5 Minutos de leitura 25 abr 2018
woman leaping benches

10 maneiras digitais de transformar os cuidados de saúde

5 Minutos de leitura 25 abr 2018
Related topics Digital Saúde Disrupção

Da genômica à telemedicina e à bioimpressão 3D, exploramos tecnologias que poderiam revolucionar um setor e nos tornar mais saudáveis

Muito tem sido escrito e falado sobre como a tecnologia baseada em software, inteligência analítica e dispositivos conectados podem trabalhar juntos para transformar todos os aspectos empresariais . Mas agora o processo de transformação digital está prestes a ter um enorme impacto na nossa saúde e condicionamento físico também. Esses avanços não só afetarão a qualidade de vida de milhões de pessoas, como também poderão ter implicações de grande alcance para o setor de saúde e para os empregadores em geral.

Melhorias na medicina e nutrição têm ajudado a aumentar a expectativa de vida ao longo do último século. Mas as populações mais velhas estão causando uma maior incidência de problemas de saúde degenerativos e relacionados ao estilo de vida. Esses tipos de doenças não transmissíveis já representam 75% das mortes no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde. Dezenas de milhões de pessoas sofrem dessas doenças em todo o mundo, reduzindo consideravelmente a sua qualidade de vida. O impacto econômico é igualmente imenso - apenas cinco doenças não transmissíveis poderiam custar à economia global US$ 47 trilhões até 2030, segundo o Fórum Econômico Mundial.

Então, o que a transformação digital poderia fazer para nos tornar mais saudáveis e o setor de saúde mais adequado? Aqui estão apenas algumas das maneiras pelas quais as tecnologias digitais poderiam nos ajudar a viver não apenas mais tempo, mas vidas mais saudáveis e mais produtivas:

1. Genômica

O aumento do poder de processamento do computador está começando a desbloquear o verdadeiro potencial da análise de DNA humano - permitindo testes e tratamentos verdadeiramente personalizados que poderiam melhorar enormemente os resultados dos pacientes para uma grande variedade de doenças.

2. Utensílios

Monitores de saúde inteligentes que podem coletar dados personalizados e em tempo real, incentivando estilos de vida mais saudáveis e coletando dados para alimentar a pesquisa médica. Algumas empresas já introduziram dispositivos no local de trabalho para melhorar o desempenho. Ao monitorar os níveis de estresse e a saúde de seus funcionários, as empresas podem recomendar hábitos mais saudáveis, muitas vezes levando a uma maior produtividade.

3. Big data usado em medicina

À medida que mais DNA é analisado, os dispositivos reúnem mais dados sobre o estilo de vida e os registros médicos são digitalizados, torna-se possível uma análise comparativa muito mais detalhada dos pacientes. Comparar as respostas de pacientes com DNA semelhante, estilos de vida e históricos médicos pode nos permitir entender verdadeiramente os riscos à saúde e o impacto de diferentes tratamentos.

4. Organs-on-chips

Uma combinação de avanços no sequenciamento de DNA e na pesquisa com células-tronco permitiu que os pesquisadores cultivassem órgãos em miniatura, com base no próprio DNA dos pacientes. Conectados a sensores eletrônicos, eles podem medir a resposta ao tratamento no nível celular para entender quais métodos terão mais sucesso antes de aplicá-los ao paciente.

A mídia social pode se tornar o mecanismo de feedback que leva à otimização contínua dos serviços de saúde.

5. Comentários nas mídias sociais hospitalares

Os prestadores de serviços de saúde e os reguladores estão usando cada vez mais as análises de pacientes coletadas por meio de mídias sociais ou pesquisas digitais para identificar possíveis problemas e melhorar a qualidade do atendimento. O imediatismo das mídias sociais e sua capacidade de espalhar mensagens positivas e negativas tão amplamente podem fazer com que os profissionais de saúde respondam cada vez mais rápido aos comentários dos clientes. As mídias sociais podem se tornar o mecanismo de feedback que leva à otimização contínua dos serviços de saúde.

6. Monitoramento digital de tendências

Ao rastrear a atividade de palavras-chave nas redes sociais e nas plataformas de busca, as tendências para pesquisas de sintomas médicos específicos estão sendo cada vez mais usadas para ajudar a identificar e responder a surtos de doenças. É claro que esse insight é benéfico para qualquer organização do setor de saúde, mas pode ser útil para qualquer empregador que pretenda manter sua força de trabalho saudável ou com boa equipe. Para um grande empregador, a interpretação precisa dos dados pode levar a uma variedade de possíveis preparativos - desde a solicitação de mais tecidos para um surto de resfriado comum até a contratação de freelancers para substituir os funcionários que precisam de licença médica. Quando os algoritmos prevêem essas tendências com precisão, o impacto pode ser imenso - mas há sérios desafios a serem superados.

7. Engenharia genética

Embora a engenharia genética do DNA humano para combater doenças continue sendo profundamente controversa, a terapia genética e a utilização de vírus geneticamente modificados para combater doenças está se tornando cada vez mais comum, enquanto os mosquitos geneticamente modificados estão também sendo utilizados na luta contra a malária e o Zika vírus.

Tecnologia avançada sendo usada em uma sala de cirurgia

8. Telemedicina

A tecnologia móvel está sendo cada vez mais utilizada para reduzir a pressão sobre os sistemas de saúde, eliminando a necessidade de viajar para ver um profissional de saúde. Qualquer redução no tempo de viagem em qualquer ambiente tem o potencial de ter um impacto positivo na produtividade. Mas a telemedicina provavelmente terá o efeito mais transformador em comunidades mais remotas, onde a realização de avaliações remotas de pacientes via telefones celulares está começando a fornecer acesso a medicamentos para algumas das pessoas mais pobres do mundo por uma fração do custo de fornecer serviços médicos itinerantes. De acordo com a União Internacional de Telecomunicações, uma agência das Nações Unidas, existem mais de 7 bilhões de assinaturas de celulares em todo o mundo, contra 738 milhões em 2000. Globalmente, 3,2 milhões de pessoas utilizam a Internet, dos quais dois milhões vivem em países em desenvolvimento.

Essa tendência tem permitido o desenvolvimento de soluções criativas que alavancam a capacidade das tecnologias conectadas de alcançar pessoas que, de outra forma, teriam dificuldade em acessar informações de saúde.

9. Robôs cirúrgicos

Além de permitir uma cirurgia mais precisa, que acelera o tempo de recuperação, o uso de equipamento cirúrgico robótico pode permitir que cirurgiões especializados tratem pacientes a milhares de quilômetros de distância, reduzindo a necessidade de viajar para o tratamento. Com o tempo, eles podem ser capazes de operar independentemente.

10. Bioimpressão 3D

O sonho médico se aproximou da realidade - em fevereiro de 2016, pesquisadores do Wake Forest Institute for Regenerative Medicine anunciaram que implantaram com sucesso ossos, músculos e tecidos impressos em 3D em animais. Estamos no aproximando da era das partes de corpo substituíveis feitas à medida. Não se trata apenas de substituição - talvez o futuro nos apresente a possibilidade de partes do corpo personalizadas que podem até melhorar a funcionalidade.

O que significa tudo isso para os empregadores?

Fornecer as necessidades de assistência médica de uma força de trabalho mais antiga exigirá novas soluções para reduzir o custo de acesso à assistência médica e limitar a produtividade perdida provocada por problemas de saúde. Pesquisas recentes no Journal of Occupational and Environmental Medicine sugerem até que empresas com fortes programas de saúde e bem-estar tenham melhor desempenho do que aquelas sem.

Resumo

As organizações que optam por adotar as tecnologias da saúde podem contribuir para uma população mais saudável e ajudar seus resultados.

Sobre este artigo

Related topics Digital Saúde Disrupção