Para realizar o potencial dos sistemas inteligentes, você deve agir agora para identificar os problemas de relatórios que essas tecnologias podem resolver e definir como elas podem transformar sua abordagem. Isto pode dar ao financiamento uma visão convincente e um roteiro prático para a mudança. Isso também pode ajudá-lo a superar a resistência organizacional e se envolver com as principais partes interessadas, como conselhos de supervisão e comitês de auditoria.

3. Gerenciar a difícil tensão entre mitigar dados como um risco e explorá-los como uma oportunidade

Há um equilíbrio importante entre "dados como um risco" e "dados como uma oportunidade". Você deve impulsionar a inovação de dados, evitando lapsos na segurança de dados e ameaças à privacidade de seus clientes. Isto significa criar a cultura interna certa para os dados, com todos seguindo uma estratégia de dados clara, sustentada por um código de conduta e um quadro de governação de dados. E em vez de ver as estruturas regulatórias para proteção e privacidade de dados como exercícios de conformidade, você deve considerar a possibilidade de redefini-las como uma oportunidade de adotar uma abordagem positiva aos dados.

Resumo

As organizações têm uma necessidade urgente de desenvolver a transparência dos relatórios de uma forma que crie confiança e ajude a explicar como estão criando valor a longo prazo, explorando os dados à sua disposição e transformando-os em um ativo estratégico.

Para ajudar a reconstruir a confiança, as organizações devem utilizar novas tecnologias para organizar e analisar dados e adotar novas competências além das tradicionais habilidades de contabilidade para entregar relatórios orientados por valor.