20 Minutos de leitura 5 out 2020
Pessoas à espera da verificação da temperatura por termostato

A reabertura de seu local de trabalho pode ajudá-lo a reimaginar seu futuro?

Retornar com sucesso ao local de trabalho físico é uma prioridade. Mas a recuperação da crise da COVID-19 também é uma oportunidade para reimaginar o futuro da sua organização..

Na Alemanha, as concessionárias de automóveis estão reabrindo seus showrooms; nas fábricas de vestuário de Bangladesh, as máquinas de costura estão voltando a funcionar; e em grande parte dos EUA, de empresa fabricantes de chips, até as grandes fabricantes de jatos, estão abrindo cautelosamente suas portas. Mas à medida que os lockdowns terminam, em ritmos diferentes e para diferentes grupos de trabalhadores em todo o mundo, tudo o que vamos ver é um mundo negócios diferente do usual. Um retorno físico efetivo precisa equilibrar o ambiente operacional externo (como o estado da saúde pública regional e os padrões de demanda) com capacidades internas que colocam o bem-estar das pessoas no centro dos planos de retorno.

Este artigo fornece um roteiro para a gestão da difícil transição de volta ao local de trabalho físico. Sugerimos uma abordagem em duas engrenagens: a primeira foca na mitigação de riscos para funcionários e clientes para permitir uma transição confiável de volta às operações físicas; a segunda explora como reimaginar o trabalho, transformando sua organização para melhor. Os líderes devem se tornar mestres de uma estratégia que aplica os aprendizados da pandemia a ambas as engrenagens em um ciclo constante de modelagem, iteração e pivô.

Transição: gerenciando a evolução da incerteza

O retorno aos escritórios não é um evento, é um processo. Alguns trabalhadores essenciais nunca deixaram seus postos - eles ajudaram a sustentar a cadeia de suprimentos de alimentos e médicos, mantendo as prateleiras estocadas e as entregas feitas, muitas vezes colocando a si próprios e suas famílias em risco. Outros têm trabalhado remotamente por horas excepcionalmente longas. No entanto, cerca de 2,7 bilhões de pessoas (ou 80% da força de trabalho global) foram afetadas por bloqueios relacionados à COVID-19. Seu retorno seguro é um desafio de massa repleto de complexidades. Reconduzir os funcionários ao local de trabalho com confiança exige um planejamento geral junto com um enfoque forense em superfícies individuais em cada andar de cada edifício.

Mas, além das diferenças individuais entre locais de trabalho, as empresas estão operando por meio de fases de necessidade e demanda clinicamente definidas. Sem nenhum tratamento terapêutico iminente ou vacina para a COVID-19, as empresas estão operando em um ambiente dinâmico onde ondas repentinas de infecção são riscos plausíveis.

Alterne entre duas engrenagens: transição e transformação

Ter sucesso nesse ambiente significa operar em duas engrenagens que se movem constantemente. A primeira engrenagem gerencia a transição confiável de volta ao local de trabalho físico com foco na mitigação de riscos para funcionários e clientes. A engrenagem 2 conduz a transformação com base nas lições aprendidas durante a crise da COVID-19, em uma ressignificação do trabalho para o futuro.

Modelo de engrenagem

No curto prazo, os líderes da empresa precisarão de agilidade excepcional para operar em ambas as engrenagens, alternando para frente e para trás em resposta a mudanças externas no ambiente operacional. Se mover dentro e entre cada engrenagem requer um gerenciamento delicado de riscos e fluidez para modelar, iterar e um "pivô" para girar.

  • Modelo

    Conduzir modelagem de cenários para o retorno físico faseado ao trabalho com base em dados de saúde pública, força de trabalho e capacidade operacional e continuidade do negócio em uma série de condições externas e internas

  • Iterar

    Fazer ajustes e otimizar o desempenho do negócio e a preferência dos funcionários de acordo com dados em tempo real, insights de especialistas e feedback da força de trabalho do ambiente operacional

  • Pivô

    Estar preparado para mudanças súbitas nas condições de saúde pública e para a necessidade de mudar a direção estratégica para acelerar a transformação

Construindo a confiança do empregador

Podemos ver a situação atual principalmente como uma crise de saúde, mas também é uma crise de confiança e segurança. A pandemia mudou fundamentalmente os contratos sociais não apenas entre governos e seus cidadãos, mas também entre empresas e seus funcionários, clientes e parceiros de negócios. Para reconstruir a confiança, será fundamental para as empresas colocar os humanos no centro de sua resposta, e três áreas de foco principais impulsionarão o progresso em ambas as engrenagens: saúde e segurança; tecnologia; e espaço físico.

O modo como as empresas acendem as luzes na volta de suas operações pode criar uma nova cultura corporativa de cuidado e confiança que terá efeitos de longo alcance muito depois que a pandemia deixar de ser uma ameaça existencial.

A líder global em Health Sciences and Wellness da EY, Pamela Spence, afirma: “Em tempos de crise, as pessoas querem sentir que são importantes e estão sendo cuidadas. Saúde e bem-estar estão na frente e no centro da resposta e recuperação do COVID-19. As empresas que são mais centradas no ser humano e têm o envolvimento personalizado mais profundo [orientado por dados] com os funcionários e seus clientes vão se recuperar mais rápido e serão mais fortes. ”

As empresas que criarem confiança durante a transição serão as vencedoras dessa crise. Ao focar na construção de confiança e cuidado entre os constituintes - funcionários, clientes, parceiros e fornecedores, stakeholders e a sociedade em geral - eles serão os construtores de um novo tipo de economia, uma economia baseada em valores.

Farmácia
(Chapter breaker)
1

Capítulo 1

Gerenciando o retorno físico ao trabalho (engrenagem 1)

Conduzindo as condições para uma transição confiável

Colocar as pessoas no centro significa confirmar que é seguro retornar ao local de trabalho físico. Funcionários e clientes precisam ter a certeza de que a sua segurança está protegida; as empresas precisam construir confiança, demonstrando claramente as medidas de proteção e comunicando-as com clareza. A Ikea, por exemplo, está limitando o número de compradores nas lojas. Colocou telas de proteção para os funcionários que prestam assistência e fechou as áreas de creche e restaurante. Outros varejistas estão fazendo o mesmo, com exames de saúde rígidos e controles de distanciamento físico para proteger os funcionários.

Supervisionar mudanças como essa e gerenciar por meio da incerteza requer o estabelecimento de um centro de comando multifuncional que facilite a tomada de decisões ágil. É necessário varrer o horizonte em busca de ameaças e oportunidades para melhorar as operações e responder às mudanças no mercado e nas condições de saúde. Situado entre as duas engrenagens, o centro de comando conduz a transição confiável de volta ao local de trabalho.

Centro de comando: trazendo ordem à incerteza

Um centro de comando fornece um ponto de apoio para gerenciar a transição de volta ao trabalho físico e responde às mudanças no ambiente operacional interno e externo. A equipe do centro de comando envolve as partes interessadas, internas e externas, para apoiar uma resposta coordenada, incluindo a equipe executiva e o conselho, força de trabalho, clientes, parceiros da cadeia de valor (fornecedores, vendedores), agências governamentais/locais e comunidade, e valida essa conformidade e as obrigações fiduciárias são atendidas. Deve pensar holisticamente sobre a continuidade operacional, considerando tecnologia, segurança, produtividade, bem-estar e engajamento. E, usando o que aprendeu, deve adotar uma visão de futuro em relação ao que o trabalho representa para a empresa.

Criação de manuais para uma transição confiável

Os manuais sobre o retorno ao trabalho podem definir claramente como o centro de comando comunica as ações em toda a organização. Esses manuais - que vão desde saúde e segurança do trabalhador até segurança do local de trabalho, estabilidade financeira, conformidade governamental e legal e outros - podem documentar princípios, definir informações e etapas táticas para facilitar a retomada das operações comerciais. Eles precisarão ser atualizados continuamente e serão complementares aos planos de continuidade de negócios existentes, concentrando-se nas responsabilidades específicas da área funcional que responde ao centro de comando. Além disso, a análise dos dados terá um papel significativo, permitindo novos insights operacionais em todos esses fluxos de trabalho para a tomada de decisão em tempo hábil.

Abaixo descrevemos considerações e ações que esses manuais devem abranger.

  • Governo, políticas públicas e requisitos legais

    • Avaliar a prontidão do país/região para o retorno
    • Alinhamento com a orientação/legislação do país, região e governo local
    • Conciliação do país/região com planejamento de retorno ao local de trabalho da empresa
    • Estratégia de comunicação e assuntos externos
  • Resiliência da força de trabalho: Saúde e Segurança

    • Retorno saudável:
      • Distanciamento social por tipo de espaço
      • Interações de grupo limitadas
      • Verificações de temperatura conforme apropriado
    • Gestão de equipamentos de protecção individual (EPI)
    • Auto-atestados
    • Rastreamento e monitoramento
  • Resiliência da força de trabalho: Segurança no local de trabalho

    • Áreas comuns, entrada e fluxo
    • Protocolos de visitantes, fornecedores e clientes
    • Planejamento de capacidade
    • Planta do espaço de trabalho e plantas dos assentos
    • Limpeza, desinfecção e remediação
    • Matriz de fechamento do local recalibrado
    • Aplicação da política por não conformidade
  • Resiliência da força de trabalho: Plano e Políticas de Força de Trabalho

    • Segmentação da Força de Trabalho e Planejamento de Cenários
    • Horários de trabalho
    • Escutar e estar pronto para ajudar sua força de trabalho
    • Prontidão e formação de líderes
    • Envolvimento e comunicação da força de trabalho
    • Benefícios para apoiar o bem-estar dos funcionários e da família
  • Continuidade operacional: Operações de Negócios

    Análise e priorização de retorno ao local de trabalho com base em:

    • Necessidades e restrições do negócio
    • Negócios, força de trabalho, pontos críticos e prioridades do cliente
    • Planos de retomada das operações comerciais
    • Referências externas
  • Continuidade de operação: Tecnologia, Cibersegurança e Privacidade

    • Transformação e monitoramento de tecnologia e serviços de infra-estrutura básica
    • Proteger a empresa dos riscos cibernéticos e tecnológicos
    • Gestão das implicações de privacidade da recolha de informações pessoais identificáveis (PII)
  • Resiliência Comercial

    • Protocolos de interação
    • Integração de segurança da instalação
    • Protocolos de serviços (físicos, virtuais)
    • Suporte ao cliente/ Protocolos de call center
    • Protocolos pessoa-a-pessoa
    • Evento
  • Estabilidade financeira

    • Liquidez
    • Imparidades/reservas
    • Auxílio governamental
    • Tributação
    • Gestão de Portfólio

Acima de tudo isso, em tempos de incerteza, uma liderança de frente é um ponto crítico. A liderança tem de ser visível: construir confiança, modelar novos comportamentos e ajudar os gestores a apoiar seus times.

Saúde e segurança

As empresas já estão planejando ondas de retorno, cada uma em número limitado, para preservar o distanciamento social. Os líderes devem decidir quem precisa voltar ao local de trabalho como prioridade e como estão inovando com turnos escalonados e experimentando arranjos de trabalho remoto de longo prazo para alguns.

A Samsung implementou esforços abrangentes para conter a propagação do vírus e, ao mesmo tempo, minimizar a interrupção dos negócios. A empresa determinou que seus funcionários trabalhassem de casa, a menos que seja essencial estar presente em um local de trabalho. A Samsung também restringiu as viagens internacionais, liberando apenas aquelas de missão crítica, e criou forças-tarefa em todo o mundo para rastrear e implementar as mais recentes percepções de especialistas em Saúde.

Os líderes empresariais também devem navegar pelas diferentes regulamentações regionais que regem o retorno seguro ao local de trabalho físico e implementar as melhores práticas. Essas medidas incluem horários de início e término escalonados para minimizar a aglomeração de pessoas no caminho para o trabalho e nos pontos de entrada; teste de temperatura; regimes de lavagem das mãos frequentes e disponibilidade de sabão e álcool em gel; protocolos de limpeza profunda, especialmente para superfícies de toque; equipamento de proteção individual quando exigido pelos governos ou para pessoas expostas a riscos de proximidade; e cuidados de saúde sob demanda e acesso à telemedicina.

Tecnologia

Muitos funcionários foram catapultados para o uso de videoconferência e compartilhamento de arquivos na nuvem para substituir reuniões físicas e formas tradicionais de trabalho. Muitas vezes, eles se mostraram eficientes e produtivos, permitindo que essas tecnologias sejam incorporadas aos processos do local de trabalho, de modo que alguns funcionários agora têm autonomia para trabalhar remotamente por um longo prazo.

Várias tecnologias de rastreamento de contato - como pulseiras habilitadas para Bluetooth e aplicativos de smartphone, como o COVID Safe Paths do MIT - já estão em utilização por alguns governos e empresas para ajudar a proteger a saúde em caso de infecção confirmada. A confiança de que o uso de tais dados é apenas para proteção pessoal - e não para vigilância mais ampla - é fundamental para a adoção e conformidade em larga escala. As organizações precisarão proteger os dados para cumprir os regulamentos locais.

As empresas que reabriram estão considerando como substituir itens, como latas de lixo, ou usar tecnologia para reduzir o risco e manter os funcionários seguros e os ambientes de trabalho limpos. Tecnologias mais avançadas estão sendo testadas, como câmeras de imagem térmica a controles ativados por voz para elevadores e portas. Na fábrica da Ford em Plymouth, por exemplo, os trabalhadores estão testando um smartwatch que usa a tecnologia de ondas curtas Bluetooth para detectar a proximidade entre os trabalhadores e vibra para alertar os supervisores.

Além disso, as empresas estão adotando Inteligência Artificial e análise de dados para construir cenários, testar hipóteses e imaginar as circunstâncias hipotéticas que formarão a base dos planos de emergência que podem ser implementados imediatamente caso ocorra um surto localizado.

Espaço físico

Cada reabertura de empresa após o bloqueio deve reconfigurar os espaços de trabalho para manter o distanciamento social. As medidas incluem espaçamento entre funcionários mais distantes nas linhas de montagem; assentos designados em escritórios em vez de “escritório móvel”; uso limitado do elevador; instalação de sinalização para ajudar a manter distância em instalações comuns, como fotocopiadoras, pontos de café e banheiros; e fechamento temporário de centros de socialização, como refeitórios e áreas de descanso.

A redução do risco em superfícies de alto tráfego também pode ser obtida sem tecnologia. Uma empresa australiana de tecnologia substituiu as maçanetas das portas por maçanetas feitas de suportes de parede para evitar que as portas sejam tocadas por seus funcionários, por exemplo. Essas modificações são apenas ajustes de curto prazo para as mudanças radicais no espaço físico que virão como resultado da pandemia.

As empresas irão reavaliar as suas necessidades de espaço físico, incluindo quem precisa estar em um escritório e por quanto tempo. Para os funcionários que retornam ao escritório, as diretrizes de distanciamento social sinalizam o fim das plantas de escritórios abertos.   

Mark Grinis, líder global de Real Estate, Hospitality and Construction da EY, resume o que esperar: “O futuro do setor imobiliário mudou para sempre após a crise da COVID-19. Nossas experiências de adoção de estilos de vida mais virtuais mudaram a percepção do que é possível, o que, por sua vez, desafiará o papel do ambiente físico. Há uma necessidade urgente de ajuste imediato do espaço físico para proteger a saúde e a segurança no retorno ao trabalho, enquanto se planeja ajustes de longo prazo em como as pessoas preferem trabalhar, fazer compras, aprender e se divertir.”

A engrenagem 1 fornece etapas imediatas e acionáveis para colocar as pessoas no centro do programa de retorno físico ao trabalho. Aqui estão alguns pontos fundamentais para auxiliar na preparação:

Pessoas no centro — Engrenagem 1: considerações para uma transição segura

 

Funcionário

Cliente

Fornecedor/parceiro

Cidadão

Saúde e bem-estar

Como você está priorizando a saúde e o bem-estar dos funcionários no retorno físico ao trabalho e no trabalho remoto?

Qual é o seu manual para melhorar a limpeza e proteger a saúde e a segurança de seus clientes?

Como você mantém uma cultura de cuidado e colaboração com sua rede de fornecedores e parceiros?

Como suas políticas impactam e priorizam a saúde, a segurança e o bem-estar geral do público?

Espaço físico

Como você fará com que seus funcionários se sintam seguros no retorno físico ao escritório e produtivos ao continuar trabalhando em casa?

Como você está mudando seu ambiente físico para se ajustar às novas preferências e manter os clientes saudáveis e seguros?

Como você coordena a saúde e a continuidade dos negócios com fornecedores e parceiros com o retorno ao trabalho físico?

Como as ações que você toma para  reimaginar seu ambiente físico  mostram r que você está sendo responsável com as comunidades locais e globais?

Tecnologia

Você está dando suporte a seus funcionários com ferramentas e tecnologia para se sentirem seguros, produtivos e conectados?

Como você está usando a tecnologia digital touchless para ajustar os modelos de entrega e atender às necessidades do cliente?

Que análise integrada manterá a conexão e a continuidade com fornecedores e parceiros?

Como você se comunica e utiliza dados e opiniões externas para criar uma abordagem transparente?

Empresário fazendo apresentação através de teleconferência a partir do home studio
(Chapter breaker)
2

Capítulo 2

Reinventando o trabalho a toda velocidade (Engrenagem 2)

Como conduzir a adaptação e a transformação para um novo mundo de trabalho

Todos nós precisamos nos tornar futuristas - não apenas para modelar futuros possíveis ou plausíveis, mas também para inventá-los e projetá-los. A forma como o trabalho é gerenciado ainda é amplamente modelado nas linhas de produção do início do século XX. Há um forte imperativo agora para sincronizar a tecnologia e a forma de trabalho com as necessidades do século XXI.

Em muitas empresas, o trabalho ainda é organizado em funções definidas dentro de uma estrutura de comando e controle e de uma cultura hierárquica. Muitos líderes promovem uma ética de atendimento que recompensa as horas físicas em um local, em vez da produtividade. Esta não é a melhor maneira de organizar seu negócio: o local de trabalho do futuro deve ser muito mais digitale flexível e muito menos hierárquico.

Os líderes precisarão continuar a otimizar a forma como o trabalho é feito para obter eficiência e produtividade. Mas a experiência dos funcionários é que deve ser o foco do líder. A cultura do trabalho on-line está sendo reescrita, à medida que as organizações aplicam as lições da pandemia em longo prazo. A capacidade de atrair os melhores talentos dependerá significativamente das experiências flexíveis que sua empresa pode oferecer. Fundamental para isso será a cultura que a sua organização demonstra e a colaboração em direção ao seu propósito.

Saúde e segurança

NSomos pessoas em primeiro lugar; funcionários em segundo lugar. As empresas que ganham nesta nova economia serão aquelas que se preocupam com o bem-estar total dos seus funcionários (saúde física, mental e financeira) e colocam o ser humano no centro.

O foco imediato na higiene acelerou o uso de sistemas sem toque e controles ativados por voz; a nova ênfase na lavagem e limpeza - mãos e superfícies - agora faz parte de nossas rotinas diárias. Na China, por exemplo, há um aumento do uso de elevadores ativados por voz. E empresas, como a Microsoft, têm desenvolvido novas tecnologias de reconhecimento automático de voz que podem filtrar o ruído de fundo.

Mike Bertolino, Líder Global de People Advisory Services da EY, diz: “Sob o olhar de "as pessoas são mais importantes", as empresas deveriam se perguntar antes de mais nada: Como faço para manter meus funcionários seguros? Como faço para manter meus clientes envolvidos? Como minha empresa pode ajudar a sociedade? As empresas que vivem seu propósito por meio da COVID-19 gerarão valor de longo prazo que pagará dividendos muito depois que a crise passar ”.

Essa cultura de cuidado informará tudo o que uma empresa faz, ao aplicar as lições aprendidas com a pandemia em um novo ciclo de negócios definido mais pelo valor do que pelo crescimento.

Tecnologia

"As empresas líderes vão emergir da crise atual com a motivação para reiniciar e reequilibrar”, disse Dan Higgins, líder global de Advisory Technology Consulting . “Os líderes precisam examinar seus esforços para uma transição confiável para transformar suas empresas por meio deum novo olhar e um conjunto diferente de geração de valor: colocar os humanos no centro de seu propósito; inovar em escala por meio de ecossistemas de parcerias e alianças; e implantação de tecnologia em alta velocidade”.

Automatizar processos rotineiros remove o trabalho enfadonho da experiência humana de trabalho, elevando essa experiência a tarefas mais criativas e recompensadoras.

À medida que as empresas competem por talentos-chave, formas mais flexíveis de trabalho que aproveitam os aplicativos de comunicação digital podem melhorar o equilíbrio entre trabalho e vida pessoal e atender às preferências pessoais dos funcionários. Validar que a força de trabalho está em constante trajetória de treinamento possibilitará uma cultura em que ninguém é deixado para trás, conforme novas tecnologias são incorporadas aos processos de negócios. Por exemplo, o LinkedIn lançou vários cursos focados em liderar e trabalhar com forças de trabalho remotas, incluindo como manter uma presença executiva virtualmente.

Conforme a utilização de tecnologias avançadas ganha força em cada vez mais operações de negócios, a estratégia de nuvem e a escalabilidade são essenciais, assim como os controles de segurança cibernética. E o uso de gêmeos digitais se tornará crítico para o planejamento estratégico, ajudando a modelar cada operação comercial para descobrir maneiras de melhorá-la, desde o gerenciamento da cadeia de suprimentos, incluindoos processos de produção e logística até o acesso do cliente.

A Bayer Crop Science, por exemplo, usa gêmeos digitais que modelam cada uma das nove fábricas de sementes de milho na América do Norte. Por meio do uso de IA, essas fábricas virtuais criam planos de negócios de longo alcance e realizam análises hipotéticas para melhorar os processos e identificar novas abordagens.

Espaço físico

Nem todos os trabalhos futuros terão um local físico definido. Em alguns setores, quase tudo pode ser feito remotamente. Algumas empresas estão provando que podem operar sem uma grande estrutura física, com o escritório servindo essencialmente como um centro de conferências emblemático - não um local de trabalho.

À medida que as empresas olham para uma força de trabalho flexível, pode haver o aumento no trabalho realizado por terceirizados, ou trabalhadores temporários, que trabalham fora da organização. Mas a pandemia também mostrou que os terceirizados são particularmente vulneráveis ​​e pode haver movimentos para oferecer a eles proteção, além de benefícios semelhantes aos dos empregados internos.

Nas atividades que exigem um local físico fixo, as empresas se concentrarão em tornar esse local mais flexível (por exemplo, por meio de escritórios modulares) e adaptável a novos processos de produção, novas tecnologias e novas formas de fazer. A inter-relação de localização física e tecnologia só aumentará.

Pessoas no centro - Engrenagem 2: considerações para a reinvenção do trabalho

 

Funcionário

Cliente

Fornecedor/parceiro

Cidadão

Saúde e bem-estar

Como você tratará os problemas crônicos e agudos de bem-estar (físico, financeiro, social e emocional) em um roteiro de transformação?

Como você vai promover e estimular mudanças culturais e comportamentais alinhadas ao cliente?

Como você constrói resiliência e avalia o bem-estar das redes de fornecedores?

Como você integrará a saúde e o bem-estar ao objetivo e valor de longo prazo do seu negócio?

Espaço físico

O seu ambiente físico de trabalho e as políticas de trabalho remoto refletem as preferências e escolhas dos funcionários e um novo modelo de força de trabalho?

Como você vai reimaginar o contato com o cliente em seu espaço físico para maximizar o valor?

Existe agilidade, flexibilidade em seu espaço físico e modelo operacional para se adaptar aos eventuais impactos?

Quais etapas você vai percorrer para  remodelar seu espaço físico de trabalho para atender aos principais padrões  saúde?

Tecnologia

Como você usará a tecnologia para melhorar o potencial das pessoas, aumentar a colaboração, o aprendizado e as novas formas de trabalho?

Como você reinventará modelos de negócios e de entrega para aprimorar a experiência do cliente?

Como você vai reimaginar e otimizar seu stack tecnológico para ampliar a colaboração e acelerar seu ecossistema de inovação?

Como você utilizará a tecnologia com humanos no centro para remodelar o valor que você entrega ao público ao criar empregos e habilidades locais?

Envolvendo-se com o que você está pensando e fazendo

A pandemia COVID-19 virou nosso mundo de cabeça para baixo. Também ampliou a necessidade de colaboração. Com este relatório, estamos lançando uma pesquisa e um “portal jam” em nossa plataforma MillionYou para ouvir todas as vozes da comunidade global. Queremos saber como você está gerenciando a crise, como ela afetou você e sua força de trabalho e como você acha que vai remodelar e reimaginar o trabalho. Compartilharemos dados em tempo real para mostrar perspectivas e práticas de liderança de uma variedade de países, setores e pessoas.

Principais Conclusões

Conforme começamos a retomar as atividades presenciais, os líderes devem repensar o ambiente em que suas empresas operam. O sucesso neste período incerto requer o uso de duas engrenagens, movendo-se juntas, em um ciclo de maturação de modelagem, iteração e pivot.

Enquanto a primeira engrenagem se concentra em uma transição confiável de volta às operações físicas, a segunda explora a transformação do modelo de trabalho. A engrenagem 1 concentra-se nos riscos; A engrenagem 2 abre oportunidades. Ainda assim, elas estão interconectadas e interdependentes, o que significa que uma transição mal executada bloqueará o caminho para a transformação.

Em todos os momentos, as pessoas estão no centro desse esforço. Decifrar o código do próximo ciclo de negócios significa dominar a transição da economia de crescimento econômico para uma economia baseada em valor. As empresas que vencerão neste mundo emergente serão aquelas que colocam as pessoas em primeiro lugar e que melhor atendem as suas necessidades, sejam elas funcionários, clientes, parceiros de negócios ou a sociedade em geral.

Conduzindo seu negócio através da COVID-19

Obtenha insights para ajudá-lo a se adaptar às forças disruptivas, construir resiliência e remodelar o seu futuro, no presente, no que vier depois e além.

Saiba mais

Fala conosco para ter suporte imediato

Tenha acesso à nossa experiencia em gestão de crises, continuidade de negócios e resiliência empresarial.

 

Entre em contato

Resumo

À medida que os lockdowns relacioandos a pandemia da COVID-19 terminam em todo o mundo, uma reabertura bem sucedida e o retorno ao espaço físico de trabalho vai exigir que as empresas operem em duas frentes, que devem trabalhar sem problemas uma sobre a outra. A primeira gerencia a transição de confiança da volta ao local de trabalho físico com foco na mitigação de riscos para funcionários e clientes. A segunda frente impulsiona a transformação baseada nas lições aprendidas com a crise da COVID-19, reimaginando o trabalho para o futuro. A mudança entre as frentes, vai exigir uma gestão delicada dos riscos e fluidez para modelar, iterar e estar em constante funcionamento.