6 Minutos de leitura 11 jan 2019
Colegas de negócios discutindo tablet escritório criativo

Como o "Know-Your-Customer" pode oferecer confiança no digital

6 Minutos de leitura 11 jan 2019

Mostrar recursos

À medida que os disruptivos começam a fornecer serviços bancários inteligentes para os bilhões sem uma conta bancária, os que estão atrasados devem abordar suas práticas de "Know-Your-Customer" para se manterem atualizados.

Como é o seu gerente de banco? Na Era da Transformação, é improvável que muitos de nós saibam. Os dias de uma agência local quase desapareceram em favor dos aplicativos de banco online e smartphone. Os bancos estão rapidamente se tornando irreconhecíveis à medida que os dados agem como agentes de disrupção, pela própria natureza do que eles fazem, inspirando inovações do comércio eletrônico ao seguro self-service. À medida que os pioneiros adotam novas tecnologias para obter acesso a mercados de consumo e negócios sem conta bancária, as organizações que não estiverem prontas para gerenciar riscos provavelmente ficarão para trás.

Um novo acesso aos dados pode gerar oportunidades – e riscos sem precedentes. O crime financeiro custa US$ 1,4 a 3,5 trilhões por ano, tornando imperativa uma nova tecnologia preventiva para proteger esses dados. Nunca foi tão importante (quer reconheça ou não o seu gestor bancário) que o seu banco possa identificá-lo e bloquear os autores de fraudes – fazendo do 'Know-Your-Customer' (KYC) uma iniciativa importante na nossa era digital.

Graças às tecnologias emergentes, os clientes bancários podem agora se identificar a partir de qualquer lugar do mundo. Mas, para que os bancos tenham certeza de que o processo de verificação remota é à prova de falhas para que os fundos – e os dados confidenciais – sejam protegidos, eles precisam estar um passo à frente de todo desenvolvimento tecnológico e de todo hack.

Businessman digital tablet tablet bicicleta de escritório criativo
(Chapter breaker)
1

Capítulo 1

As novas oportunidades do KYC digital

A KYC Digital tem o poder de abrir bancos para novos mercados, apoiando a capacitação financeira e combatendo o crime.

A confiança na tecnologia digital para separar os criminosos dos clientes tem o potencial de disponibilizar o Open Banking a bilhões de pessoas sem conta bancária e milhões de empresas em todo o mundo, multiplicando rapidamente o mercado bancário. Os sistemas baseados em papel têm tradicionalmente tornado o banco inacessível àqueles com baixa alfabetização, em locais remotos, sem identificação ou sem histórico de crédito e meios financeiros.

Da população mundial de 7,6 bilhões de habitantes, 1,6 bilhão de pessoas não têm acesso a serviços bancários e mais de 200 milhões de pequenas e médias empresas não têm acesso a eles.

A tecnologia está tornando cada vez mais possível superar barreiras bancárias, particularmente em mercados emergentes como China, Brasil, Índia, Colômbia e Tailândia.

Ao colocar a centralidade do cliente no coração do banco, os serviços bancários de base tecnológica emergentes, como os do kakaobank na Coreia, são fáceis de usar para qualquer cliente através de um smartphone. Na Coréia, uma selfie pode ser usada como identificação - o que, em conjunto com bancos de dados biométricos, pode ser mais seguro do que a identificação presencial tradicional.

Na ausência de uma infra-estrutura bancária tradicional em partes do mundo em desenvolvimento, os serviços bancários digitais centrados no cliente estão permitindo que cada vez mais clientes utilizar os serviços de forma segura, colocando os processos KYC em prática, apoiando simultaneamente o empreendedorismo, proporcionando um caminho mais fácil para as pequenas empresas obterem empréstimos e serviços financeiros.

Open Banking

Os clientes de PMEs talvez sintam o maior impacto como resultado do compartilhamento de dados KYC. O passaporte digital – a troca segura e rastreável de informações digitais de clientes para PMEs por usuários autorizados – reúne o pensamento centrado no cliente em uma plataforma colaborativa.

O desenvolvimento dos acessos digitais tem sido impulsionado, em parte, por um sistema bancário aberto, uma iniciativa destinada a promover a concorrência entre bancos e fornecedores de financiamento através da partilha de dados. Os dados do cliente que anteriormente eram mantidos pelos fornecedores de produtos podem agora, com permissão, ser agrupados entre as partes interessadas que concordam em colaborar em nome do cliente.

Isto tem o potencial de tornar as finanças das PME escorregadias, eficientes e seguras, desde os empréstimos até ao pagamento dos impostos sobre os lucros. Uma vez que os proprietários de empresas tenham compartilhado digitalmente seus dados com seu banco, eles serão capazes de usar esses dados várias vezes, cada vez que precisarem de um novo serviço, como um empréstimo do mesmo fornecedor, ou outro que ofereça um melhor negócio.

O compartilhamento desses mesmos dados com fornecedores como empresas de serviços públicos e telecomunicações, bem como com o governo, pode ajudar as PMEs a simplificar os processos administrativos, regulatórios e contábeis. Isso coloca os bancos em uma nova posição de confiança e responsabilidade como guardiões dos dados das PME – tornando crucial a segurança KYC do passaporte digital.

Luta contra a criminalidade financeira

A principal razão para conhecer o seu cliente será sempre a prevenção ao crime. Com todas as oportunidades, a transformação digital também traz riscos, expondo clientes e organizações ao crime e adicionando complexidade aos processos de conformidade com o crime financeiro, como a due diligence de clientes e o monitoramento de transações.

O crime financeiro – da lavagem de dinheiro à fraude fiscal, suborno e corrupção ao financiamento do terrorismo – custa cerca de $1,4-3,5 trilhões de dólares por ano. Cerca de 2 triliões de dólares de fundos ilícitos estão em circulação. As sete maiores multas aplicadas aos bancos por violação de sanções ascendem a 12,4 mil milhões de dólares.

Mas enquanto o Open Banking e a transformação digital mais amplamente estão impulsionando o compartilhamento de dados, os bancos estão cada vez mais sobrecarregados com a segurança de quantidades sem precedentes de dados transacionais. Os guardiões de dados também estão enfrentando uma regulamentação em constante crescimento e evolução à medida que a paisagem digital muda. Diante desse paradoxo, os provedores de financiamento estão cada vez mais compartilhando, colaborando com outros para detectar e deter o crime financeiro.

Essa colaboração coloca o acesso digital e outros processos KYC na vanguarda da prevenção de crimes financeiros, ajudando a deter contas falsas e fraudes transacionais em suas trilhas. O KYC será essencial para a construção da confiança digital no sistema através do design, ajudando os bancos a gerenciar suas responsabilidades de multiplicação de dados por meio da colaboração –  sem ter que se preocupar em fornecer informações confidenciais aos concorrentes.

Designers trabalhando em estúdio
(Chapter breaker)
2

Capítulo 2

Os desafios da mudança para o KYC digital primeiro

A regulação global de dados ainda não está harmonizada, o que significa que o KYC digital requer colaboração e investimento em ferramentas.

Inovadores interessados em implementar processos KYC para mitigar o risco de crime financeiro e fornecer uma melhor experiência ao cliente enfrentam um dilema: enquanto eles podem ver o potencial lado positivo, há uma percepção de risco negativo na adoção antecipada de processos de dados KYC entre os clientes.

Sem os padrões globais da indústria para a regulamentação KYC, os bancos também enfrentam prioridades conflitantes. Os direitos emergentes dos clientes de controlar seus próprios dados por meio de regulamentação como a GDPR na Europa podem parecer em conflito direto com a due diligence do setor e as práticas de AML (anti-lavagem de dinheiro) projetadas para detectar atividades suspeitas em vários países.

Tecnologias como redes privadas virtuais (VPNs) e outros métodos de processamento de dados, para que os regulamentos de privacidade não sejam comprometidos, podem, no entanto, ser usados para permitir que os bancos implementem práticas KYC e colham os benefícios rapidamente.

Esta situação regulamentar pode gerar custos e incerteza, pelo que é importante que os reguladores atuem rapidamente para conciliar os desafios da conformidade. Concordar com padrões unificados sobre quais dados e métodos de verificação são necessários será crucial para a adoção global bem-sucedida do KYC digital.

Em última análise, alinhar os requisitos de dados globais irá impulsionar a eficiência. Em contraste com a situação atual, em que os bancos são forçados a manipular requisitos de coleta e processamento de dados separados e conflitantes para KYC e AML, uma abordagem harmonizada e automatizada tem grande potencial para reduzir custos e aumentar a segurança.

Como se preparar para o KYC

Para os bancos que se debatem com o dilema de como melhor aproveitar o KYC para construir melhores serviços ao cliente, experiências e confiança, já existem estratégias à mão:

  • Colaborantes
    Bancos e provedores de financiamento já estão trabalhando em estreita colaboração com reguladores e terceiros FinTechs para construir a infraestrutura de dados necessária. Isso está permitindo que eles cumpram com a regulamentação existente, aproveitando ao máximo a liberalização do Open Banking, ajudando-os a fornecer um serviço ao cliente mais suave e mais seguro.
  • Aproveitar ao máximo os serviços gerenciados
    As plataformas de dados compartilhados, anonimizados e terceirizados estão permitindo que os custodiantes de dados realizem verificações de AML e outros crimes financeiros para garantir que determinados clientes estejam seguros ao abrir seus dados para fornecedores e instituições.
  • Adotando novas ferramentas
    O acesso digital e outras tecnologias, como reconhecimento de voz e imagem e blockchain, estão sendo implantados para permitir o processamento seguro de dados anonimizados e a transformação do mobile banking, abrindo serviços para um grande número de novos clientes.

A adoção dessas ferramentas e processos está abrindo caminho para um cenário de maior confiança e segurança digital, construído através da inovação colaborativa.

Resumo

O investimento e a colaboração em práticas digitais de "Know-Your-Customer" são os primeiros passos para criar confiança no banco, oferecendo aos clientes serviços mais acessíveis e confiáveis.