8 Minutos de leitura 24 ago 2018
looking up group people

Como a materialidade pode ajudar a atender às demandas dos investidores

O processo de materialidade ajuda a definir questões-chave ao avaliar o impacto do risco ESG.

Em sua carta de 2018 aos CEOs, Larry Fink pede que as empresas tenham um propósito social e sigam uma estratégia que considere o impacto social e as tendências amplas e estruturais que afetam o potencial de crescimento[1].  

E ele não está sozinho. A partir da pesquisa de investidores da EY, sabemos que os investidores estão cada vez mais interessados na criação de valor de longo prazo e apoiam a posição do Fink. De fato, na pesquisa do ano passado, 92% concordaram com a opinião do Fink[2].

Mas poucas empresas estão efetivamente demonstrando como suas estratégias fazem isso, ou mesmo como pretendem desenvolvê-las. Na verdade, eles ainda estão lutando com esse conceito, muito menos incorporando-o na estratégia. 

Então, como as empresas podem desenvolver uma estratégia que considere o impacto social? Este artigo explora como o conceito de materialidade pode ser usado para ajudar a identificar as principais informações de sustentabilidade a serem consideradas em uma estratégia de negócios, aderindo aos requisitos da Global Reporting Initiative (GRI) e do International Integrated Reporting Council (IIRC) <IRC> Framework. Especificamente, explora o conceito evolutivo de materialidade, como a materialidade está ligada ao risco ambiental, social e de governança (ESG), e como uma maior integração dos materiais, processos e conhecimento empresarial existentes na organização pode apoiar um melhor relato, ao mesmo tempo em que atende às demandas dos investidores.

A materialidade da sustentabilidade é um conceito complexo e evolutivo

Materialidade é um conceito fundado em procedimentos de contabilidade financeira de longa data. Este conceito foi emprestado, adaptado e aplicado às informações não financeiras. A orientação da GRI nos diz que devemos focar os relatórios de sustentabilidade nas questões materiais da organização. Ao defini-los, devemos nos perguntar se os temas a serem abordados no relatório de sustentabilidade e nas divulgações são suficientemente importantes para influenciar as decisões de um stakeholder em relação ao negócio.

A tensão vem crescendo em torno de como, para fins de relato de sustentabilidade, as organizações devem estar focadas em questões que possam afetar o valor do negócio. As organizações podem estar olhando para dentro (por exemplo, o impacto das violações de direitos humanos na reputação, retenção de talentos e segurança do fornecimento) ou incluindo questões externas que afetam o negócio (por exemplo, perda de biodiversidade, violações de direitos humanos em indivíduos, mudanças climáticas e os direitos das futuras gerações e ecossistemas).

O Pacto Global das Nações Unidas (através dos Objectivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)) e a Global Reporting Initiative (GRI) (nas suas normas revistas) pedem às empresas que se concentrem na comunicação do impacto externo (ou seja, impacto na economia e não no negócio).

Em seus últimos padrões, a GRI busca esclarecer sua definição de materialidade. Diz que tópicos relevantes são aqueles que podem ser razoavelmente considerados importantes para refletir os impactos econômicos, ambientais e sociais de uma organização ou influenciar as decisões das partes interessadas. Neste contexto, "impacto" refere-se ao efeito que uma organização tem na economia, no ambiente e na sociedade.

No entanto, medir esse impacto não é simples e muitas organizações acham que estão lutando para aplicar esse conceito. 

Considerações-chave no apoio à avaliação da materialidade  

Há duas considerações críticas além do processo de materialidade que podem apoiar uma avaliação de materialidade:

1.       Definição de uma escala para avaliar o impacto

Existem várias ferramentas disponíveis para medir e priorizar temas materiais. Essas ferramentas alavancam principalmente as abordagens aplicadas pelos profissionais de risco na avaliação de riscos corporativos. A abordagem Delphi é a mais comum: é uma técnica de comunicação estruturada que se baseia num painel externo para avaliar os riscos de acordo com uma escala predefinida. A escala utilizada na avaliação dos temas materiais tem se apoiado nos stakeholders internos para que eles avaliem o impacto esperado no negócio.

Uma organização pode concordar com uma escala predefinida que pode ser usada para avaliar o impacto da organização na economia, no meio ambiente e na sociedade. Isso pode ser feito em uma oficina de validação com partes interessadas internas e externas, onde os tópicos materiais identificados podem ser priorizados. Este pode ser um primeiro passo forte na avaliação do impacto, antes de medir tópicos materiais com outras ferramentas analíticas, tais como análise de cenários e modelos probabilísticos.

Nossa abordagem para medir o impacto é descrita no diagrama abaixo:

1.       Mapeamento de questões materiais contra riscos ESG

Globalmente, os reguladores continuam ampliando os requisitos para que as organizações divulguem os riscos em seus principais relatórios e arquivos anuais. Por exemplo, na Austrália, a Recomendação 7.4 (contida na terceira edição dos Princípios e Recomendações do Conselho de Governança Corporativa da Bolsa de Valores Australiana (ASX)) pede às empresas listadas na ASX que "revelem se têm alguma exposição material a riscos de sustentabilidade econômica, ambiental e social e, se tiver, como gerenciam ou pretendem gerenciar esses riscos". E, na Europa, a Diretiva da UE sobre relatórios não financeiros exige o relato de questões relacionadas aos direitos humanos na cadeia de suprimentos, para comunicar tanto o que a organização está fazendo para proteger os direitos humanos quanto para divulgar os riscos comerciais associados às violações de direitos humanos na cadeia de suprimentos.

Muitas organizações apontam seus relatórios anuais de sustentabilidade e suas avaliações de materialidade como correspondendo a essa expectativa. No entanto, as evidências indicam que parece haver uma conectividade limitada entre os tópicos de sustentabilidade material e os riscos corporativos. Por exemplo, o relatório, Sustentabilidade e gestão de riscos corporativos: O primeiro passo para a integração3], buscou entender como as divulgações estavam bem alinhadas entre os riscos organizacionais e os temas materiais de sustentabilidade. O relatório encontrou conectividade limitada, sugerindo eficácia organizacional limitada para identificar, gerenciar e responder a riscos sociais e ambientais significativos.

Os processos de avaliação dos riscos e de avaliação da materialidade têm tradicionalmente objectivos diferentes, mas devem estar mais estreitamente alinhados. No mínimo, as organizações podem considerar o mapeamento de seus temas materiais de sustentabilidade para seus riscos corporativos. Isso pode ajudar a integrar riscos potencialmente de longo prazo aos processos de gerenciamento de riscos corporativos (ERM), o que pode levar a uma melhor supervisão e alocação de recursos para o gerenciamento desses tópicos materiais. Embora esses riscos possam parecer menos prováveis hoje em dia, eles podem ter consequências significativamente maiores a longo prazo, para as quais as organizações podem estar mais bem preparadas.

Exemplos de riscos de sustentabilidade e como eles podem ser identificados estão detalhados abaixo.

Reconhecer a oportunidade de uma avaliação de materialidade bem desenhada para contribuir além do conteúdo do relatório de sustentabilidade pode ajudar a facilitar um melhor engajamento e investimento do negócio. Melhorar a profundidade da análise para apoiar os processos de materialidade pode também tornar-se cada vez mais importante à medida que os investidores começam a confiar mais nestas divulgações ou mesmo a começar a realizar as suas próprias avaliações.

A EY tem experiência na realização de avaliações de materialidade e tem conhecimento para incorporar a análise de megatendências e considerar riscos emergentes (incluindo os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS)). Podemos trabalhar com outras equipes da EY para alavancar nossas ferramentas e metodologias proprietárias (incluindo avaliação de impacto e medição) para apoiá-lo na criação de um processo e avaliação de materialidade sólidos.

Este material foi preparado apenas para fins de informação geral e não se destina a ser utilizado para fins contabilísticos, fiscais ou outros fins profissionais. Por favor, consulte os seus conselheiros para aconselhamento específico.

Certos serviços e ferramentas podem ser restritos para que os clientes de auditoria da EY e suas afiliadas cumpram as normas de independência aplicáveis.   Solicite ao seu contato da EY mais informações.

[1]  A carta anual do Larry Fink aos diretores executivos: Um Sentido de PropósitoBlackRock,  acessado em 12 de Abril de 2018

2] O seu desempenho não financeiro está a revelar o verdadeiro valor do seu negócio aos investidores? , EY Global Limited, 2017

[3] “Sustentabilidade e gestão de riscos corporativos: O primeiro passo para a integraçãoConselho Empresarial Mundial para o Desenvolvimento Sustentável (WBCSD), 18 de janeiro de 2017

Resumo

Com riscos ambientais, sociais e de governança (ESG), uma avaliação de materialidade bem concebida pode ajudá-lo a identificar as principais informações de sustentabilidade necessárias para o seu relatório não financeiro e ajudar a facilitar um melhor engajamento com os investidores.