Como combater os crimes financeiros de hoje com a tecnologia de ontem?

A tecnologia pode mudar a maneira como combatemos o crime financeiro, mas por si só não é uma solução - precisamos colaborar para prosperar.

 

Anatureza dos  crimes financeiros está evoluindo rapidamente. A tecnologia criou uma série de novos caminhos para as gangues criminosas lavarem os lucros de suas atividades ilegais, desde moedas criptográficas a transações p2p. Isto significa que os governos, as autoridades responsáveis pela aplicação da lei e os reguladores têm que se atualizar frequentemente.

Para combater com sucesso os criminosos de hoje, as instituições financeiras e os reguladores devem desenvolver um conjunto de ferramentas tecnológicas próprias. Da autoaprendizagem à automação, tanto as autoridades quanto o sistema bancário internacional estão cada vez mais buscando alavancar as mais recentes tecnologias digitais em sua busca por interromper o crime financeiro.

Mas a tecnologia por si só não vai parar o movimento do dinheiro sujo. Precisamos também de novas formas de trabalho e de colaboração transfronteiriça para competir com criminosos que operam num cenário em rápida mutação.

mulher no computador
(Chapter breaker)
1

Capítulo 1

Fazer com que a tecnologia funcione

A tecnologia emergente pode ajudar a identificar comportamentos suspeitos, reduzir o número de falsos positivos e melhorar os tempos de resposta.

A escala, a complexidade e os custos associados à abordagem dos desafios do crime financeiro estão exigindo uma evolução na abordagem adotada pelos bancos. Embora historicamente grande parte do foco esteja na conformidade, há uma crescente percepção de que o investimento deve ir além de preencher lacunas e criar sistemas e serviços que proativamente atinjam o comportamento criminoso.

Tecnologias emergentes, como análises comportamentais avançadas, inteligência artificial, aprendizado de máquina e robótica, podem ajudar com isso. Implantados bem, eles podem ajudar a identificar comportamentos suspeitos, reduzir o número de falsos positivos e melhorar o tempo de resposta.

Mas essa não é uma questão das tecnologias individuais envolvidas. Em vez disso, trata-se de entender corretamente a natureza do desafio em evolução para aplicar a combinação certa dessas tecnologias para uma finalidade específica, no lugar certo e na hora certa.

Tradicionalmente, quando os bancos percebem alguma atividade suspeita, o processo de investigação é predominantemente manual. Analistas individuais revisariam um lote de transações financeiras para identificar comportamentos fraudulentos. Isso pode levar a ineficiências significativas e uma alta probabilidade de erro, pois cada pessoa normalmente opera de maneiras diferentes, dependendo de sua experiência e treinamento, enquanto sua capacidade limitada significa que, à medida que o volume de transações aumenta, aumenta o potencial de erros.

A EY, reconhecendo esse desafio para os bancos, desenvolveu a ferramenta Cognitive Investigator, que combina aprendizado de máquina, automação de processos robóticos e processamento de linguagem natural para substituir essas investigações manuais de baixo nível, priorizando riscos e sinalizando atividades potencialmente fraudulentas.

pessoa encapuzada num laptop
(Chapter breaker)
2

Capítulo 2

Esconder-se atrás de uma máscara digital

Plataformas de tecnologia financeira menos regulamentadas, como as moedas criptográficas, estão oferecendo os níveis de privacidade e anonimato desejados pelos criminosos.

O anonimato é, evidentemente, o melhor amigo do criminoso quando se trata de explorar o sistema financeiro internacional.

Os criminosos criam várias contas falsas através de organizações de fachada para permitir que eles lavem os lucros de suas atividades ilegais. O aumento da banca digital exacerbou a situação, permitindo que vastas somas de dinheiro fossem transferidas ao redor do mundo quase instantaneamente.

E enquanto os bancos investem bilhões no desenvolvimento de novos sistemas que eliminam mais efetivamente os malfeitores, uma grande quantidade de plataformas de tecnologia financeira novas e menos regulamentadas, como as moedas criptográficas, estão oferecendo os níveis de privacidade e anonimato que os criminosos almejam.

Ter sistemas que possam determinar melhor a verdadeira identidade digital de alguém é, portanto, fundamental. As instituições financeiras precisam estar confiantes de que o cliente realmente é quem eles dizem que são. A criação de uma plataforma tecnológica para a troca segura e rastreável de informações de clientes, compartilhadas através de canais digitais controlados por usuários autorizados, é uma forma de resolver esse problema. Uma forma de passaporte digital que pode promover a confiança.

financiadores que colaboram
(Chapter breaker)
3

Capítulo 3

A privacidade e a segurança são complementares ou incompatíveis?

Como é que se protegem os direitos dos cidadãos e, ao mesmo tempo, os cidadãos?

Onde é que os governos e os reguladores em todo o mundo traçam a linha entre manter a privacidade dos seus cidadãos e ter o nível apropriado de escrutínio ou transparência que pode ajudar a proporcionar segurança contra atividades criminosas? Como é que se protegem os direitos dos cidadãos e, ao mesmo tempo, os cidadãos?

A solução não está no combate ao fogo com fogo, ou em uma corrida de armas da FinTech, onde você espera ficar um passo à frente dos criminosos, utilizando a mais recente inovação tecnológica.

Em vez disso, o que é necessário é uma nova forma de trabalhar para combater este tipo de atividades ilegais através de um esforço coletivo e de colaboração entre os setores público e privado.

Isso exigirá a criação de padrões globais de dados pelos órgãos reguladores governamentais, trabalhando em estreita colaboração com a comunidade bancária internacional, que equilibrem a proteção de dados com a capacidade de compartilhar dados seguros entre fronteiras e setores. Será necessário desenvolver melhores mecanismos através dos quais as instituições financeiras possam confirmar atividades suspeitas. O papel da tecnologia é simplesmente melhorar o âmbito, a eficiência e a eficácia destes processos.

Em última análise, trata-se de uma questão de confiança - tanto em termos de confiança dos indivíduos nos seus governos e bancos quanto à utilização adequada dos seus dados, como em termos de maior confiança dos bancos e reguladores na identidade dos titulares de contas.

A colaboração é fundamental

Para o conseguir, é necessário que haja, uma vez mais, um compromisso de colaboração. Construir uma nova estrutura que permita um melhor compartilhamento de dados entre setores, entre bancos, governos, reguladores, agências de segurança e empresas de tecnologia que aumente a transparência e a segurança, mantendo a privacidade individual.

A tecnologia pode contribuir para a segurança deste sistema, mas exigirá um esforço concertado dos novos parceiros público-privados na luta contra a criminalidade para desenvolver a confiança e os processos que serão fundamentais para o seu sucesso.

Para interromper os crimes financeiros atuais, em outras palavras, as instituições financeiras e as agências de aplicação da lei não precisam apenas de novas tecnologias — elas precisam adotar uma nova forma de trabalhar.

Resumo

As instituições financeiras e os reguladores precisam de novas tecnologias e de formas de trabalhar para travar o movimento do dinheiro sujo.